Apesar de Bolsonaro

Dos três grandes jornais de circulação nacional, a Folha de S. Paulo foi o que teve a manchete mais correta nesta terça-feira, 7 de abril. A do Globo chamou a atenção para um detalhe importante – mas em seguida teve um tropeço. E O Estado de S. Paulo, numa decisão editorial que me parece incompreensível, optou por não dar importância ao grande fato do dia. Continue lendo “Apesar de Bolsonaro”

A mentira como política de governo

Diante de um pedido de explicação feito pelo STF, a Presidência da República, por meio da Advogacia Geral da União (AGU), afirmou que os atos de Jair Bolsonaro estão de acordo com “as políticas adotadas no mundo e com as recomendações científicas, sanitárias e epidemiológicas”. Continue lendo “A mentira como política de governo”

O país precisa achar uma forma de se livrar desse doente

Jair Bolsonaro quer que as escolas sejam reabertas, que o comércio seja reaberto. Assinou medida provisória para que igrejas e lotéricas fiquem abertas. As escolas continuam fechadas. O cardeal-arcebispo Dom Odilo Scherer determinou que as missas em São Paulo continuem suspensas. As ruas das maiores cidades do Brasil estiveram tão vazias nesta quinta-feira quanto estavam na terça, antes do pronunciamento hara-kiri do presidente da República. Bolsonaro fala, o Brasil responsável toca em frente. Continue lendo “O país precisa achar uma forma de se livrar desse doente”

#AcabouBolsonaro

Em cadeia nacional de rádio e televisão, Jair Bolsonaro encaminhou à Câmara dos Deputados o pedido de seu próprio impeachment. Levou 4 minutos para ler o texto. Continue lendo “#AcabouBolsonaro”

A calamidade pública número um

“A calamidade pública número um não é o coronavírus”, diz o título do artigo de Rolf Kuntz publicado em O Estado de S. Paulo no domingo, 22/3. “A número um, a maior e mais perigosa, assola o País há mais de um ano, pondo em risco a economia, a cultura, a gramática, as instituições, a natureza, o decoro e a saúde pública.” Continue lendo “A calamidade pública número um”

Colaborando com Eduardo Bananinha

O vice Hamilton Mourão, querendo defender Eduardo Bolsonaro, foi engraçado, mas não foi verdadeiro. Como assim o Zero-Zero não representa o governo? Ele, além de ser filho do presidente da República, não é um parlamentar brasileiro, não é, segundo consta, o deputado mais votado do Brasil nas últimas eleições? Continue lendo “Colaborando com Eduardo Bananinha”

“Bolsonaro não é um presidente, mas um estorvo”

Na hora, e naquele local, pareceu totalmente absurdo, inadequado, extemporâneo. No portão do Palácio da Alvorada, no meio da claque reunida para aplaudir e macaquear o presidente em sua chegada ao fim do expediente, no início da noite de segunda-feira, 16/3, o haitiano disse: – “Bolsonaro, acabou. Você não é presidente mais.” Continue lendo ““Bolsonaro não é um presidente, mas um estorvo””

Dudu X-Chapeiro versus a República Popular da China

No dia em que a Organização Mundial de Saúde anunciou que já eram mais de 8 mil os mortos pelo novo coronavírus, e apenas na Itália, a bela Itália, eram registrados 475 mortos (a quarta-feira, 18/3), travava-se, longe dos holofotes, uma batalha mortal na guerra do bolsonarismo contra o CriptoComunismo Mundial. Continue lendo “Dudu X-Chapeiro versus a República Popular da China”

Depois de todas as críticas, Bolsonaro radicaliza mais

Jair Bolsonaro não tem jeito. Não aprende. Depois de ter sido duramente criticado ao longo da tarde do próprio domingo, 15/3, durante toda a segunda-feira, e nos jornais da terça, pela irresponsabilidade criminosa demonstrada diante do Palácio do Planalto no domingo, não baixou o facho. Não deu uma sossegada, nem mesmo de leve. Ao contrário: na manhã desta terça, ao mesmo tempo em que se noticiava a primeira morte pela Covid-19 no Brasil, ele radicalizava ainda mais. Partia para o ataque aos governadores. Continue lendo “Depois de todas as críticas, Bolsonaro radicaliza mais”

Bolsonaro prova e comprova que é irresponsável

Jair Bolsonaro já havia provado e comprovado que é autoritário, admirador de ditaduras, ditadores e torturadores, misógino, homofóbico, sem educação, tosco, grosseiro, avesso à ciência e aos direitos humanos. Neste domingo, 15 de março, provou e comprovou que é irresponsável. Continue lendo “Bolsonaro prova e comprova que é irresponsável”

Ou a democracia pára Bolsonaro, ou Bolsonaro pára a democracia (1)

É esquisito dizer que Jair Bolsonaro exagerou nas imbecilidades, nos absurdos, na falta de senso – porque isso é assim como um pleonasmo. Como um truísmo. É o mesmo que dizer que a água é molhada, o fogo é quente, o céu sem nuvens durante o dia é azul. Continue lendo “Ou a democracia pára Bolsonaro, ou Bolsonaro pára a democracia (1)”

Afinal

Valdir Sanches estava mexendo em fotos feitas por colegas profissionais das lentes – daquelas antigas ampliações em papel fotográfico –, e deparou com esta aí. Não se lembrava dela.

Eu me lembrava. Mais que velha, é uma foto histórica. Continue lendo “Afinal”