Bob Dylan, 80 anos

80 anos!

Diacho: é ano que não acaba mais. E, no entanto, até que não: parece que não foi há muito tempo que, há exatos 40 anos, o Jornal da Tarde publicou uma matéria de duas páginas no Caderno de Sábado sobre os 40 anos de Bob Dylan. Continue lendo “Bob Dylan, 80 anos”

O decaimento da verdade

Na ditadura militar que Jair Bolsonaro tanto admira, havia, segundo cunhou Stanislaw Ponte Preta, o Festival de Besteiras Que Assola o País. Agora, no terceiro ano do governo do Capitão das Trevas e da Morte, estamos diante do “Festival de mentiras que assola a CPI”, como diz o título do editorial de O Globo desta sexta-feira, 21/5, ou o “Festival de Mentiras Que Assola o País!”, como Vera Vaia titulou na quinta-feira seu artigo. Continue lendo “O decaimento da verdade”

Um jovem exemplar

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, morreu ainda no início de sua trajetória política, mas isso não impediu que esse jovem quadro do PSDB desse muitas lições inclusive para os veteranos que parecem ter esquecido qual é a verdadeira missão dos homens públicos. Continue lendo “Um jovem exemplar”

Eva Wilma

Quando Marina Person a entrevistou para fazer o documentário Person, que seria lançado em 2007, Eva Wilma sorria muito, mostrava-se feliz, ao dar seu depoimento sobre o filme São Paulo Sociedade Anônima, e sobre a aventura que foi a viagem que os três – ela, Walmor Chagas e o diretor Luís Sérgio Person – fizeram para participar do Festival dos Festivais, em Acapulco, onde a fita foi exibida e recebeu muitos elogios. Continue lendo “Eva Wilma”

Lie, o caráter perfeito

Tive o privilégio, a sorte grande maior que ganhar na Loteria, de trabalhar em algumas das redações mais alegres, mais aparentemente bagunçadas, caóticas – e também mais criativas – de que se tem notícia no Brasil. A do Jornal da Tarde ao longo de todos os anos 70 e metade dos 80, a da revista Afinal criada por Fernando Mitre, a da nova Agência Estado reinventada no final dos anos 80 por Rodrigo Mesquita e uma penca de gente extraordinária, a da revista Marie Claire sob a direção de Regina Lemos, possivelmente a redação mais democrática que já houve. Continue lendo “Lie, o caráter perfeito”

Saudade de Piazzolla, do Brasil…

Houve um tempo, ali pela primeira metade dos anos 1970, o Brasil mergulhado no pior momento da ditadura militar, a Argentina ainda em um de seus períodos democráticos pré novo golpe de 1976, em que Astor Piazzolla parecia arroz de festa aqui. Houve um mês em que vi Astor Piazzola no Teatro Municipal e no Bosque da Biologia da USP. Continue lendo “Saudade de Piazzolla, do Brasil…”

O rega-bofe do aplauso necrófilo

O que pode levar alguém a aplaudir um genocida golpista? Um estrupício, um ergofóbico, como qualificou com perfeição (e uma pequena dose de sofisticação) O Estado de S. Paulo, em editorial do dia 4/4? Um sujeito com quem – segundo descreveu há pouco um empresário – não dá para falar a sério, porque só quer contar piada e falar palavrão? Continue lendo “O rega-bofe do aplauso necrófilo”

Há muito mais mortes pela pandemia onde Bolsonaro venceu

Ao tomar a votação no segundo turno de 2018 como um indicador da propensão dos habitantes de um município a seguir os péssimos exemplos e orientações do presidente Bolsonaro, vemos o que se espera: a taxa média de mortalidade por covid nos municípios onde Bolsonaro ganhou é 50% maior do que a média nos municípios onde perdeu. Continue lendo “Há muito mais mortes pela pandemia onde Bolsonaro venceu”

O bolsonarismo luta para desestabilizar as polícias

Jair Bolsonaro e seus seguidores lutam incessantemente contra os princípios e as instituições democráticas nas mais diversas frentes. Tentam abalar o respeito das Forças Armadas pela Constituição, procuram dinamitar a imprensa livre, incitam a população contra o Legislativo e o Judiciário. Continue lendo “O bolsonarismo luta para desestabilizar as polícias”

Dirceu Martins Pio

Dirceu Martins Pio tinha maneiras suaves, um jeito extremamente calmo, manso de falar. Não me lembro de ter visto o Pio bravo, berrando no meio de uma discussão. Embora paulista, e com muitos anos de Paraná, onde se radicou, parecia um mineirim – essa coisa que imaginamos para os mineiros, sujeito tranquilo, sempre de boa paz. Continue lendo “Dirceu Martins Pio”