Eles não querem Maduro

Os venezuelanos vão às urnas no próximo domingo para votar em peso no candidato de oposição Edmundo González e Nicolás Maduro será reeleito. E, pelo andar da carruagem, com as bênçãos do Brasil. “Eles que elejam os presidentes que quiserem”, disse Lula na sexta-feira, como se fossem livres as eleições promovidas pelo ditador do país vizinho. Continue lendo “Eles não querem Maduro”

Tiros

Onde o tiro é livre, as armas e as balas também, era uma questão de tempo e oportunidade que o maior  incentivador da violência política nos Estados Unidos fosse alvo de um atirador.  Continue lendo “Tiros”

Distopia americana

O atentado a Donald Trump na Pensilvânia recomenda assistir ao filme Guerra Civil, lançado no Brasil em abril e disponível no Prime Vídeo, para saber o risco que os Estados Unidos correm, diante da escalada da violência política e de divisão do país. Continue lendo “Distopia americana”

Lambança

 Virou lambança aquilo que deveria ser a regulamentação da reforma tributária. Os lobbies melaram tudo, a Câmara dos Deputados bateu palmas e o presidente da República, e todo o PT, aliado ao bolsonarismo, também!  Continue lendo “Lambança”

O país do perdão

Descumprir a lei, não pagar dívidas e muito menos multas. Esse tripé, que esbofeteia os cidadãos honestos, foi referendado pela maioria dos deputados federais com a aprovação de mais uma anistia a dívidas de partidos políticos, a quarta pós-1988, desta vez com o absurdo adicional de incluí-la na Constituição. Um escárnio com requintes de crueldade, escancarado na redução do fundo eleitoral para candidatos pretos e pardos, ferindo o princípio universal de que todos são iguais perante a lei. Mas tudo vale no país do perdão. Continue lendo “O país do perdão”

Que virada!

Eu estava torcendo por Michelle Obama entrar na corrida pela presidência dos EUA para virar a mesa lá, e a mesa que virou foi do outro lado do Atlântico. Minha pontaria não anda muito boa… 

Continue lendo “Que virada!”

O caminho das pedras e as pedras no meio do caminho

A direita naufragou nos dois lados do canal da Mancha. No lado britânico, os trabalhistas venceram as eleições para o Parlamento com uma vitória esmagadora, enquanto o Partido Conservador sofreu a maior derrota de sua história e deixa o poder após 14 anos. Continue lendo “O caminho das pedras e as pedras no meio do caminho”

Lula, o viril

“Tenho 70 anos de idade, energia de 30 e tesão de 20”. Fora a mentirinha – Lula tem 78 anos -, o arroubo viril (e juvenil) do presidente durante evento na Grande São Paulo, na sexta-feira, expõe o medo do efeito Biden, pressionado a desistir da disputa à reeleição depois de seus apagões no debate contra Donald Trump. Lula faz 79 anos em outubro. Completará 81,  mesma idade de Biden, dois dias após o segundo turno de 2026. E, desde já, para regozijo dos bolsonaristas, mordeu a isca do “velho demais” para o cargo. Continue lendo “Lula, o viril”

Cyborg!

Lá por meados dos anos 70 foi criada uma série de TV americana com o nome The Six Million Dollar Man. Aqui no Brasil ficou conhecida como Ciborgue, O Homem de Seis Milhões de Dólares, ou O Homem Biônico, na época transmitida pela TV Tupi e depois reprisada pela TV Bandeirantes. Fez muito sucesso e acabou dando origem a outra série, que também ficou bem famosa: A Mulher Biônica.

Continue lendo “Cyborg!”

A democracia brasileira está viva

Há uma vasta literatura no Brasil apontando as mazelas de nossa democracia, reforçando a tese segundo a qual nosso modelo político é disfuncional. Alega-se, com certa dose de razão, que os partidos políticos são uma geléia ideológica e os políticos são oportunistas, quando não caem no lodaçal da corrupção. Continue lendo “A democracia brasileira está viva”

Vai, Michele

   Agora que as pontas de meus dedos descongelaram (o frio aqui é extremo, após a sucessão de enchentes de maio, que ainda não acabaram de todo), aproveito para escrever um pout-pourri sobre os últimos e alucinantes eventos das últimas duas semanas. Continue lendo “Vai, Michele”

Sandías e cojones

“En Bolivia las melancias tienen cojones…”, escreveu o deputado bolsonarista Ricardo Salles (PL-SP) em apoio aos militares bolivianos durante a fracassada intentona contra o governo de Luís Arce, na última quarta-feira. A reação de repúdio nas redes sociais foi imediata, acrescida por um abaixo-assinado #ForaSalles, uma representação do PSOL contra o parlamentar na Procuradoria-Geral da República e na Comissão de Ética da Câmara. Mesmo tomada pela indignação, torço para que nada disso vingue. Afinal, ele tem, como qualquer um de nós, o direito assegurado à opinião. Mas com o dito, o ex-ministro renovou seu já conhecido escárnio à democracia.  Continue lendo “Sandías e cojones”