Chico Buarque cancela a arte – e a História

Durante um bom tempo da minha juventude e do início da maturidade, ali entre os 16 e os 40, meus maiores ídolos musicais foram Bob Dylan e Chico Buarque de Hollanda. Não que não sejam mais mais meus ídolos, agora na velhice; de forma alguma. Continuam sendo, sim, e não deixarão de ser nunca – mas é que, depois de velho, deixei de colocá-los assim num posição mais alta, e os botei junto com os outros tantos. Continue lendo “Chico Buarque cancela a arte – e a História”

Dona Diva

Não foi difícil achar uma boa foto da Dona Diva com as duas filhas, Suely e Sandra. Na pasta Família Rossanez, tinha uma, as três em escadinha, bonitas, simpáticas, sorridentes – uma foto que fiz no aniversário de 14 anos da neta mais velha dela, em julho de 1989. Continue lendo “Dona Diva”

As crianças contra o dragão da maldade

Exatamente no momento em que o desgoverno do Capitão das Trevas fez o que talvez seja o mais patético de todos os seus gestos a favor do coronavírus – a divulgação da “nota técnica” dizendo que o kit covid é eficaz e a vacina, não –, milhares e milhares e milhares de crianças saíam alegrinhas dos postos de vacinação Brasil afora, e os pais, orgulhosos, aliviados, felizes, publicavam suas fotos nas redes sociais.

Continue lendo “As crianças contra o dragão da maldade”

Os camarões e as eleições

O presidente da República engoliu nas férias um camarão sem mastigar e teve o intestino entupido. Eu e um cirurgião gastroenterologista muito meu amigo ficamos admirados, ele mais do que eu, com a explicação do cirurgião oficial do paciente. Como é que pode um camarão pistola passar inteiro pela goela do indigitado, atravessar incólume seu estômago e aninhar-se entre uma volta e outra do intestino, não se sabe se na parte de cima ou já lá embaixo? Não há registro nos anais (ops) da medicina de um caso tão extraordinário. Continue lendo “Os camarões e as eleições”

O elefante na sala

Eles são um terço dos brasileiros e representam o maior fenômeno de massas dos últimos quarenta anos. Resultado do êxodo rural e do processo de transformação do Brasil de uma sociedade agrária para essencialmente urbana, os evangélicos são, na sua grande maioria, pretos ou pardos e pobres. Vivem nas periferias dos grandes centros, onde o Estado é ausente, em situação de vulnerabilidade e incertezas. Continue lendo “O elefante na sala”

Ano Novo, Bolsonaro velho

A defesa da não obrigatoriedade de vacinação das crianças para a matrícula escolar reúne todos os ingredientes para virar a nova polêmica a ser insuflada pelo presidente Jair Bolsonaro, cujo estoque de conflitos anda repetitivo, insuficiente para mobilizar até o seu público mais fiel. Continue lendo “Ano Novo, Bolsonaro velho”

Tô de Férias, Pô!

Confesso que vim para a praia porque tinha prometido à minha neta que, se um dia parasse de chover, eu a levaria até ela – eu já tinha dúvidas de que isso aconteceria, tanta água que caiu desse céu de meodeos. (Como cabe tudo lá em cima?) E assim vim. Com muito medo, mas vim. Continue lendo “Tô de Férias, Pô!”

A Vida x A Morte

Parece que agora a coisa ficou assim, neste alvorecer de 2022: quem é tarado por vacina e pela vida vota em outubro a favor da democracia, quem é tarado pela morte e antivacina vota pelo Napoleão de hospício, contra a vida e a democracia. Eu sou tarado por vacina, tomei três doses e podem mandar a quarta e a quinta que aceito. Continue lendo “A Vida x A Morte”

A direita jacobina

Historicamente o conceito de revolução, entendido como a ruptura da ordem vigente e a construção de algo novo, está associado à esquerda. Já a direita sempre foi vista como conservadora no sentido da manutenção do status quo. O documentário Four Hours at the Capitol de Jamie Roberts sobre a invasão do Capitólio, em 6 de janeiro de 2021, por uma horda de trumpistas enfurecidos, evidencia a existência atual de uma “direita revolucionária” que pretende derrubar o sistema e suas instituições democráticas. Continue lendo “A direita jacobina”

Marina em modo lareira

Outro dia fez 40 graus centígrados em um ponto da Sibéria, um dos lugares mais frios do Planeta. Neste dia 11 de janeiro, terça-feira, fez 40 graus em Buenos Aires – a segunda temperatura mais alta já registrada na bela cidade localizada no paralelo 35, muito mais próxima do Círculo Polar do que do Equador. Continue lendo “Marina em modo lareira”

O deserto nos contempla

Cometeram um assassinato em série hoje de manhã na minha rua. Uma quadrilha muito bem organizada e coordenada chegou logo cedo e fechou o trânsito com dois caminhões enormes e um bando de gente vestida de macacão e usando máscaras ou capuzes que cobriam todo o rosto, ficando só os olhos de fora. Ajustei meus óculos recém consertados e vi que alguns portavam máquinas mortíferas, dessas que se vêem em filmes de ficção, que disparam mil balas por segundo.   Continue lendo “O deserto nos contempla”

Ano novo, desafios antigos

O Brasil ingressa no ano do seu bicentenário carregando o fardo de mais uma década perdida e atormentado por dois binômios perversos: estagnação-inflação e fome-desemprego. Nossa economia anda de lado, crescendo em média 0,3% ao ano entre 2011 e 2021. O ufanismo do ministro da Economia, Paulo Guedes, quanto a um PIB turbinado em 2022 não é compartilhado pelo mercado ou especialistas, cujas projeções apontam para mais um ano de economia estagnada, beirando a recessão. Continue lendo “Ano novo, desafios antigos”