A educação como refém da disputa política

Por quatro anos a educação foi palco de uma guerra cultural intensa. Prioridades distorcidas das gestões do MEC, no governo Bolsonaro, trouxeram inúmeros prejuízos ao processo de aprendizagem dos alunos. Com a posse da nova gestão no Ministério da Educação, imaginava-se que esse tempo ficaria para traz. Reconhecia-se a qualificação do novo ministro e de sua secretária executiva para focar na verdadeira agenda educacional: ensino integral, novo ensino médio, alfabetização na idade certa, e ensino profissionalizante articulado com o ensino médio. Continue lendo “A educação como refém da disputa política”

Lula deve um pedido de desculpa aos judeus

Poucas vezes um presidente do Brasil foi tão infeliz e grosseiro com outro povo como Lula com a sua declaração, na qual comparou a morte de palestinos em Gaza com o Holocausto dos judeus na Segunda Guerra Mundial. Criou uma crise diplomática desnecessária – a ponto de o governo israelense considerar o presidente brasileiro persona non grata – e ofendeu a memória de seis milhões de judeus que perderam suas vidas nas câmaras de gás dos campos de concentração nazistas. Continue lendo “Lula deve um pedido de desculpa aos judeus”

USP 90 anos: a eterna missão de formar líderes

Noventa anos depois de sua fundação, em 25 de janeiro de 1934, a Universidade de São Paulo tem diante de si o mesmo desafio de quando engatinhava. Formar uma nova safra de lideranças para um Brasil em intensa transformação, em decorrência das grandes mudanças que o planeta atravessa. Essa sempre foi a sua vocação. Continue lendo “USP 90 anos: a eterna missão de formar líderes”

Em São Paulo, um terceiro turno

Pretende-se que a disputa pela prefeitura de São Paulo assuma a feição de um terceiro turno entre Lula e Bolsonaro. Já na largada o próprio presidente da República empenhou-se em confiná-la a uma luta do bem contra o mal, dando ares de uma “Frente Ampla” à chapa Guilherme Boulos/Marta Suplicy. É um exagero de retórica de Lula, com o objetivo de perpetuar a polarização calcificada, marca registrada da política brasileira pós 2018. Em nada a chapa lembra a aliança Lula-Alckmin da última disputa presidencial. Continue lendo “Em São Paulo, um terceiro turno”

De olho gordo na Vale

Lula e a esquerda nacional-desenvolvimentista jamais engoliram a privatização da Vale, uma das maiores mineradoras do mundo e maior empresa privada brasileira. Seu valor de mercado só é inferior ao da Petrobras. A Vale é um exemplo de privatização bem sucedida, assim como a do setor de telecomunicações e a da Embraer. Seus números são insofismáveis: em 1998, primeiro ano após sua privatização, seu lucro líquido era de apenas R$ 750 milhões. Dez anos depois, ele passou a ser superior a R$ 21 bilhões. Continue lendo “De olho gordo na Vale”

O Brasil sai atrás

As duas palavras do momento na economia mundial são nearshoring e friendshoring. Elas ganharam visibilidade em 2023 e dizem respeito à remodelagem das cadeias produtivas, em decorrência de fatores geopolíticos, principalmente do conflito entre Estados Unidos e a China. Continue lendo “O Brasil sai atrás”

Fim da lua de mel

Camilo Santana e Izolda Cela assumiram o comando do Ministério da Educação em meio a enormes expectativas, quando chegavam ao fim os quatro anos de prioridades distorcidas pela visão ideológica do bolsonarismo. Neste período, também ocorreu uma alta rotatividade em cargos estratégicos da pasta, com políticas públicas erráticas. E vieram à tona denúncias de verbas sendo desviadas para pastores evangélicos. Continue lendo “Fim da lua de mel”

O fracasso do 8 de janeiro

Em seu mais recente livro, Como Salvar a Democracia (Cia das Letras), Steve Levitsky e Daniel Ziblatt fazem uma comparação entre a reação dos Estados Unidos à invasão trumpista do Capitólio, em 6 de janeiro de 2021, e a do Brasil em relação à intentona bolsonarista de 8 de janeiro de 2023. Sua conclusão é surpreendente: “O Brasil rechaçou a sua mais recente ameaça à democracia, ao contrário dos Estados Unidos”. Continue lendo “O fracasso do 8 de janeiro”

Bem-vindo a Lulanaro

Nos meados dos anos 70, o economista Edmar Bacha descreveu um país fictício chamado “Belíndia” para explicar a existência de dois Brasis. Um com alto padrão de vida e do tamanho da Bélgica e outro com condições sociais e extensão territorial similar à da Índia, então um dos países mais miseráveis do mundo. Continue lendo “Bem-vindo a Lulanaro”

Esquizofrenia petista

No primeiro governo Lula o quadro já era esquizofrênico. Quem mais se opunha à política econômica do ministro Antonio Palocci e do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, eram senadores e deputados do partido do presidente, o Partido dos Trabalhadores. Enquanto isso, a oposição a defendia porque as medidas do então ministro da Fazenda iam na direção correta: superávit primário, meta da inflação, responsabilidade fiscal. Continue lendo “Esquizofrenia petista”

As contradições de Lula na COP28

Lula fez um bom discurso na abertura da Conferência do Clima, a COP28. Clamou por medidas concretas para interromper o aquecimento global, apontando a necessidade da descarbonização do planeta e de se acelerar a transição energética. Até aí Lula pontificou, se apresentando como um estadista com a pretensão de liderar o mundo pelo exemplo na corrida para a transição energética, ainda que isso não seja uma tarefa simples ou fácil. Continue lendo “As contradições de Lula na COP28”

Não se faz diplomacia com o fígado

Se a relação entre países também se faz por meio de gestos, a surpreendente visita ao Brasil da futura ministra do exterior da Argentina, Diana Mondino, tem uma enorme simbologia. A ministra fez questão de ser a portadora da carta convite para que Lula esteja presente na posse do presidente Javier Milei, recém eleito no país vizinho. A visita dissipa nuvens responsáveis por leituras catastrofistas sobre as futuras relações entre o Brasil e o próximo governo argentino. Continue lendo “Não se faz diplomacia com o fígado”

A direita na encruzilhada

O curto-circuito na relação entre Jair Bolsonaro e Tarcísio de Freitas expressa um dilema mais de fundo. A direita brasileira está diante do impasse de decidir entre dois caminhos para tentar pousar no Palácio do Planalto em 2026. Ou segue o plano de voo traçado por Bolsonaro, ou adota uma estratégia mais moderada, acenando para o centro e, assim, conseguir acumular forças, ampliando seu arco de alianças. Continue lendo “A direita na encruzilhada”

O passado está de volta

A poderosa Federação Única dos Petroleiros sempre teve forte influência nos governos petistas em relação aos rumos da Petrobras. Com acesso direto ao gabinete presidencial e umbilicalmente ligada ao Partido dos Trabalhadores, dava várias cartas. E um veto da FUP poderia inviabilizar nomeações de diretores e gerentes da estatal ou mesmo provocar demissões na estrutura de comando. Esse poder foi interrompido com o escândalo do petrolão. Continue lendo “O passado está de volta”