O Filhote. Capítulos I a III

CAPÍTULO I – UMA CANOA NA VOLTA DE CIMA

As gotas de orvalho ainda faziam cócegas nas folhas das samambaias quando o cortejo começou a descer o Mogi Guaçu. A canoeira formava procissão na direção da vila, rezadeiras dedilhando o rosário de contas e entoando um terço sem fim. Nas barrancas o silêncio era de pranto, que ia entristecendo mais e mais a cada piado do socó-boi, ave que não sabe cantar outra coisa que não a tristimania. Continue lendo “O Filhote. Capítulos I a III”

Mais um crime de Bolsonaro

Jair Bolsonaro prevaricou. Sabia das irregularidades envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin pelo menos desde o dia 20 de março, talvez antes. Mas só depois de um vexaminoso puxão de orelha da ministra do STF Rosa Weber, a Procuradoria-Geral da República se coçou e pediu a abertura de inquérito contra o presidente. Preferia não fazê-lo, repetindo a omissão deliberada que tem caracterizado sua atuação desde que Augusto Aras chegou por lá. Continue lendo “Mais um crime de Bolsonaro”

O elogio à ditadura

“A China é capaz de lutar contra o coronavírus tão rapidamente porque tem um partido político forte e um governo forte. Porque o governo tem controle e poder de comando. O Brasil não tem isso, nem outros países.” Continue lendo “O elogio à ditadura”

Detector de mentiras no Brasil

A empresa Verdade Verdadeira lançou no mercado um revolucionário detector de mentiras. Aqui no País, a reação dos que mentem porque não podem falar a verdade (sob risco de serem presos) foi de deboche. “A mentira prevalecerá! Ah, ah”. Para provar a excelência do produto, o primeiro teste seria feito com o acusado da compra superfaturada do detector. Continue lendo “Detector de mentiras no Brasil”

Pílulas de Memoriol!

É verdade que essa pandemia tem mexido com as cabeças de todos nós. Todo mundo reclamando que tem se perdido no calendário, acorda e não sabe se já é fim de semana ou se ela está apenas começando. Esquece de pagar boletos no dia do vencimento, não se lembra onde deixou o celular, a chave do carro, o cartão de crédito, e por aí vai. Continue lendo “Pílulas de Memoriol!”

Bolsonaro espera um milagre

Encurralado por todos os lados, o presidente Jair Bolsonaro vive aquele momento de além de queda, coice. Sua aprovação vai ladeira abaixo, a imagem de conduzir um governo incorruptível foi trincada pelo escândalo da Covaxin, e a expectativa de poder escorrega entre os dedos. Continue lendo “Bolsonaro espera um milagre”

Reagir ao presidente cruel

Ainda que Jair Bolsonaro prove diariamente que sua maldade não tem limites, vê-lo arrancar a máscara de uma criança e constranger outra para retirar a proteção choca. Enrola o estômago. Confirma não haver no presidente qualquer traço de humanidade. Ele desdenha da vida, até mesmo de uma criança, para passar a ideia de bravura e valentia, relegando a máscara ao campo dos covardes. Mas a CPI, a Justiça e as ruas começam a assombrá-lo. Continue lendo “Reagir ao presidente cruel”

Cabeças Vão Rolar?

Bem no momento de se comemorar com festança (virtual, porém) o dia de São João, o Brasil assiste de camarote ao desenrolar de mais uma lambança que a turminha lá do Ministério da Saúde andou promovendo, desta vez com a possível aquiescência do ilustre presidente da República. (Ainda a ser apurado, mas há indícios de que isso seja verdade verdadeira.) Continue lendo “Cabeças Vão Rolar?”

Uma batalha de gigantes

A China foi o sujeito nada oculto da recentíssima ofensiva diplomática de Joe Biden. Em poucos dias o presidente americano arrancou uma dura declaração do G-7 contra os chineses, levou a Otan a considerar o país de Xi Jinping como uma ameaça à segurança dos países do bloco e os Estados Unidos a se reaproximar de seus aliados históricos, como a Inglaterra. A concorrência chinesa o impulsionou a pôr um fim no   contencioso de 17 anos entre a americana Boeing e a inglesa Airbus. Até mesmo o encontro com Vladimir Putin teve o objetivo de baixar a temperatura com a Rússia para focar no adversário principal. Continue lendo “Uma batalha de gigantes”

Crimes em série

Não importa se é para (re)inaugurar um viaduto já entregue no ano passado, como ocorreu em Alagoas, ou uma ponte de madeira em uma estrada de terra do Amazonas, que custou infinitamente menos do que se gastou para chegar lá. O vale tudo eleitoral do presidente Jair Bolsonaro começou no primeiro dia de mandato e se acelera na proporção da queda de sua popularidade. E sem qualquer contestação sobre a autopromoção, proibida pela Constituição, e a flagrante campanha extemporânea, cuja regulação precisa deixar de ser tão troncha. Continue lendo “Crimes em série”