Um meticuloso trabalho de sacristia

O cinema é americano. Eis uma vaca sagrada que nem o #metoo se atreve a beliscar. Belisco eu: o que seria do cinema sem o catolicismo! Sem o arrevesado católico John Ford os westerns nunca seriam o que foram, sem o perverso católico Hitchcock não nos benzeríamos na água benta do medo e do suspense. Mas quem, num meticuloso trabalho de sacristia, protegeu o sensível bebé que era o cinema foi o católico Eddie Mannix. E vejam: os nossos selectos críticos só não o desprezam porque nem o conhecem. Continue lendo “Um meticuloso trabalho de sacristia”

Xô, preguiça!

Aproveitando na praia os últimos dias de férias da neta e sentindo, além de um calor absurdo, uma sensação de que o mundo “lá fora” não está chegando em mim. Apagão, alienação, ócio, tudo junto, tudo misturado. Continue lendo “Xô, preguiça!”

A Torre Eiffel e o Bairro Alto

Falava e tinha o encanto de seda de uma homília do Padre Tolentino. As homílias de Tolentino escutam-nas os devotos ouvidos e até as comovidas paredes da mítica capela do Rato. O perfume das palavras do falso Conde Victor Lustig, numa tarde de 1925, converteram num jardim de aromas a sumptuosa sala do Hotel Crillon, vista a derramar-se sobre a Place de la Concorde. Continue lendo “A Torre Eiffel e o Bairro Alto”

Ideologia acima de tudo

Nada, absolutamente nada, parece seduzir mais o presidente Jair Bolsonaro do que a missão que ele julga divina de derrotar o “viés ideológico”, cuja frequência em seus discursos rivaliza com a de “Deus acima de tudo”. Não perde uma única oportunidade. Continue lendo “Ideologia acima de tudo”

A verve de Vera Vaia

Desta vez levei a melhor no decifra-me ou te devoro que para mim tem sido a (muito bem-vinda) informática. Deu-se o seguinte. Meu filho Danilo, designer gráfico, deu formato a vários portais e jornais impressos aqui de Guarulhos, e atuou neles.   Continue lendo “A verve de Vera Vaia”

A orelha de Van Gogh

Dizemos “irrevogável” e já mal nos lembramos de Paulo Portas. Esquecido e escasso, o adjectivo de género duplo regressou, rabo entre as pernas, à morna sonsice do dicionário. Tivesse Paulo Portas, como Van Gogh, cortado uma orelha e outro dicionário cantaria. Mas quem é que hoje se atreve a cortar uma orelha? Continue lendo “A orelha de Van Gogh”

A imprensa está cumprindo sua obrigação

Está havendo um entendimento profundamente equivocado sobre a cobertura jornalística destas primeiras semanas de governo Bolsonaro, em especial sobre os fatos que envolvem Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz e, portanto, de alguma forma o pai de um e velho amigo de outro. Continue lendo “A imprensa está cumprindo sua obrigação”

A maldição de Davos

O presidente Jair Bolsonaro e as duas estrelas de primeira grandeza de seu governo, Paulo Guedes e Sérgio Moro, devem anunciar planos de impacto no 49º Fórum Econômico Mundial que acontece em Davos, Suíça, a partir da terça-feira. Continue lendo “A maldição de Davos”