Líderes sem causa

Aconteceu em 1994, na duríssima campanha ao governo de São Paulo. Durante uma entrevista, Mario Covas antecipou que, se eleito, não daria reajuste ao funcionalismo porque o Estado estava quebrado. Sua mulher, Lila, também não dourou pílulas. No debate reunindo esposas de candidatos, disse que aborto não era questão de opinião, mas de saúde pública e foro íntimo. Isso em meio à acirrada disputa com o “Segure na mão de Deus” Francisco Rossi. Covas manteve as posições durante a campanha e depois dela. Foi eleito e reeleito.  Continue lendo “Líderes sem causa”

Estou rico

Sim, estou rico. Tenho quatro cenouras no gavetão da minha geladeira. E tem mais. Uma berinjela e uma bandejinha de quiabos. Beleza, né? Mas já fui mais rico. Até ontem havia uma batata doce e até anteontem duas beterrabas. Comi-as ontem e anteontem. E até o fim da semana vou ficar um pouco menos rico, pois hoje programei para o almoço uma cenoura ralada e amanhã vai embora a metade dos quiabos. Continue lendo “Estou rico”

A nova ordem

Ainda não sabe como e quando terminará a guerra de Vladimir Putin na Ucrânia, mas já há uma certeza: o conflito representa o fim de uma era e o marco de uma nova ordem mundial. A queda do muro de Berlim e o fim da União Soviética geraram um mundo unipolar com forte hegemonia dos Estados Unidos. Foram tempos de intensa globalização da economia, com o advento das grandes cadeias produtivas globais e o fortalecimento dos valores liberais. Continue lendo “A nova ordem”

A estrela da hora

Não foram poucos os que enterraram a terceira via após os movimentos erráticos dos pré-candidatos João Doria e Sérgio Moro. Teve funeral, com gente se divertindo diante das  trapalhadas no chamado centro democrático. A questão é que não há como sepultar o que não nasceu. E é fato: inexiste hoje uma alternativa viável à polarização Jair Bolsonaro versus Luiz Inácio Lula da Silva. Pelo menos até aqui. Pode acontecer? Sim. Mas o tempo corre.  Continue lendo “A estrela da hora”

Reversão das expectativas

A janela partidária – prazo limite para mudança de legenda para quem vai disputar as eleições – encerra-se em meio a uma importante alteração do quadro eleitoral, quando comparado com o de dezembro. Lá as pesquisas apontavam um derretimento de Jair Bolsonaro, com sua intenção de votos em declínio. Não foram poucas as especulações sobre a possibilidade de vitória de Lula já no primeiro turno, o que levou muitos petistas a subir no salto. Continue lendo “Reversão das expectativas”

Cara no fogo

É abjeto, repugnante, dá engulhos. Mas o gabinete paralelo no Ministério da Educação, gerido por pastores suspeitos de embolsar propinas para liberar construções de creches e escolas, é só mais um entre vários. Faz parte da organização, da índole do governo do presidente Jair Bolsonaro. Continue lendo “Cara no fogo”

Recidiva populista

Está em curso um processo de demonização da Petrobrás por causa de sua política de preços dos combustíveis, alinhados aos preços internacionais. A estatal tem tudo para se transformar na Geni da disputa presidencial, com Jair Bolsonaro e Lula se revezando no papel de críticos contundentes da petrolífera. Em comum, os dois pregam a substituição da atual política pelo represamento de preços. Continue lendo “Recidiva populista”

Verdades alternativas

Suspender temporariamente o Telegram por descumprimento a ordens judiciais não é censura, proibir o filme Como se Tornar o Pior Aluno da Escola é. Tornar nulas condenações por tecnicismos processuais não é declaração de inocência, assim como delação ou investigação não significam crime ou culpa. Mas, dando ares de alhos aos bugalhos, fatos são traduzidos de acordo com a conveniência. Uma tática política velha, indisfarçável mesmo sob o novo apelido – narrativa -, por sinal, pra lá de antipático. Continue lendo “Verdades alternativas”

O Torquemada da Educação

A Educação é, por sua própria natureza, espaço de socialização, convivência e disseminação de valores humanistas. É impossível a escola cumprir seu papel de formar cidadãos e preparar crianças e jovens para um mundo cada vez mais complexo e instável em um ambiente de cerceamento da liberdade de expressão e de cátedra. Continue lendo “O Torquemada da Educação”

Pode ficar pior

De oito a dez ministros devem sair do governo até 2 de abril, data limite para candidatos às eleições de outubro deixarem seus cargos. À exceção da ministra da Agricultura Tereza Cristina, cuja atuação destoa dos demais colegas, eles não farão falta. O mais grave, talvez, esteja por vir: como o presidente Jair Bolsonaro sempre trocou auxiliares péssimos por piores, uma dezena de mudanças de uma só vez apavora. Continue lendo “Pode ficar pior”

A guerra não tem rosto de mulher

 Certamente o deputado Arthur do Val não leu a obra seminal, cujo título tomamos emprestado para este artigo, da escritora e jornalista bielorrussa Svetlana Aleksiévitch, prêmio Nobel de Literatura de 2015. A autora apresenta uma história pouco conhecida: a presença da mulher nos campos de batalha da II Guerra Mundial, pilotando tanques, aviões, baterias antiaéreas e ainda como médicas e enfermeiras. 

Continue lendo “A guerra não tem rosto de mulher”

O não-país

Nos últimos tempos, tenho a impressão de viver em um não-país. Nada parecido com a destemida Ucrânia que o tirano Vladimir Putin taxa como um não-país. Até porque lá a resistência forjou um líder, enquanto por aqui a mediocridade de populistas domina. Habitamos um Brasil regido por um desconcertante pouco caso com as aflições humanas, dúbio, que emite sinais confusos, ressuscita corruptos e joga no lixo boa parte de suas virtudes. E isso não é de hoje, começou muito antes da covarde invasão de Putin à Ucrânia. Continue lendo “O não-país”

Vladimir, o Terrível

Há uma figura histórica na qual Vladimir Putin se espelha: Ivan, o Terrível, fundador do czarado e primeiro autocrata a assumir o poder como o Czar de Todas as Rússias, em 1547. Explosivo, paranoico e implacável, Ivan IV – seu nome oficial – inspirava terror a outros povos e à sua própria corte. Continue lendo “Vladimir, o Terrível”

Covardes e oportunistas

Mesmo com exemplos de sobra – estatismo exacerbado, ojeriza à imprensa, obediência cega ao chefe, que sempre está acima de tudo e todos -, petistas e bolsonaristas viram bichos quando alguém aponta semelhanças entre eles. Na invasão da Ucrânia por Vladimir Putin as parecenças reavivaram-se. Continue lendo “Covardes e oportunistas”