Negacionismo de resultados

Negação não é ideologia. Pode ser “coisa de internet”, versão aloprada que o ex-ministro Eduardo Pazuello deu à CPI da Pandemia para as bravatas do presidente, tidas como farsa até pelo depoente. Poderia ser fé, crença. Nada disso. O negacionismo de Bolsonaro é puro oportunismo, sustentado pela mentira compulsiva e má-fé. Um tripé perverso que, por interesse de inescrupulosos e ignorância de muitos, faz o país acelerar velozmente para trás. Continue lendo “Negacionismo de resultados”

Ultraje, acinte, escárnio

No final deste mês, o presidente e seu vice, vários ministros e auxiliares do primeiro escalão serão aquinhoados com ganhos salariais de até 69%, rompendo, definitivamente, o teto constitucional de R$ 39,2 mil, remuneração dos ministros do Supremo. A excrescência, que amplia regalias para a elite da elite do funcionalismo federal, foi definida em portaria do Ministério da Economia no momento em que o titular Paulo Guedes roga por uma reforma administrativa que diz ser necessária para acabar com privilégios, e mais uma vez prova-se que é de mentirinha. Continue lendo “Ultraje, acinte, escárnio”

Bolsonaro quer liberdade para ser déspota

No feriado de 1º de maio, sete policiais militares prenderam Filipe da Fonseca Cezario, 32 anos, sob alegação de que ele teria jogado ovos sobre manifestantes bolsonaristas na Avenida Afonso Pena, centro da capital mineira. Sem mandado e muito menos provas, os PMs invadiram seu apartamento e lhe cravaram algemas nos pulsos. Tudo fora da ordem e da lei, binômio pregado da boca para fora pelo presidente Jair Bolsonaro, que joga todas as cartas na desconstrução, no desarranjo, no caos. Continue lendo “Bolsonaro quer liberdade para ser déspota”

Olha a boiada aí

Mais de 400 mil mortos depois, calamidade acelerada pela incompetência escancarada, erros deliberados e comportamentos acintosos do presidente Jair Bolsonaro, o Brasil pandêmico começa, ainda que tardiamente, a ser esmiuçado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito. Com todas as luzes mirando a CPI do Senado, o clima na Câmara dos Deputados parece inverso. Por lá, o tempo é propício para “passar a boiada”.  Continue lendo “Olha a boiada aí”

A república da mentira

A 18 meses da eleição presidencial, a escolha entre o péssimo e o menos ruim volta a assombrar. Mais do que o dilema entre um representante de direita e outro de esquerda – o que poderia ser saudável -, até então a escolha opõe dois candidatos que se acham acima de tudo e todos, têm a mentira como método e comprovada habilidade de cegar seus fiéis. A semana passada foi mais uma prova disso: o presidente Jair Bolsonaro virou guardião da floresta e o ex Lula o homem mais honesto da face da Terra. Continue lendo “A república da mentira”

Crimes expostos

Comissões Parlamentares de Inquérito são instrumentos da minoria, criadas para investigar ocorrências com graves prejuízos para a coletividade. A partir de um fato determinado, puxa-se o fio que pode apontar causas e culpas pelos danos. A CPI da Pandemia terá características diferentes. Como boa parte dos desmandos e omissões do governo federal é amplamente conhecida, registrada em áudio e vídeo e em centenas de mensagens nas redes sociais do próprio presidente Jair Bolsonaro, a principal tarefa da Comissão será a de fornecer as bases legais para responsabilizá-lo administrativa e criminalmente. Continue lendo “Crimes expostos”

Governo de desunião nacional


Unir forças para domar crises é um apelo reincidente de governantes. Em tese, crê-se que a soma de esforços e sacrifícios de todos resultará em ganhos para a coletividade. Por aqui, há tempos esse pressuposto é balela. União nacional tem sido capa de proteção para políticos em desespero, não rara utilizada para detonar inimigos, tratorar incômodos. No governo do presidente Jair Bolsonaro, no qual só a discórdia prospera, pregar união é mais do que um acinte. É sem-vergonhice, desfaçatez, safadeza. Continue lendo “Governo de desunião nacional”

Cai o mito do valentão

Na semana do trágico 31 de março, data que desde os tempos de deputado Jair Bolsonaro glorifica, o presidente tentou endurecer com comandantes militares e acabou enquadrado pelas três Forças. Teve ainda de fazer novas mesuras ao Centrão para agradar o presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL), que o ameaçou com o “sinal amarelo” do impeachment, e ao mensaleiro Valdemar da Costa Neto, dono do PL. Acuado, no dia seguinte aos 57 anos do golpe que pela primeira vez ele não comemorou, o “Rambo Bolsonaro” virou o que sempre foi: um sonoro 1º de abril. Continue lendo “Cai o mito do valentão”

Uma máscara para Bolsonaro

A progressão geométrica de mortes e doentes, muitos à deriva em hospitais agonizantes – somada à aceleração dos índices de rejeição e à vinculação popular da pandemia com o presidente -, disparou a sirene de alerta do governo antes do “sinal amarelo” emitido por Arthur Lira (PP-AL). A ideia – e o comercial no horário nobre da arqui-inimiga TV Globo demonstra isso – foi lançar uma ofensiva de comunicação para tentar salvar, a qualquer custo, a combalida imagem do capitão.  Continue lendo “Uma máscara para Bolsonaro”

Ação Direta de Irresponsabilidade

Ele nunca teve qualquer respeito pelo Congresso e demais esferas de poder, sempre fez pouco caso das instituições. (Des)governa pelas redes sociais, escorraçando qualquer um que dele ouse discordar. Agora, via uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra restrições para deter a circulação do coronavírus impostas pelos governadores do Distrito Federal, Bahia e Rio Grande do Sul, o presidente Jair Bolsonaro materializa em juridiquês a via direta que sempre desejou, sem ser atrapalhado por opositores e intermediários. Continue lendo “Ação Direta de Irresponsabilidade”

Sob o domínio do mal

Instabilidades política e econômica costumam colocar as instituições em xeque. Se a elas acrescenta-se o mais grave flagelo sanitário dos últimos 100 anos, tudo tende a explodir. E explodiu. Pouco adianta dourar a pílula com a lenga-lenga de que os “homens passam e as instituições ficam”. O Brasil vive uma crise institucional grave, com arreganhos golpistas e inconstitucionalidades rotineiras praticadas por aqueles que deveriam assegurar o cumprimento da lei e proteger a democracia. Continue lendo “Sob o domínio do mal”

O homem mau

Jair Bolsonaro é um homem mau. Narcisista (que se acha um mito a ser admirado), psicopata (sem empatia com os outros) e “maquiavelista” (faz o diabo em nome de seus interesses), ele se enquadra com precisão no que a psicologia chama de “tríade obscura” para caracterizar uma “pessoa ruim”. Deveria ser legalmente interditado. Continue lendo “O homem mau”

Sob o domínio dos ratos

Relaxamento da lei da improbidade e das regras para prisão de parlamentares, com abrandamento na Lei da Ficha Limpa. O pacote da impunidade, deflagrado fora dos ritos regimentais e com celeridade jamais vista, é o primeiro efeito prático da aliança deletéria entre o centrão e o presidente Jair Bolsonaro, aquele que enganou seus eleitores se dizendo um combatente da corrupção.  Continue lendo “Sob o domínio dos ratos”

Impeachment por traição

Está lá na página 74: “os preços praticados pela Petrobras deverão seguir os mercados internacionais…”. Na página 10, outra garantia: “faremos uma aliança da ordem com o progresso, um governo liberal democrata”. No caput, o compromisso com um “governo decente…sem toma lá-dá-cá, sem acordos espúrios”. Continue lendo “Impeachment por traição”

Bolsonaro vai passar

Talvez a culpa seja do cancelamento do carnaval, dias de alegria, mesmo fugazes, em que “uma ofegante epidemia” invade o corpo e a alma da nossa “pátria-mãe tão distraída”. Em vez de folia, peito apertado, coração doído, bolso e barriga vazios, incertezas.  Continue lendo “Bolsonaro vai passar”