É “Tois” no banco

Os guerreiros do “Tóis” aposentaram as suas lanças, os alemães destruíram sua reputação politicamente correta com uma “dança dos gaúchos” que ofendeu os argentinos, e os grandes estádios voltaram a exibir a sua imponência, vazios de público e de futebol.

Voltamos aos trilhos da vida normal, trilhos que ainda esperam a passagem do trem-bala que por enquanto liga nada ao nada e faz parte de 60% do pacote de obras que o governo não terminou (algumas nem começaram) e que deviam fazer parte do legado urbano da Copa.

Os estádios funcionaram, os aeroportos não foram a catástrofe que obriga as pessoas a relaxar e gozar e os estrangeiros se divertiram muito, a ponto de deixar como herança 85% de aprovação à Copa das Copas, registrados numa pesquisa Datafolha que o governo brande como símbolo da vitória contra os “urubus” (expressão presidencial) que previam o apocalipse logístico da Copa.

Na verdade, o apocalipse aconteceu onde menos se esperava, dentro do campo, com a família Scolari desmanchando-se taticamente e emocionalmente em lágrimas como crianças mimadas que tivessem sofrido bullying do valentão da escola.

O governo, esquecido de que os “urubus” do #naovaitercopa eram radicais destemperados, mascarados e descerebrados criados à sua esquerda, ficou feliz com o prêmio de consolação da aprovação dos turistas (e afinal, quem sai de casa para ir a uma festa, que razões tem para desaprová-la se ela foi animada por gols, sol e cerveja?) e da nota 9,25 recebida da Fifa (feliz com seus cofres recheados).

A baba elástica e bovina que escorre nas redes sociais foi despejada em cima do que apelidaram de “vira-latismo”, quando na verdade essa expressão é usada exatamente no sentido contrário do seu significado. Vira-lata é o cachorro que abana o rabo para o dono, seja ele quem for. Não se conhece vira-lata que tenha consciência crítica.

Terminada a Copa das Copas, um sucesso de espetáculo, uma catástrofe futebolística nacional, o inconsciente coletivo daquele que é o verdadeiro vira-lata está atrás de algum outro superlativo para colocar em cena em lugar da verdade, do bom senso e da razão.

Enquanto o crescimento rasteja, como tudo que precisa de um dopping ideológico para sobreviver, o verdadeiro vira-lata abana o rabo para o banco dos bancos – aquele que, segundo eles, inaugura uma nova ordem econômica mundial.

O banco dos Brics, um acrônimo de seis países emergentes criado, ironia das ironias, por um operador do mercado financeiro, vai catapultar a influência da China no mundo. Ela pode, porque esbanja poupança e vai integralizar 50% do capital inicial do banco, que é de US$ 50 bi.

O Brasil, que vai entrar com 18% do capital, tem seu próprio banco de desenvolvimento, o BNDES, e já fez travessuras fiscais para manter algumas estranhas operações.

O único sentido dessa operação, até agora, é agitar de novo a torcida: agora “é tóis” no banco.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 18/7/2014.

Um comentário para “É “Tois” no banco”

  1. NÃO GANHAMOS A COPA EM CASA E EM CASA PERDEMOS A PRESIDÊNCIA DO BANCO PARA A INDIA.
    E VIVA O EIVO BRASILEIRO.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.