A Espécie Humana. Capítulo 25

é tardeenquanto abro o portão, vejo que ainda há uma luz fraca no sótão-quartosubo tentando fazer o mínimo barulhoo menino está sentado no meu colchão.   

não dormiu ainda?, filho 

ô, pai, você demorou!  disse que voltava logo 

devia ter dormidoo pai sabia que eu ia demorar 

pego-o no colo e ele me abraça forte 

devia ter dormido, bobinhogente grande quando sai, às vezes, demora 

eu não conseguia dormiro vô fez a janta e deixou a sua em cima do fogão 

eu já comié por isso que o fogão ainda tem fogo?

eu deixei mais pelos cachorrosestá friofalou meu pai 

o vovô está lendo um livro sobre crianças que são bichos 

crianças que são bichos?

já acabei de ler, falou meu paiele pediu pra eu falar do livro e eu disse que falaria depois que você chegassemas agora é muito tarde 

então fala só um pouquinho, vô 

eu vou descer primeiro, tomar uma água, escovar os dentes, trocar de roupaeu também quero ouvir 

vou ficar na sua cama, pai 

já fez xixi?

não 

vamos descer, então 

depois que subimos, sentei-me, tomei-o no colo, cobrimo-nos e meu pai começou:

é um livro sobre crianças que são criadas por animaisalguns casos são suspeitos mas de outros há relatos muito bem documentados e dignos de crédito 

é como o Tarzan e o Mogli?

mais ou menossão crianças que, por um motivo ou outro, foram criadas por animais diferentesmas infelizmente o resultado não é o mesmo do Tarzan e do Moglia maioria nunca conseguiu falar e poucos conseguiram andar como nós, sobre dois pés 

viraram bichos?, vovô 

nem bicho nem genteeu diria que ficaram sendo o bicho-homem em seu estado mais brutalestou cansado e com sonoque tal continuar amanhã?  depois do café 

está bem, paivou colocar um discoas pilhas ainda estão boas?

parece que simà tarde eu ouvi Bob Dylan e estavam boas 

coloquei o trio opus 100 de Schubertah, o trio opus 100 de Schubert!

ah, o trio opus 100 de Schubert!  falou meu paiesse trio é negado a todas as crianças que foram criadas por animais 

e também à maioria de nossas crias, paiouvem e abrem os olhos como um chimpanzé diante de um mapa 

infelizmentelembra do que disse Saint-Exupéry?  em cada aldeia, um Mozart assassinado…   

coloquei meu filho em seu colchão e o cobrino segundo movimento do trio, eu pensei 

gostaria que todos os filhos do Homem pudessem amar esse movimentoe falei alto:

pai, como eu gostaria que todos os filhos do Homem pudessem ter condições de amar esse segundo movimento!

vamos dormir, filhoessas coisas apertam muito o coração da gente 

não consigo acreditar numa alma imortal, eu continuei, mas agora em pensamentomas se é verdade que ela é imortal, quero entrar lá ao som de uma música como essa   

e a melodia virou um colo de uma mãe-deusa que me embalou o sono e o meu sono era doce como música 

e no meio da escuridão, ouvi a voz de meu pai, cantando baixinho: I’m not sleepy and there ain’t no place I’m goin’ to.   

A Espécie Humana, romance de Jorge Teles, está sendo publicado em capítulos.

Leia o capítulo anterior.

Leia a partir do capítulo O.

Continua na semana que vem.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.