Ninguém segura o apagador de provas

“Os três principais jornais brasileiros, O Globo, Estadão e Folha, criticaram as recentes decisões monocráticas do ministro Dias Toffoli, que, de canetada em canetada, vem anulando condenações por corrupção sentenciadas pela Lava-Jato e outras operações. Continue lendo “Ninguém segura o apagador de provas”

Desculpe, a corrupção venceu

Se a história é construída por vencedores (frase atribuída a George Orwell) e, portanto, pode ter nova leitura com o passar do tempo, a velocidade pela qual derrotados querem fazer triunfar suas narrativas, não raro a contragosto dos fatos, é perigosa. Por vezes, a tentativa de revirar a história ao avesso é tão agressiva que colide com a defesa do próprio protagonista. É o típico caso da Odebrecht, hoje Novonor. Continue lendo “Desculpe, a corrupção venceu”

Ratos

Os ratos estão sempre em atividade. Tanto os de quatro quanto os de duas pernas. Esses de duas estão deitando e rolando sobre a calamidade que pôs cerca de 90% do território do Rio Grande do Sul embaixo d’água. A atividade deles consiste em espalhar nas redes sociais que só eles prestam e os governos não servem para nada, só para atrapalhar.  Continue lendo “Ratos”

Instrumentalização da tragédia

Está previsto um retorno de Lula ao Rio Grande do Sul no decorrer desta semana. A se confirmar, será uma oportunidade para desfazer a impressão deixada na sua última visita de que está partidarizando a tragédia dos gaúchos. A suspeita não surgiu do nada. Na semana passada, o presidente transformou o ato de anúncios de medidas adotadas pelo seu governo, em um comício político. No calor do palanque, não deixou por menos ao dizer que pretende disputar mais dez eleições. Continue lendo “Instrumentalização da tragédia”

Bolsonaristas em fuga

Dez bolsonaristas já condenados ou investigados pela participação nos atos golpistas de 8 de janeiro de 2023 fugiram do país depois de romperem o lacre de suas tornozeleiras eletrônicas. Dos 116 sentenciados até agora pelo STF por ataques à democracia, pelo menos 45 estão foragidos. Ao que tudo indica, por corpo mole e conivência dos responsáveis pela execução penal. Continue lendo “Bolsonaristas em fuga”

Chutes na alma

No meio da desgraça acontece uma polêmica. Uma não, duas. E sem pé nem cabeça, mas com potencial de atrapalhar ao máximo a ajuda aos que precisam recomeçar a vida do zero.  Continue lendo “Chutes na alma”

Genéricos – 25 anos de uma política pública de sucesso

Os preços dos remédios sempre foram um tormento, especialmente para os brasileiros de menor poder aquisitivo. Durante grande parte de nossa história recente, doenças de tratamento contínuo como hipertensão, diabetes e colesterol alto ceifavam vidas porque o custo das medicações eram proibitivos. Há 25 anos o Brasil quebrou esse paradigma, quando Fernando Henrique Cardoso e seu ministro da Saúde, José Serra, entenderam a urgência da democratização do acesso aos medicamentos e regulamentaram os genéricos. Continue lendo “Genéricos – 25 anos de uma política pública de sucesso”

Cada grão de areia

Por absoluto acaso, ouvi hoje George Harrison cantando “Every Grain of Sand”. Jamais soube que ele havia gravado essa canção. Tem toda lógica, já que ele e Bob Dylan ficaram de fato muito amigos e trabalharam juntos várias vezes a partir do Concert for Bangladesh, a monumental reunião de grandes nomes organizada por George no Madison Square Garden no final de 1971, com renda revertida para ajudar a população faminta do país espremido pela Índia por quase todos os lados. Continue lendo “Cada grão de areia”

Ah, o realismo fantástico

O caixão com o corpo do Gabriel Garcia Márquez teve que ser levado na mão, por trezentos metros. Vencida mais ou menos a metade, um homem que segurava uma das seis alças (parece que era o Vargas Llosa) sentiu-se mal e teve que desistir. A alça ficou vazia, mas os que continuaram perceberam que algo estranho se passava. Parecia que o caixão estava menos pesado. Continue lendo “Ah, o realismo fantástico”

Por mais política e menos birra

A sessão do Congresso Nacional da quinta-feira, dia 9, poderia ser considerada histórica. Não pelo conteúdo das matérias votadas, parte delas para lá de polêmicas, como a indecente retomada das emendas para deputados e senadores. Mas por se fazer política, algo cada vez mais raro entre divergentes mesmo nos ambientes onde a prática deveria ser obrigatória. Continue lendo “Por mais política e menos birra”

Pablos!

Pablo, em português Paulo, é um nome de origem latina e, segundo o dicionário, uma variação espanhola de Paulus, que significa pequeno ou humilde.

Dos Pablos que conhecemos, alguns merecem destaque pelo lugar que ocuparam ou que ocupam na história. Continue lendo “Pablos!”