Apesar de Bolsonaro

Dos três grandes jornais de circulação nacional, a Folha de S. Paulo foi o que teve a manchete mais correta nesta terça-feira, 7 de abril. A do Globo chamou a atenção para um detalhe importante – mas em seguida teve um tropeço. E O Estado de S. Paulo, numa decisão editorial que me parece incompreensível, optou por não dar importância ao grande fato do dia.

Eis as manchetes.

Folha: “Após ameaças de Bolsonaro, Mandetta diz que continua”.

O Globo: “Após ter gavetas limpas, Mandetta é mantido no cargo por Bolsonaro”.

O Estado, em título de uma única coluna, abaixo da dobra: “Mandetta fica e pede melhor condição para trabalhar.”

O mineiro O Tempo e o tradicional gaúcho Última Hora deram manchetes corretas, semelhantes às da Folha. A do primeiro: “Mandetta vence 1ª queda de braço e segue no Ministério”. A do segundo: “Após ameaça de demissão, Mandetta anuncia: “Vamos continuar”.

(Conhece o site VerCapas.com.br? Vale a pena.)

***

Registro o que não pode deixar de ser registrado: uma das coisas mais desagradáveis que há é jornalista que não está no dia-a-dia das redações fazer crítica ao trabalho dos colegas envolvidos na batalha dificílima que é fechar um jornal.

Isto aqui não é uma crítica, de forma alguma. É apenas uma observação de um jornalista veterano não com propriamente com o viés no jornalismo, e sim na política. No significado político dessa segunda-feira que, creio, ficará para a história.

***

Nesta segunda-feira, 7 de abril, o presidente da República chegou a mandar preparar o decreto de exoneração de seu ministro da Saúde, em meio à seriíssima crise provocada pelo avanço do novo coronavírus. E fez com que a notícia da demissão vazasse.

O que é algo absolutamente absurdo, louco, irresponsável, sem sentido, ilógico – o número de adjetivos poderia ocupar páginas inteiras.

Já seria um absurdo se o ministro estivesse cometendo alguns deslizes. Mais ainda, muito mais, quando o ministro está tomando as decisões com base no que determina a Organização Mundial da Saúde e o que aconselham as autoridades da área de saúde do mundo inteiro.

É difícil imaginar algo tão absurdo.

Seria mais ou menos como o dono da White Star Line mandar uma ordem por rádio para que o capitão Edward John Smith fosse retirado do posto de capitão 3 minutos após o iceberg abrir um buraco de 90 metros no casco do Titanic.

É. Esta é a comparação que me ocorre ao pensar nas atitudes de Jair Bolsonaro diante da pandemia de coronavírus, o evento mais terrível enfrentado pela humanidade desde a Segunda Guerra Mundial, na opinião de vários líderes políticos e analistas. O Titanic.

No Globo, Bernardo Mello Franco usou – com muita propriedade – outra imagem fortíssima. A de Nero, o imperador que tocava harpa enquanto um incêndio destruía Roma:

“Bolsonaro indicou que assumiria de vez o papel de piromaníaco. Ele riscou o fósforo no início da tarde, ao comunicar aliados que pretendia demitir o ministro da Saúde. Quando os bombeiros conseguiram conter o incêndio, o presidente já tocava harpa diante das labaredas. Mandar Luiz Henrique Mandetta para casa significaria atear fogo às próprias vestes. Embora Bolsonaro o veja como ameaça, o ministro é quem ainda empresta alguma credibilidade a seu governo. Numa equipe repleta de aloprados e bajuladores, ele se destaca pela serenidade e pelo apego à ciência.”

Em editorial, O Globo escreveu:

“A fritura do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é típica de um governo como o de Bolsonaro, em que a lógica cartesiana costuma ser contrariada por outras condicionantes. (…) Mandetta, cuja atuação na epidemia da Covid-19 é aprovada por 76%, segundo pesquisa recente do Datafolha, corre risco de ser mandado embora e no momento em que a crise de saúde inicia sua fase de agravamento. Os sensatos que estão na cúpula do governo ajudaram a convencer ontem o presidente a não cometer o desatino. Há algum tempo Bolsonaro tem demonstrado conviver mal com esta popularidade, ameaçando usar a caneta contra aqueles que ‘viraram estrelas’. Mais explícito, só se citasse o nome.”

Merval Pereira escreveu no Globo: “Funcionou, não sem um estresse desnecessário, a tutela branca dos ministros militares que ocupam os gabinetes do Palácio do Planalto. Foram eles, mais o Congresso e o Supremo, que deram respaldo à permanência do ministro Luiz Henrique Mandetta no ministério da Saúde, depois que o presidente mandou aprontar um decreto demitindo-o. Mais uma vez o presidente Bolsonaro criou um clima de instabilidade no país a troco de nada. Ou melhor, a troco de demonstrar infantilmente o poder de sua caneta presidencial, e o que conseguiu foi explicitar que lhe falta tinta para usar a caneta, como havia ameaçado na véspera. O presidente tantas fez que acabou perdendo as condições práticas de governar.”

***

O presidente da República manda preparar o decreto de demissão do ministro da Saúde quando o pior da pandemia do coronavírus sequer chegou. Manda demitir o capitão do Titanic no momento em que entra água gelada num buraco de 90 metros do casco. Acende o fósforo e toca a harpa.

E aí, no final da tarde, depois que a notícia da demissão já corria o país, antecipando em algumas horas o panelaço diário em vários bairros das maiores cidades, os presidentes do Congresso, Davi Alcolumbre, e do STF, Dias Toffoli, ligam para o Palácio alertando para o perigo que seria efetivar a saída do ministro, os generais que trabalham no Palácio conseguem amansar a fera – e o ministro que a rigor já havia sido demitido afinal anuncia que, embora suas gavetas já até tivessem sido esvaziadas, fica.

E o Estadão resolve esconder a informação na parte inferior da dobra do jornal?

E O Globo afirma que Mandetta “é mantido no cargo por Bolsonaro’?

Não foi Bolsonaro que manteve Mandetta no cargo. Os jornais explicam isso tintim por tintim: foi por causa da pressão dos ministros militares, dos presidentes do Congresso e do Judiciário, e da opinião pública, que Bolsonaro foi obrigado a engolir o ministro que ele agora detesta.

Ministro que ele não aguenta mais, por inveja e ciúme, coisa de menino ginasiano bobo, carente, doente.

As chances são de que Mandetta não permanecerá muito mais tempo no Ministério. Jair Bolsonaro já deu mostras suficientes de que é louco dos bravos, que é fera indomável, que é idiota muito além de qualquer aconselhamento com base em argumentos lógicos.

Mas isso não importa tanto no momento.

O que eu quis realçar aqui é que os grandes jornais trazem todas as informações, demonstram claramente o que aconteceu – só não conseguiram traduzir isso nas suas manchetes.

Uma manchete mais acurada, mais exata, que descrevesse bem os eventos dessa segunda-feira, 7 de abril, seria algo como “Após ter gavetas limpas, Mandetta é mantido no cargo apesar de Bolsonaro”.

Vejo agora que a melhor manchete, a mais perfeita, é a da newsletter Meio:

“Com raiva de Mandetta, Bolsonaro pára país por um dia.”

Nada como poder escrever a manchete no final da madrugada, depois de ler todas as manchetes feitas pelos coleguinhas exaustos, ao final de uma longa noite de fechamento tumultuado.

7/4/2020

Um comentário para “Apesar de Bolsonaro”

  1. “Com raiva de Mandetta, Bolsonaro pára país por um dia.”

    Foi um dia terrível para os jornalistas. Tiveram muito trabalho. O pior é que se fossem exatos demais, poderiam perder seus empregos… Temos que ter em mente que a família 000 não é boa da cuca…

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.