Tem que impichar. Depressa, pelamordeDeus!

Não fui para a Paulista hoje berrar fora Dilma, fora Lula, fora PT,  e me arrependo. 

É sempre melhor a gente se arrepender daquilo que fez do que daquilo que não fez. Essa é uma verdade, a rigor um axioma, que já foi repetido por muita gente, mas houve um sujeito que disse isso de maneira especialmente bela. Não me lembro com certeza. Creio que foi Fernando Sabino, no Encontro Marcado. Mas isso não importa tanto.

Importa é que a gente deveria fazer as coisas – e não deixar de fazer. Melhor errar fazendo do que errar por omissão.

Não fui hoje à Paulista por preguiça, porque estava com fome e queria jantar, porque queria beber umas. Motivos torpes. Deveria ter ido à Paulista.

Minha ausência não prejudicou ninguém – a não ser eu mesmo – porque, se eu não estava, estavam lá aqueles milhares.

As pessoas que foram à Paulista hoje, as pessoas que foram à Avenida Afonso Pena em Campo Grande, as pessoas que foram para a frente do prédio da Justiça Federal em Curitiba, todas as pessoas de todos os lugares do Brasil que foram às ruas berrar fora Dilma, fora Lula, fora PT merecem respeito, consideração, admiração.

Brava gente brasileira.

***

No momento em que estourou a notícia da fala de Dilma ao telefone para Lula, no início da tarde desta quarta-feira, 16 de março – “Lula, deixa eu te falar uma coisa. Seguinte, eu tô mandando o Messias junto com o papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse, tá?” –, estávamos na casa da minha filha, com Marina. Tínhamos levado nosso presente de aniversário para ela, e estávamos junto com ela enquanto jantava.

Marina jantava quando o Aníbal Sá começou a me mandar mensagens nervosas contando sobre o áudio que todo mundo estava reproduzindo. Demorei bastante para entender exatamente o que era.

***

A sensação é de que chegamos ao auge do auge do auge da crise política. Chegamos à temperatura em que a água ferve.

É desfaçatez demais, é acinte demais, é desaforo demais, é escárnio demais da conta uma presidente desqualificada, incompetente, rejeitada hoje pela imensa maioria da população, nomear para o Ministério mais importante da República o ex que precisa desesperadamente de um cargo no primeiro escalão para escapar da prisão por uma imensa série de crimes – apenas dois dias após o país ter assistido à maior manifestação política de toda a sua História exigindo exatamente a saída dela e a prisão dele.

Eles partiram mesmo para o tudo ou nada. Tinham pouquíssimas opções – optaram por radicalizar.

Depois de nomear Lula ministro chefe da Casa Civil, eles só têm uma outra opção: a declaração de guerra total. Botar os exércitos do Stédile e do Guilherme Boulos nas ruas.

***

Dois detalhinhos deste dia tragicamente histórico me chamaram especialmente a atenção.

Dias Toffoli fez um belo voto na sessão em que o Supremo Tribunal Federal apreciou os questionamentos feitos pela presidência da Câmara dos Deputados à decisão da corte, em dezembro passado, com relação aos ritos do processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Como se sabe, o voto do ministro relator Luís Roberto Barroso, em dezembro, endossado pela nossa Suprema Corte, determinou dois absurdos. O primeiro, que a comissão especial da Câmara para apreciar o pedido de impeachment não deve resultar do voto dos deputados, mas sim da indicação pura e simples dos líderes partidários. E não é permitida a apresentação de nomes avulsos. Nesse ponto específico, o STF acaba com a separação de poderes, ao se imiscuir na forma com que o Poder Legislativo escolhe suas comissões. O segundo, que o Senado tem autonomia para rejeitar, por maioria simples, um eventual pedido da Câmara para que a outra Casa julgue o  impeachment. Nesse ponto, o STF derruba a jurisprudência, joga no lixo a forma com que o pedido de impeachment de Fernando Collor tramitou no Legislativo – e, a rigor, torna inútil, desnecessário, tudo o que a Câmara fizer, debater, votar. E ainda, absurdamente, loucamente, doidivanamente, ilogicamente, abre espaço para que minoria simples do Senado jogue fora uma maioria qualificada dos representantes do povo.

Já falei muito mal de Dias Toffoli, que chegou à Suprema Corte não por seus doutos conhecimentos de Direito, mas por ter sido advogado do PT e auxiliar de José Dirceu.

Mas tiro meu chapéu a ele, pelo voto que deu hoje contra a maioria, ao lado apenas do ministro Gilmar Mendes. O STF rasgou a Constituição por 9 a 2 – sendo que destes dois um chegou lá por ser petista e o outro é sempre acusado de ser pró-PSDB.

Me alonguei nessa questão.

O outro detalhinho que me pareceu fantasticamente interessante neste dia histórico foi levantado por Merval Pereira, na Globonews.

No início da tarde, Lula viajou de Brasília para São Paulo. Antes de embarcar, pegou o documento que Dilma enviou para ele via funcionário do Executivo, “o papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade”.

Quando Lula embarcou em Brasília em direção a São Paulo, no início da tarde, sua posse estava marcada para a terça-feira que vem, dia 22. Pois é, mas aí deu a merda que deu, divulgou-se o áudio de Dilma combinando com Lula a entrega do “papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade”, e de repente a posse, que havia sido anunciada para a terça que vem, dia 22, foi marcada para esta quinta agora, 17.

E aí o Merval Pereira questionou: quem pagou o jatinho de Lula de Brasília para São Paulo na tarde de quarta? Quem pagará o jatinho de Lula de São Paulo para Brasília na manhã de quinta?

Ministro não pode viajar de jatinho particular.

Lula não se dispõe a viajar de avião de carreira. Lula de-tes-ta esse negócio de avião de carreira. Imagina se sentar ao lado dele um sujeito pobre? Argh, horror, horror!

Para garantir que Lula não poderia ser preso pelo juiz Sérgio Moro, informou-se que Lula já era ministro no meio da tarde de hoje, quarta, 16.

Mas Lula viajou para São Paulo em jatinho particular. E vai para Brasília nesta quinta, 17, em jatinho particular.

Pode?

Tem que acelelar o processo de impeachment.

Impicha a bruxa. O quanto antes. PelamordeDeus. Pelo amor do Brasil.

16/3/2016

8 Comentários para “Tem que impichar. Depressa, pelamordeDeus!”

  1. Estamos vivendo nosso “Watergate”!!! Ela bem que podia ter a decência de renunciar…

  2. Parabéns, feliz aniversário esperança.
    Deixe a preguiça de lado, esqueça a fome e a sede.
    Vamos caminhar VOVÔ!!!!

  3. Muito boa as imagens divulgadas na rede Bandeirantes(a TV Globo não veiculou). O deputado federal Rubens Bueno do PPS do Paraná foi devidamente e oportunamente xingado por um manifestante na praça dos 3 poderes em Brasília.
    Nestas horas é que lamentamos não estar presente à bordo do bonde da história.

  4. Eu nem era muito a favor do impeachment antes, por mim o PT tinha que sangrar até o fim, embora isso fosse afundar ainda mais o Brasil. Eu não queria que o molusco voltasse forte em 2018, como o salvador da pátria. Mas depois do golpe de ontem, quero impeachment pra já! E que todos caiam junto. E as gravações? Ouvi algumas, e por mais que eu não esperasse nada daquela criatura gosmenta, ele provou ser ainda pior e mais nojento do que eu pensava. Aquele ser saiu dos mais baixos umbrais da Terra. O pior é ainda ver gente defendendo esse canalha e toda a sua corja. Se o Brasil não fizer uma lavagem geral agora, se não expurgar todos esses demônios que estão no poder, não apruma nunca mais. “House of Cards” é fichinha perto do que estamos vivendo.

  5. A PRESSA e o ROGO justificados.
    Hoje 18/3 Andrea Matarazzo pediu a desfiliação do seu partido alegando as mesmas práticas condenáveis atribuídas ao PT.
    Ao direitoso militante retardado, filiado recentemente, restou somente se juntar aos coxinhas e gritar fora PT.
    Solidário às manifestações fico na dúvida sobre o direcionamento político dos clamores.
    Andrea sofreu uma derrota, os bem intencionados também.
    Bem intencionados vários ex-petistas sofrem ataques virulentos de enganados raivosos a destilar seu ódio com lábios trêmulos e olhar rútilo.
    Estamos entregues a duvidosa justiça de serenos, impassíveis e tendenciosos operadores (sic)do direito, Gilmar Mendes, Sérgio Moro, Cattapreta sob o aplauso GLOBAL de Mervais e Willians num reality diário.
    Estou do lado oposto, meu medo é o mesmo sentido e experimentado por Andréa Matarazzo ao constatar após 25 anosa mixórdia da política. NOSSO MEDO é que o judiciário se transforme naquilo que os militares se transformaram, em artífices de um golpe, engendrado por uma classe social que em 1789 usou e levou o povo ignorante a cortar cabeças após julgamentos sumários, em foros de exceção, sem direito a ampla defesa. Coxinhas, à época, eram chamados de burgueses.
    Meu maniqueísmo tem sentido, eu estou do lado de Andréa e Sérgio, do lado do bem.
    Diria minha esperança, vamos caminhar VOVÔ.

  6. Agora não resta dúvida que o Miltinho vai ser o último a sair e apagar a luz no quase totalmente desmoronado edifício do PT, Sérgio Vaz. E não adianta criticar dizendo que a paixão do Miltinho é cega. Toda paixão é cega. Só que a dele também é surda, principalmente para o conteúdo de gravações.

  7. Bem, eu não fui às ruas em nenhuma passeata em 2016.

    Os cidadãos que realizam-se existencialmente nas passeatas – ou então vão bebericar – sentem-se muito bem com a troca do PT pelo PMDB, como se estivessem a salvar o País ao ir às ruas. Assim como em 1992, falam em “novo País” (a subida do PMDB!! a troca da ainda ficha-limpa pelo ficha-suja Temer!).

    Pedem a prisão do molusco, sem pedir coisas mais importantes como o combate ao monopólio do latifúndio, a tributação injusta ou outras mazelas nacionais. Se o Maluf aparecer, não será hostilizado – ele é a favor da volta da decência -, e nem os coxinhas pedirão a prisão dele, que o Moro jamais autorizaria: o alvo dele é o PT, e o Maluf não é petista.

    Não perdi tempo, nem em 2013, nem agora. Depois da Era Collor, as ilusões acerca de “ir às ruas” se esvaem.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.