Renuncie, senhora presidente!

Senhora presidente, faça um gesto de grandeza que causará incomensurável bem a si mesma e a este país: renuncie!

Pense em sua filha, Paula. Em seu netinho, Gabriel. Neto é a melhor coisa que há no mundo (digo porque sei muito bem o que é isso, sinto isso todo santo dia, a cada momento), e eles crescem muito, mas muito rapidamente. E, para as crianças, o que conta, o que importa, é a convivência, a presença. Avô distante não tem o mesmo afeto do neto que avô presente.

zzzzzzdilmaA senhora é uma mulher culta, gosta muito de ler, conhece bem diversos museus, conforme revelou há pouco Marta Suplicy, que era sua companheira e, como tantos companheiros, a atraiçoou, passou a falar mal – publicamente – da senhora, de seu governo e do partido que pelo qual optou após longa militância no PDT.

Pois então: pense em quantos livros a senhora poderá ler em paz, quantos museus poderá visitar.

Ah, pois é, o PDT, o partido de Leonel Brizola, no qual a senhora militou. Pois agora o presidente do PDT vem a público dizer que o seu partido, o PT, exagerou na roubalheira!

E a senhora – que sempre reage com grande indignação, até com fúria, a quem diz coisas que não gosta de ouvir – engoliu o sapo, e sequer demitiu o ministro do Trabalho, que é exatamente do PDT cujo presidente acusa seu partido de ter exagerado no roubo!

A senhora acaba de renunciar à tradição de, no 1º de Maio, ler em cadeia de rádio e TV um daqueles discursos que descrevem o país como um reino encantado de conto de fadas.

A senhora já renunciou a qualquer tentativa de fazer política, de cuidar de arranjos políticos, terceirizando essa tarefa para o vice.

Mais ainda: a senhora já renunciou à condução da política econômica! Justamente a política econômica, a senhora, que se julga a economista mais preparada de todo o universo, de todos os tempos!

A senhora renunciou à condução da política econômica e a terceirizou exatamente para um legítimo representante de tudo o que a senhora condena, acha absurdo, acha errado: toda essa coisa de evitar déficits, de ser transparente nas contas, de cortar despesas, de avançar sobre os direitos dos trabalhadores!

Agora até adquirir a casa própria ficou muito mais difícil, porque a Caixa Econômica resolveu aumentar os juros e a ampliar tremendamente a exigência de entrada.

A senhora já renunciou na prática.

Apesar disso, a senhora continua a ser alvo de críticas ferrenhas. Não há dia algum em que um grande jornal ou revista não traga editorial ou artigo chamando a senhora de incompetente.

Deve ser muito duro. É preciso uma dose imensa de estoicismo.

A vida é curta, senhora presidente.

Então faça o gesto de grandeza, de heroísmo: renuncie de uma vez!

Fará a imensa alegria de milhões, milhões, milhões de brasileiros.

E, se isso parecer pouco, fará a imensa alegria de seu netinho Gabriel.

Obrigado pela atenção.

Assinado, Sérgio, avô de Marina.

28/4/2015

A foto é do site oficial da presidente. 

2 Comentários para “Renuncie, senhora presidente!”

  1. Ao destilar o ódio alheio e propagar uma falsa indignaçao de batedor de panelas o vovô se esquece de caminhar e de escutar o seu guru Fernando Henrique Cardoso;

    ‘Tudo isso é arqui-sabido. Falta dar um basta aos desmandos, processo que, numa democracia, só tem um caminho: as urnas. É preciso desfazer na consciência popular, com sinceridade e clareza, o manto de ilusões com que o lulo-petismo vendeu seu peixe. Com a palavra as oposições e quem mais tenha consciência dos perigos que corremos’.

    …vamos caminhar vovô.

  2. …vamos caminhar vovô.

    Impeachment NÃO, RENÚNCIA quem sabe?

    Dilma, pressionada por um congresso de picaretas, dependente de Temer e Renan, alvo do fogo amigo do PT e refém do carisma e populismo de Lula, poderia dar a nação um gesto de grandeza com sua RENUNCIA, porém CONDICIONADA a UMA CONSTITUINTE PELA REFORMA POLÍTICA.
    Esta providencia anteciparia as eleições de 2018 calaria a imprensa golpista e colocaria o processo político em pauta e em discussão popular.
    Temas como parlamentarismo, congresso com voto indicativo e escolhida a sua composição por sorteio; fundo público de campanha; proibição de doações de empresas privadas; taxação das grandes fortunas; orçamento participativo com prioridade a educação e saúde; priorização de investimentos para o crescimento; respeito à constituição com consultas plebiscitárias e de referendos; regulação da mídia e revisão dos processos de concessão e canais de radio e televisão; regulação e censura da propaganda subliminar; restabelecimento e revisão dos processos de participação públicos privados; escolha de juízes através de indicações e voto popular com consultas via internet; informação acessível e grátis no país através de internet; etc…

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.