De panelas prontas para o 1º de Maio

Temerosos de um novo panelaço, os conselheiros de plantão da presidente Dilma Rousseff não querem vê-la em rede de rádio e TV na próxima sexta-feira, 1º de Maio. A inédita ausência seria menos grave do que o desgaste da tradicional presença.

Partido gerado no útero do sindicalismo, o PT preferia não ter de comemorar a data nobre em um ano em que as lambanças de mais de uma década têm de ser corrigidas por um inevitável ajuste fiscal, com peso no bolso do trabalhador. Avalia, então, que é melhor Dilma ficar quietinha.

Há tempo para mudar de idéia. Nesse caso, mais difícil do que evitar o bater de panelas é encontrar os ganchos para a fala presidencial, já que o país real nega quase tudo o que Dilma disse nos quatro últimos anos no mesmo Dia do Trabalho.

Em 2011, ela aproveitou o 1º de Maio para lançar o programa Brasil sem Miséria. Prometeu mundos e fundos, garantiu investimentos crescentes no PAC e em infraestrutura. “Feliz do país que tem desafios gerados pelo crescimento”, comemorou. A data marcou ainda o lançamento do Pronatec, apresentado como uma revolução para qualificar a mão de obra brasileira.

Foram 9m23s de oba-oba. As obras empacadas do PAC e o Pronatec, com atrasos nos pagamentos e sucessivos adiamentos no início dos cursos – de 7 de maio para 17 de junho e, em seguida, para 27 de julho –, que o digam. O crescimento também não veio.

No ano seguinte, Dilma dedicou boa parte dos 11m12s para escorraçar o lucro abusivo dos bancos privados. Anunciou a redução de taxas nos empréstimos do Banco do Brasil e da Caixa. Hoje, além da alta sucessiva dos juros, agora em 12,65%, não só os bancos estatais pararam de brincar com subsídios como reduziram o volume de crédito. No dia a dia, o cidadão comum, incluindo a tão alardeada nova classe média, está pagando 220% de juros no cheque especial e 345% no cartão de crédito. As taxas mais altas desde 1995.

No 1º de Maio de 2013, com a popularidade batendo em inacreditáveis 79% e apenas dois meses antes das jornadas de junho que a jogou nas cordas, Dilma garantiu que não haveria inflação.

Sempre cheia de si, ela se meteu onde não devia: proibiu aumento dos combustíveis e reduziu em 20% as tarifas de energia. As intervenções desastrosas resultam hoje em aumentos superiores a 40% nas contas de luz, percentual ainda insuficiente para cobrir o rombo que ela provocou, e em gasolina mais cara aqui dentro do que lá fora. Tudo isso para nada. Nos últimos 12 meses a inflação superou os 8%.

Em campanha pela reeleição, o Dia do Trabalho de 2014 serviu para Dilma defender a Petrobrás, que já aparecia corroída pelo seu partido desde as primeiras investigações, e para o anúncio de aumento de 10% no benefício do Bolsa Família.

A torrente de dinheiro que jorraria do pré-sal sempre brilhou nos pronunciamentos do Dia do Trabalho. A educação e a saúde seriam salvas pelos royalties do ouro negro que a Petrobrás, em modelo de produção partilhada, que substituiu o das concessões e ainda embutiu maior nacionalização no negócio, extrairia do fundo do mar.

O mesmo pré-sal que agora, admite a Petrobras, terá de ter parceiros de risco para sair das profundezas e – se tudo der certo – cobrir parte do prejuízo oficial de R$ 21,5 bilhões por má gestão, R$ 6,2 bilhões surrupiados em prol do PT e dos demais partidos da aliança governista.

Diante da corrupção deslavada e de um governo que se comprovou débil, Dilma até deveria ir à telinha no 1º de Maio. Para pedir desculpas. Ainda que tardias, poderiam reduzir o eco das panelas.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 26/4/2015. 

4 Comentários para “De panelas prontas para o 1º de Maio”

  1. Dona Dilma enfrentou as datas de primeiro de maio de 2011;2012;2013 e 2014 tendo sido reeleita em 2014 com 54 milhòes de votos em outubro de 2014.
    As prometidas panelas de 2015 sào provenientes das varandas gourmets e das classes pequena média e média média representantes de 3.9 por cento dos que votaram em Aécio.
    A oposiçao continua tentando um terceiro turno através de golpe.

    1‘Tudo isso é arqui-sabido. Falta dar um basta aos desmandos, processo que, numa democracia, só tem um caminho: as urnas. É preciso desfazer na consciência popular, com sinceridade e clareza, o manto de ilusões com que o lulo-petismo vendeu seu peixe. Com a palavra as oposições e quem mais tenha consciência dos perigos que corremos’.

    1Fernando Henrique Cardoso

  2. Vai ser quebrada uma tradição. No Dia do Trabalho, justamente uma presidente eleita pelo Partido dos Trabalhadores vai deixar de se pronunciar na TV, o veículo de maior alcance popular. Mas o brasileiro é criativo e não adianta Dilma fugir de aparicões públicas e até mesmo da telinha. Já estão planejando um panelaço virtual para responder ao pronunciamento dela na internet, no dia primeiro. Vão postar nas redes sociais milhões de fotos de pessoas batendo panela. O que não se sabe ainda é como os 13% que apoiam Dilma vão manifestar virtualmente a sua aprovação. Os trabalhadores de menor renda certamente têm TV em casa, mas poucos são usuários da internet. Como terão acesso ao pronunciamento? O mais provável é que fiquem contentes pela oportunidade de assistir novelas da Globo sem interrupções. Até porque as pesquisas mostram grande rejeição ao governo nessa faixa de renda. Talvez só mesmo a “zelite” petista vá dar atenção à fala meio clandestina de Dilma.

  3. Dilma não precisa de apoio, precisa de reconhecimento. Que bom se diga só vem através dos tempos.

    Os transvestidos golpistas de outrora agora progressistas e democratas paneleiros gourmets, não pretendem pelo visto, aguardar outubro de 2018.

    Nossa história reconhece os golpes contra a sociedade desde 1989, porém não aprendeu o processo democrático como instrumento de estabilidade política.

    Nosso medo é o retrocesso, o autoritarismo daqueles que se intitulam donos da verdade e condutores dos destinos.

    Os golpistas autoritários precisarão sempre calar vozes suprimindo vidas e liberdades. Bom lembrar o golpe de 1964.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.