O arrivismo do caudilho

Está certo que todo caudilho é egocêntrico por natureza, mas o ex-presidente Lula ultrapassou todos os limites do arrivismo ao pisar no pescoço da presidente Dilma Rousseff e entregar a cabeça do PT para tentar salvar a própria pele.

Em uma ação desesperada, arrisca-se em um vôo torto com o propósito de descolar sua imagem de Dilma e do PT. Só assim, acredita, preservará o que ainda lhe resta de popularidade. É o único caminho que vislumbra para tentar voltar ao Planalto em 2018.

Por uma questão de respeito a quem não está mais neste mundo, não vamos aqui reproduzir as palavras de Brizola, de 1989, sobre o que Lula seria capaz de fazer para concretizar sua ambição pelo poder. Nem precisa. Basta olhar para os meios utilizados pelo ex para se despregar do rotundo fracasso do governo Dilma. Dia sim e outro também, vaza, ou deixa vazar, versões de reuniões que o deixam bem na fita e retiram mais ainda o escasso oxigênio da presidente que ele próprio inventou e tutelou.

Como o atual governo virou uma mala sem alça, um andor difícil de carregar, Lula prepara o bote para abandonar o navio. Sabe-se bem que abraço dos afogados não é com ele.

Não basta apenas se livrar da criatura. É preciso jogar no mar também o PT, antes da catástrofe eleitoral que se anuncia no horizonte do Partido dos Trabalhadores, nas próximas eleições municipais.

Quando se pensa que já se viu tudo em matéria de sordidez na política, Lula apronta mais uma. Entrega os petistas aos leões, como se o processo de domesticação do Partido dos Trabalhadores e de amancebamento dos “companheiros” não tivessem sido obra sua.

José Dirceu assumiu a presidência do partido com a missão de pavimentar a estrada que levaria Lula ao poder. Para tal enquadrou as tendências internas, jogou na lata do lixo as velhas bandeiras, entre elas a que funcionava pelo menos da boca para fora: a defesa da ética.

Com a assunção de Lula o Estado foi tomado. Pelo Partido dos Trabalhadores e pelos movimentos sociais. Entidades anteriormente combativas receberam todo tipo de benesse governamental e até as poucas ditas puras se apelegaram.

Sindicalistas e petistas deram origem a uma nova nomenclatura, aboletada em diretorias de fundos de pensão e empresas estatais, ocupando milhares de cargos de confiança. Difícil crer que agora Lula queira que eles larguem o osso.

O modelo de cooptação foi ampliado aos partidos aliados por meio de mecanismos anti-republicanos: o toma lá dá cá.

A crise econômica, política e ética deixaram o rei nu. Seu rugido, tal qual o de um leão velho, já não mete medo. Sente-se sozinho, ameaçado por todos os lados, sobretudo por um furacão chamado Lava-Jato.

Já não existem mais os exércitos de Stédile, da CUT e da UNE para saírem a campo em defesa de Lula e seu modelo populista.

Sem tropas para comandar, o caudilho faz uma manobra ousada. Seu vôo cego, contudo, pode levá-lo a se espatifar no chão.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 24/6/2015. 

Um comentário para “O arrivismo do caudilho”

  1. FHC 2018.
    A direita se dá conta que dispõe apenas de Aécio e de Alckmin para serem candidatos, a obsessão de tirar o Lula da jogada volta com força.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.