Fabricando a própria mentira

É possível que esteja acontecendo alguma coisa que a nossa vista não alcança.

Mas os fatos se avolumam diante de nossos olhos e ainda assim existe um exército disciplinado tentando nos convencer de que os fatos não são exatamente fatos. São apenas uma versão distorcida dos fatos, fabricada por nosso superego reacionário e elitista que não se conforma com a ascensão social das classes mais pobres.

Esse truque semântico é um truque pobre, mas pode ter lá a sua eficácia dentro do um universo onde o raciocínio raso se transforma em palavra de ordem e em farol e guia de alguém que anda à procura de um farol e de um guia para justificar a falta de substância e de propósito investidos na defesa do indefensável.

Temos hoje o que é talvez um dos piores governos da história da República, há evidências gritantes de um esquema de corrupção que parece construído para sustentar não os desvios de caráter  da ganância individual mas os alicerces de um projeto de perpetuação do poder, e mesmo assim a desconversa institucionalizada tenta convencer-nos de que todos são iguais.

Tudo o que é malfeito hoje é versão copiada dos malfeitos de ontem.

Um fato extraordinariamente significativo para ilustrar a diferença entre o “todos são iguais” e o esquema organizado de controle do poder é o caso do Postalis, o fundo de pensão dos empregados dos Correios, onde detectou-se um déficit de IS$ 5,2 bilhões, que terá que ser coberto por aportes adicionais dos funcionários durante pelo menos 15 anos para equilibrar as contas e garantir o pagamento das aposentadorias adicionais de quem resolveu apostar uma velhice tranquila nele.

O que você pode dizer de um fundo de pensão estatal que é controlado pelos partidos que dividem o governo, o PT e o PMDB? Que o dinheiro foi desviado? Não se sabe, não há provas. O que o Tribunal de Contas da União diz é que no portfólio do Fundo havia títulos da dívida pública da Venezuela e da Argentina. E havia também ações da empresa do Eike Batista.  Gestão temerária?

Quem é que no pleno domínio de suas faculdades mentais pega as economias de uma multidão de 71 mil trabalhadores e investe em títulos podres como esses? Só há duas explicações possíveis: má fé ou incompetência absurda.

Qualquer das duas hipóteses caracteriza dolo: ou alguém roubou ou alguém foi muito incompetente a ponto de jogar o dinheiro alheio no lixo. Seja qual for a explicação, ela não absolve ninguém.

Contra todas as evidências, os exércitos retardatários de Thomas Traumann, o secretário de Comunicação Social do governo de Dilma, devidamente defenestrado pelo vazamento de seu “documento secreto”, insistem em ignorar a realidade e tentam levar a sua contradança para o terreno da fantasia da luta do bem contra o mal.

A negação da realidade é um sintoma mais ou menos agudo de uma patologia que, em seus casos mais graves, pode ser definida como uma espécie de esquizofrenia, uma doença sem cura que procura adaptar à realidade aos sonhos e delírios do paciente.

No livro O Cérebro Político do neurologista norte-americano Drew Westen, existe uma tentativa de explicação científica para essa espécie de negação da realidade, que foi medida em várias experiências feitas em laboratório através de ressonância magnética.

As experiências de Westen mostram que se a realidade não se adapta às verdades que seu cérebro rejeita, ele cria uma realidade paralela à qual seu cérebro se adapta. Ou seja: você cria sua própria realidade e passa a viver dentro dela.

Através desse mecanismo você passa a acreditar em suas próprias mentiras. Não é legal?

 

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 27/3/2015. 

4 Comentários para “Fabricando a própria mentira”

  1. A questào é de saúde pública, neurológica enfim. Os homens públicos deveriam passar regularmente por exames em laboratório através de ressonância magnética para avalizaçòes neurológicas.

  2. Olha, Sandro, a meu ver o problema desses pilantras não é esquizofrenia, é cara de pau. O que, evidentemente, fica claro em seu artigo.

  3. Talvez o exemplo mais clássico de negação da realidade seja o comportamento dos nazistas nos últimos meses antes da derrota. Com as tropas aliadas e soviéticas já cercando Berlim, muitos ainda acreditavam que ganhariam a guerra. Hitler ordenava a movimentação de exércitos já destruidos, inexistentes. E punia os generais que tentavam avisá-lo que o desastre era total. Pior ainda eram a juventude nazista e os cidadãos mais fanatizados: apesar de testemunharem diariamente a total destruição do país pelos bombardeios aéreos, não acreditavam no que os seus olhos viam, mas sim na propaganda mentirosa de Goebbels, informando que a Alemanha estava ganhando a guerra.

  4. Toledo,
    Mais um exemplo de negação da realidade:

    Os opinadores que priorizam as causas internas da crise: “estamos em crise por causa dos 89 ministérios, etc., blá, blá”.

    Estes, na sua negação da realidade, são incapazes de apontar o principal vilão: o mercado, Wall Street, os discípulos de Rockefeller e Morgan.

    O rombo nos derivativos, na casa de US$ 13 quatrilhões, só será resolvido se construirmos MIL novos planetas Terra. Os rombos na Petrobrás e na Roubobrás são, certamente, bem menores. Resolvem-se numa geração. Já os derivativos…

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.