A primeira arma da guerra é a mentira

A propaganda é a alma do negócio. Mais do que isso, como mostrou o Dan Draper de Mad Man, a propaganda pode ser um negócio sem alma.

No tempo da inocência, ela se limitava a estimular desejos de consumo ou a comparar qualidades de refrigerantes, sabonetes ou cereais matinais. A mais furiosa das críticas à propaganda era que ela estimulava o consumismo desenfreado ao criar necessidades inexistentes. Milhões de almas puras sucumbiram à sedução do consumismo, e ainda que isso tenha feito girar a roda da economia, no imaginário moral a propaganda ficou estacionada no purgatório dos vícios da sociedade.

Entre as formas de mistificação presentes na sociedade moderna, a propaganda comercial talvez esteja entre as mais inocentes. Até o mais ingênuo dos seres, quando submetido a ela, sabe que alguém está tentando manipulá-lo para achar que um sabão em pó lava mais branco que o outro. E que preferir Omo a Rinso é uma escolha que representa ganhos econômicos para alguém.

Depois que descobriram o marketing político e ele se fundiu à ideologia – ainda que usada apenas como excipiente para a mais sórdida fisiologia -, como mostra o andamento da atual campanha eleitoral no País, a receita desandou em veneno. Aqui é mais grave, porque trata-se de mistificar fatos que conduzem a escolhas políticas que determinam o futuro de um país. Não se trata apenas de escolher entre dois tipos de sabão em pó, mas entre formas de conduzir, tratar e administrar a coisa pública.

Ensinava Jean François Revel, ensaísta, filósofo e jornalista francês: “O que é ideologia? É uma tríplice dispensa; dispensa intelectual, dispensa prática e dispensa moral. A primeira consiste em reter apenas os feitos favoráveis às teses que se defende, inclusive em inventá-los totalmente, e em negar os outros, omiti-los, esquecê-los, impedir que sejam conhecidos. A dispensa prática suprime o critério de eficácia, tira todo o valor de refutação aos fracassos. Uma das funções da ideologia é, ademais, fabricar explicações que justificam e desculpam esses fracassos.”

Esse era o bom debate intelectual que o filósofo francês travava nos anos70/80, quando no campo de batalha das idéias da Europa o socialismo real agonizante ainda era mantido vivo por respiração artificial pelos partidos gestados no pós guerra, que resistiam a todas as provas empíricas de seu fracasso no mundo real. Até que os fatos se impuseram às lendas.

A campanha eleitoral em andamento no Brasil mostra que a máquina de moer conceitos da propaganda aplicada à política não tem sequer a pretensão de confrontar fatos reais e defender a superioridade de uma política sobre a outra. Os adversários não existem para ser confrontados, mas para ser aniquilados.

Esta não é uma guerra de posições, como diria Gramsci. Esta é uma guerra de extermínio. E a primeira arma da guerra é sempre a mentira.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 17/10/2014. 

2 Comentários para “A primeira arma da guerra é a mentira”

  1. Bom texto, boa Vaia, melhor, boa! Vaia.
    Sem dúvida Vaia é o camisa 10 deste site e do blog do Noblat. Defende, arma e ataca.
    O socialismo ainda agoniza e a mentira continua sendo o maior ideário da propaganda.
    A regulação da mídia poderá separar o que é propaganda mentirosa e de jornalismo verídico.

  2. Sandro, como sabemos, nesse jogo repugnante tem melhor chance quem, esmiuçando a vida do adversário, encontra o ouro. Caso da enfermeira Miriam, que enterrou o Lula. É verdade que, se não se chega a tanto, sempre se pode lançar pedras, como dizer que Aécio estava bêbado e drogado ao ser parado em batida policial.
    Como sempre, excelente texto.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.