De punhos cerrados

Vítimas da elite, ícones da luta democrática, guerreiros do povo, heróis injustiçados. Foi assim, com a mesma desfaçatez com que chamou o mensalão de caixa dois ou piada de salão, que a tríade petista José Dirceu-José Genoíno-Delúbio Soares se apresentou para iniciar o cumprimento das penas impostas pelo STF. Um tiro de risco, próximo da culatra, que atende parte da militância e esbofeteia todo o resto.

Se os punhos cerrados e as estocadas na Suprema Corte agradam parcela dos petistas, inflam a indignação dos que passam longe dela. Pior: posam de democratas, mas agridem a Justiça, um dos pilares da democracia, considerando sua instância máxima tribunal de exceção.

A reação do trio pareceu ensaiada. Na sexta-feira, logo após a expedição do mandato de prisão, Delúbio publicou vivas ao PT em artigo no site Brasil247. Genoino, por meio de nota, e Dirceu, em o que chamou de “carta aberta ao povo brasileiro”, se colocaram como presos políticos, como se o País vivesse dias de chumbo.

E ambos jogaram farpas na mídia, culpando-a pelo resultado do julgamento, como se houvesse conluio entre o STF as elites, sabem-se lá quais. Não devem ser as mesmas que fizeram de Dirceu um dos consultores mais bem pagos do país, queridinho da nata empresarial.

A carta aberta de Dirceu é um primor. Inverte-se a lógica, inventam-se argumentos, culpam-se outros, mente-se. Descaradamente.

O ex-ministro diz que vai cumprir tudo que a Justiça e a Constituição determinam. Mas, muito além de lamentações admissíveis em um condenado que apela por inocência, faz acusações gravíssimas ao STF. Afirma que foi condenado “sem ato de oficio ou provas, num julgamento transmitido dia e noite pela TV, sob pressão da grande imprensa.” Que sua condenação teve como base a teoria do domínio do fato, “aplicada erroneamente pelo STF”.

Chega ao absurdo de comparar a prisão de agora, fruto da condenação por malversação do dinheiro público e apropriação do Estado em favor de seu partido, com a da luta contra a ditadura. No caso dele, é bom lembrar, uma luta não em prol da democracia, mas por outra ditadura, a do proletariado. Ainda assim, pratica com destreza o ludibrio ao dizer que esta será a segunda vez na vida que pagará com a prisão por cumprir seu papel no “combate por uma sociedade mais justa e fraterna”.

Em favor de Dirceu, diga-se, sua prisão contribui, sim, para uma sociedade mais justa, em que poderosos e não só pobres vão para a cadeia.

Em um País que tarda e falha em honrar a balança e os olhos vendados da deusa Têmis, a prisão dos mensaleiros é colírio.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 17/11/2013. 

2 Comentários para “De punhos cerrados”

  1. Em que país estamos?Comentários
    Juca Kfouri
    20/11/2013 09:49

    Nada a ver com o futebol.

    Tudo a ver com o clima de Fla-Flu instalado no Brasil desde que PSDB e PT passaram a se engalfinhar, ambos com projetos de poder e pouco preocupados com o país.

    O primeiro ganhou o primeiro tempo, perdeu o segundo e vem sendo goleado na prorrogação.

    Daí a festa com a queda de alguns dos mais proeminentes craques petistas.

    Com direito a fechar os olhos e até elogiar evidentes ilegalidades, típicas de regimes ditatoriais.

    Chega a ser constrangedor ver FHC ser incapaz de uma palavra solidária a uma figura como José Genoíno, que ele sabe ser um homem de bem.

    E também estarrece ver Dilma Rousseff quieta sobre o que está acontecendo na Papuda.

    Será que o cálculo eleitoral está acima dos mais comezinhos princípios de generosidade e companheirismo?

    Terá sido para isso que lutamos tanto até tirar os militares do poder?

    Ou tinha a ver com o imortal espírito de Liberdade, Igualdade e Fraternidade?

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.