Boa letra

Daqui a pouco ninguém mais terá a caligrafia de nossas mães. Aquelas letras claras e bem elaboradas contornando nossa admiração de filhos. Como desenhar as palavras como elas?, esse era o desafio. Na escola bem que tentávamos, diante do carinho e da paciência das professoras do primário.

Com o passar dos anos, muitos se tornavam médicos e advogados e adquiriam o esmero de garranchos ilegíveis. Decifrar receitas virou especialidade de farmacêutico. Conheci um juiz que chegava ao cúmulo de nem ele entender o que pretendia ter escrito. E eram poucas as vezes em que ele se dispunha a bater as sentenças em máquina de escrever. Um encanto de pessoa, de idéias liberais, mãos firmes e dóceis no decidir e inábeis no redigir.

Se era assim na era não digital, quando todos acabavam por ter de colocar suas escrituras no papel , o futuro nos reserva um oceano de rabisqueiras incompreensíveis quando as gerações da internet tiverem necessidade de gravar alguma coisa em documentos. Certamente estarão fora desse problema os que como a Clara, que se orgulha de saber escrever letras cursivas, têm um dom para o desenho e um controle motor admiráveis. Na verdade o que eu falo é hipótese que só o tempo comprovará ou não. O talento da nossa garotada, sinto, não tem limite.

Isso me leva a um a experiência que tive e tenho em meu convívio com as palavras. Comecei minha atividade escrevendo à mão, caneta ou lápis no papel. Depois, apesar de não dominar a técnica da datilografia, passei a utilizar também a máquina de escrever. Usava poucos dedos e olhava o tempo todo para o teclado. O compositor e cronista Antônio Maria é que dizia essa pérola: “escrevo com dois dedos e a minha vida inteira.”

Desde logo suspeitei que minha forma de escrever se alterava de acordo com o método de gravar as letras no papel. À mão, o texto vinha mais interiorizado, lento e mais pensado. Na máquina a coisa chegava mais solta, rápida, quase espontânea. O conteúdo que eu buscava eu obtinha de qualquer uma das maneiras, mas o estilo me parecia ser diferente.

Nunca comprovei essa impressão totalmente, mas esse sentimento ficou mais forte quando assumi o desafio de escrever no computador, essa que é a melhor máquina de escrever que poderiam ter inventado. A velocidade de transportar para a tela os pensamentos é incomparável com o duplo dedilhar das queridas máquinas Remington ou Facit.

Ficou mais fácil escrever mas, pelo que ando lendo por aí, todo cuidado é pouco. A facilidade, se não for casada com um seguro refletir, pode gerar muita besteira.

Esta crônica foi originalmente publicada no Estado de Minas, em maio de 2013. 

3 Comentários para “Boa letra”

  1. Imaginem, só de brincadeira, uma pane na internet. Traríamos de volta as velhas máquinas e os cadernos de caligrafia?

  2. Fernando, há certo tempo fiz matéria sobre o que acontecia em Indiana, EUA. Preparava-se lei que abolia o ensino da letra cursiva. Entendia-se que as crianças deviam alfabetizar-se em letra de fôrma, como a do teclado do computador. Na época, entrevistei duas senhoras que se esmeravam na letra cursiva bem desenhada. Endereçavam convites de casamento. Será esse o futuro?

  3. A CALIGRAFIA DE UM SER É A SUA IMAGEM VISTA NO ESPELHO DO SEU JEITO DE SER…

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.