A igreja católica continua católica

O papa Francisco aqueceu tenros e ingênuos corações socialistas com a divulgação da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium (A Alegria do Evangelho), que alguns jornais definiram como “a base para a maior reforma” da Igreja em 30 anos.

Claro que os jornalistas adoram escarafunchar todas as palavras ditas pelo papa, todos os documentos que assina, e estão sempre prontos a ver em qualquer movimento da Igreja as bases de uma “grande revolução”.

Ainda mais quando é um papa recém eleito, é latino-americano, torce para o San Lorenzo de Almagro e deu sinais exteriores de humildade explícita com relação à histórica pompa vaticana.

Difícil convencer os afoitos que uma instituição secular como a Igreja Católica é secular exatamente pela conservação do seu patrimônio de valores éticos, que só oscilam na sua abordagem formal e nunca em sua essência.

A Exortação Apostólica de Francisco é um documento menos importante que uma encíclica, que é o meio tradicionalmente usado para tratar de questões doutrinárias, e defende conceitos de abertura missionária da Igreja, que é uma tradição jesuítica.

“Precisamos de igreja com as portas abertas para evitar que aqueles que estão em busca de Deus encontrem a frieza da porta fechada”.

Sobre questões de princípio, nada mais claro do que esta condenação do aborto: “Não se deve esperar que a Igreja mude de posição sobre essa questão. Não é progressista fingir resolver os problemas eliminando uma vida”.

Quando Francisco diz que “o atual sistema econômico é injusto pela raiz”, houve quem o saudasse como se um teólogo da libertação em pessoa estivesse se revelando. Pura ignorância histórica.

A Igreja Católica sempre condenou o capitalismo tout court e isso está explícito nos seus documentos históricos, como a Rerum Novarum, do papa Leão XIII, em maio de 1891, ou na encíclica Menti Nostrae, de 1950, escrita por Pio XII, um papa tido historicamente como reacionário.

A Doutrina Social da Igreja defende explicitamente o direito à propriedade, desde que se reconheça a “função social de qualquer posse privada”, condena claramente a ganância e, como Francisco, acha que “dinheiro deve servir, não dominar”.

Assim é ocioso que tanto liberais quanto socialistas condenem a Igreja Católica por ser o que todos sabem que ela é. Alguns não querem que a Igreja dê palpites sobre o que não é sua especialidade — o ordenamento econômico — e outros insistem em que ela trate secularmente dogmas de fé como a oposição ao aborto.

A Igreja Católica é, sim, e sempre foi contra o capitalismo e contra o que ela entende que sejam seus males, mas defende a liberdade econômica sob certas condicionantes, e a liberdade dos indivíduos. A teologia da libertação não tem chance de prosperar com Francisco. A Instrução Libertatis Conscientia, de 1986, continua em vigor:

“Muito frequentemente, porém, a justa reivindicação do movimento operário conduziu a novas servidões, por inspirar-se em concepções que, ignorando a vocação transcendente da pessoa humana, atribuíam ao homem um fim meramente terrestre. Algumas vezes, ela voltou-se para projetos coletivistas, que gerariam injustiças tão graves quanto às que pretendiam pôr um fim”.

Se há alguma coisa que se pode deduzir da “exortação apostólica” de Francisco é que a Igreja Católica, goste-se ou não dela, continua sendo o que é.

Este artigo foi publicado no Blog do Noblat, em 29/11/2013. 

Um comentário para “A igreja católica continua católica”

  1. O certo é que o Papa Francisco vem fazendo bem enorme a economia italiana e do Vaticano.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.