Vamos proibir “Acalanto” e “Atirei o Pau no Gato”

Considerando que o nível do Febeapá (Festival de Besteiras Que Assola o País) nos últimos tempos tem atingido todos os absurdos possíveis e imagináveis, e Stanislaw Ponte Preta deve seguramente estar achando que viveu num Brasil onde havia lógica, sensatez, inteligência;

Considerando que um MP sei lá de onde quer banir o Dicionário Houaiss por registrar uma das acepções da palavra “cigano”;

Considerando que já andaram pedindo a proibição de As Caçadas de Pedrinho, de Monteiro Lobato, por crime de racismo;

Considerando que aquela ministra das Mulheres, cujo nome não me lembro (ainda bem), quis proibir um anúncio de lingerie estrelado pela Gisele Bündchen;

Considerando que em diversas questões do Enem, e em livros didáticos adotados pelo atual governo, se faz a apologia do lulo-petismo e a condenação do governo anterior;

Considerando que tapinha nos filhos virou assunto de Estado e passou a ser proibido por lei,

SUGIRO:

1 – Que seja determinada a proibição da execução, em todo o território nacional, da canção “Acalanto”, de Dorival Caymmi, por infringir diversos artigos do Estatuto da Criança e do Adolescente, ao assustar os bebês com a ameaça de que o boi da cara preta vem pegá-los;

2 – Que seja determinada a proibição da execução, em todo o território nacional, da cantiga “Atirei o pau no gato”, por infringir algum estatuto de proteção dos direitos dos animais domésticos, ao incitar a ataques aos pobres bichanos.

Revogam-se as disposições em contrário. Revogam-se também, de uma vez por todas, o bom-senso, a lógica, a razão.

BrasIlha da Fantasia, 8 de março der 2012.

 

7 Comentários para “Vamos proibir “Acalanto” e “Atirei o Pau no Gato””

  1. Muito bem, sejamos todos politicamente correctos, ou corretos?
    Isto é uma gaita, o nosso secretário de estado da cultura já disse que vai ser necessário rever o acordo…

  2. Sérgio Vaz, você esqueceu do jogo da amarelinha, ofensivo à colônia nipo-brasileira. Temos que bani-lo. Também do bicho-papão. … Sai de cima do telhado, e deixa esta criança degolar, aniquilar, explodir pessoas nos seus vídeo games sossegada…

  3. Valdir,
    Faço um desafio:
    Escreva mais um texto (este 50 Anos de Textos já publicou um, brilhante como tudo que você escreve) contra essa doença do politcamente correto que feabapaliza este nosso triste país.
    Grande abraço.
    Sérgio

  4. José Luís, caríssimo, o acordo, na verdade um desacordo, faz parte do Festival de Besteiras que Assola esté infeliz País que os seus compatriotas descobriram. Como o Brasil se acha imerso no mais profundo besteirol, minha única esperança é que vocês, os donos da língua, rejeitem o acordo/desacordo.
    Um grande abraço.
    Sérgio

  5. Acho que devo ter muitos problemas psicológicos, pois cantei demais “Atirei o pau no Gato” e Acalanto. Lí e lí para meus filhos (que também devem estar com sérios problemas, ) As caçadas de Pedrinho. Meu Deus, como eu não pensei nisso antes?
    Ótimo, Sergio. Como sempre,brilhante!
    Abraços
    Lúcia

  6. A proibição da prática de tortura nos ambientes domésticos, essencial a uma civilização plena, não integra o FeBeAPá. Ponto.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.