Já ouvimos isso antes

Denúncias requentadas, denúncias fraudulentas, falsificações, perseguição. Onde foi mesmo que já ouvimos isso antes?

A desenvoltura com que o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, saiu a defender o governador de Goiás, Marconi Perillo, lembra muito a galhardia com que o PT costuma rebater as denúncias que envolvem qualquer figura do partido citada por suspeita de participação em “malfeitos”. Só faltou colocar a culpa no PIG.

Não importa que as evidências sobre alguma forma de envolvimento do governador com o esquema de influência do contraventor Carlinhos Cachoeira se acumulem.

Em vez de exigir que ele se explique, o PSDB prefere oferecer-lhe um braço amigo desprovido de qualquer salvaguarda moral. Apoia incondicionalmente um dos seus apenas pelo fato de ser um dos seus.

Repete o erro que já tinha cometido com o senador Eduardo Azeredo.

Aos poucos, além da incapacidade orgânica de expressar um discurso articulado de oposição, o PSDB vai perdendo o que ainda lhe restava de capital moral e político que lhe permita criticar as práticas fisiológicas e pouco recomendáveis da grande maioria dos partidos que executam a partitura desafinada da vida política brasileira.

Com que moral, depois desse episódio,o PSBD vai cobrar moral dos outros?

É mais do que evidente que a CPMI do caso Cachoeira está sendo conduzida – e com êxito – aos fins a que se destina: a vingança contra Marconi Perillo por ter afirmado que avisou o então presidente Lula sobre a prática do mensalão.

Os indícios que se acumulam até agora indicam que o governador de Goiás tem muitas explicações a dar. Pode ser chamado a depor de novo e tende a tornar-se, com ajuda de seu partido, no foco único e exclusivo da CPMI, como queriam os que a criaram.

Não seria justo que o partido atirasse o governador às feras antes da comprovação de sua culpa, mas também não é prudente conceder-lhe uma carta de fiança antes que ele mesmo prove que a merece.

Em vez do apoio incondicional que significa absolvição prévia, o PSDB poderia ter oferecido a Perillo o benefício da dúvida, sem condená-lo nem absolvê-lo antes do devido processo.

Em vez de dedicar-se ao trabalho de tornar evidente e denunciar a falta de apetite da CPMI para investigar a fundo as relações da Construtora Delta com os governos que a contratam, não só no Centro-Oeste, mas em todo o Brasil, o PSDB gasta as suas energias dedicando-se à defesa de seu correligionário suspeito.

Com uma oposição assim, o governo e a sua base aliada podem continuar desfrutando as delícias do seu piquenique.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 20/7/2012.

 

Um comentário para “Já ouvimos isso antes”

  1. Concordo com o Sandro. Realmente a base aliada desfruta do piquenique, convescote armado pelo PSDB e desfrutado, sem cerimônias, pelo lulopetismo. O PSDB quer mais, no Paraná está confiscando 8,5 bilhões do povo, criando o Plano de Contrôle de Poluição Veicular (PCPV), e entregando de bandeja para a iniciativa privada (CCR e Delta). Quando perder o poder vira oposição.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.