Escândalos, paixões e correrias

Estavam os habitantes da Cracolândia de São Paulo (que odeio chamar de “nóias”, uma palavra que tem acento pejorativo de gíria vulgar) postos em sossego em seu torpor de zumbis, quando chegou uma tropa da PM e os colocou pra correr.

Escândalos, paixões e correrias, como alardeava uma velha canção de João Bosco e Aldir Blanc, popular nos anos 70.

Imediatamente colocou-se em pauta não uma discussão racional sobre o destino das desafortunadas criaturas e as consequências da ocupação do espaço público, mas exatamente a primeira rodada antecipada do campeonato eleitoral municipal, que irá se desenvolver em outubro deste ano em São Paulo.

Eles estão lá há 15 anos, e fora um sobressalto ou outro, parece que ninguém se preocupava muito com eles – com exceção, é claro, daqueles que eram obrigados por contingências pessoais a dividir e disputar o espaço com eles ou aqueles que, por razões profissionais tentavam, em silêncio e anonimamente, salvar os viciados de si mesmos.

Com a ação policial ,aconteceu aquilo que costuma acontecer quando a TV acende seus holofotes em direção a uma torcida de futebol, que passa da apatia total ao entusiasmo enlouquecido assim que a luz os ilumina e a câmera começa a registrar sua súbita e descontrolada euforia.

A luz acordou pelotões de políticos, jornalistas, especialistas, direito-humanistas, promotores, juristas, padres, pastores, sacerdotes, urbanistas, ativistas de toda espécie, cada qual com sua receita pronta para resolver o problema.

O Ministério Público, que até então jazia em santa indiferença diante da ação dos traficantes da Cracolândia, anunciou que vai investigar a ação da polícia, pois a considera precipitada, uma vez que foi deflagrada um mês antes da inauguração de um centro de apoio que está sendo construído pela prefeitura perto do local.

Sem esse centro de apoio, a ação policial de dispersar os viciados e dificultar a vida dos traficantes não faria sentido.

Talvez não fizesse de fato se a ação fosse apenas policial. O MP ignora, ou prefere fingir que ignora, que a Prefeitura tem 1.200 leitos psiquiátricos disponíveis para tratamento e que 150 agentes comunitários da Secretaria Municipal de Saúde trabalham, alternadamente, todos os dias da semana, inclusive aos feriados, junto aos dependentes químicos da região.

Uma entrevista do coordenador de Políticas sobre Drogas da Secretaria de Estado da Justiça e da Defesa da Cidadania, Luiz Alberto Chaves de Oliveira, dizendo que a privação de drogas causa ao viciado “dor e sofrimento” , e que isso o levaria a pedir ajuda, foi usada para batizar pejorativamente a açao da polícia de Operação Dor e Sofrimento. Um nome que caiu do céu.

Os humanistas profissionais correram a gritar contra a ação “higienista” , e estão pouco se lixando se a procura dos dependentes por ajuda dobrou desde o desencadeamento da operação.

Eles não estão interessados na sorte dos zumbis da Cracolândia. Estão mais interessados em fazer praça de sua sociologia progressista e em industrializar seus bons sentimentos.

Uma chaga aberta e sangrando rende mais demagogia e demagogia rende mais votos.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 13/1/2012.

2 Comentários para “Escândalos, paixões e correrias”

  1. Daqui do RJ sinto-me um pouco desinformada da situação da cracolândia em SP. Ouvi, e vi, da Eliane Cantanhede que o Ministro da Saúde andou aparecendo, interessado em ajudar e…, então, sacudidos pelo concorrente, o Governador e o Prefeito de S.Paulo desencadearam a operação que está a dar tanto pano-pra-manga… Seja lá como for, grandes mazelas nacionais nesse ou em outros estados da federação aumentam a cada dia e ninguém realmene parece se interessar para ajudar quem precisa de ajuda, até que alguém “pisa no calo” do outro e todo mundo corre… mas e só por pouco tempo, logo vai aparecer algo que de mais visibilidade… E continua tudo como “dantes no quartel de Abrantes”…

  2. Sandro – Mais uma vez seu artigo está impecável. O que me pergunto é como foi possível, durante esses anos todos, a polícia não descobrir os atacadistas do tráfico, os que abastecem o varejo da Cracolândia. Basta colocar um policial no lugar de onde os fotógrafos e cinegrafistas flagram todo dia a ação miúda dos varejistas, e não tentar prendê-los – mas segui-los. Ou usar os informantes policiais. Eu tenho uma resposta para a questão, mas não posso apresentá-la sem provas.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.