Subdesenvolvido

Não há político em campanha nem eleitor ao ser pesquisado que não aponte educação e saúde como temas líderes de suas preocupações. A eles se juntam aqui e acolá reivindicações por mais segurança, mais emprego, melhores estradas, menos impostos. Nada mais justo em um país que garfa mais de 35% do trabalho do cidadão para financiar um Estado que quase nada lhe devolve.

Fixando-se nas duas primeiras aflições, é uma vergonha completa.

Na saúde, as desculpas para o desdém têm endereço na extinção da CPMF, como se os recursos arrecadados de 1997 até 2007 tivessem feito alguma diferença.

A tabela de procedimentos do SUS – pagamentos que a União faz para hospitais, governos estaduais e municipais – não tem reajuste real há mais de dois anos. Programas de prevenção tiveram redução. A dengue que o diga: só no Rio de Janeiro, os casos aumentaram em um ano vexamosos 857%.

Os números da educação são mais perversos. O país comemorou seus 33 pontos a mais nas notas do PISA, avaliação trienal realizada em 65 países. Melhorou, sim, mas ainda é o 53º em ciências e literatura e 57º em matemática. Isso entre 65.

Excelência, então, nem pensar. Na pesquisa do respeitadíssimo Times Higher Education, o Brasil ostenta o troféu de ser o único entre as economias emergentes – os Brics – fora da turma dos melhores. Se Rússia, Índia e China se posicionam entre os 100 primeiros, o Brasil só aparece na 232ª, com a USP, uma universidade mantida pelo governo de São Paulo, que não recebe recursos da União.

Isso em um país que na era Lula passou a arrotar investimentos no terceiro grau. Fez universidades públicas se procriarem como galinhas, boa parte delas sem as condições mínimas para formar bacharéis. E, na esteira do Pró-Uni, subsidiou faculdades privadas de qualidade questionável.

Inverteu de vez a lógica da pirâmide: menos investimento no ensino fundamental e aposta zero na universalização do ensino médio, como se fosse possível oferecer universidade para todos – como dizia o slogan – sem os passos anteriores.

As incongruências prosseguem em ritmo veloz. No governo Dilma, a prioridade é creche. Seguramente porque os votos estão nas mães que não têm onde deixar seus filhos. Uma necessidade social real, mas que não deveria subverter prioridades e muito menos onerar o tão minguado orçamento da educação.

Ao condenar a maior parte dos brasileiros à ignorância, não há crescimento econômico que dê conta do recado. O oba-oba dos governantes sobre a pujança nacional e PIB recorde está longe de livrar o país do subdesenvolvimento.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 13/3/2011.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.