O joio

É tiro e queda. Basta a presidente Dilma Rousseff aparecer bem no filme para que o ex apronte das suas, na tentativa de roubar os holofotes para si. Possivelmente não o faz de propósito. É uma espécie de doença, vício, algo incontrolável. E aí não importa se auxilia ou prejudica a sua pupila, se lhe ofusca o brilho.

Nada tem a ver com afastamento entre criador e criatura, algo que não passa pela cabeça nem da atual nem do ex. Pertence ao universo do egocentrismo, da vaidade pura. Lula tem porque tem de estar em primeiro plano. Há muito se convenceu de que é o escolhido. Fez pactos com o diabo, mas se vê como messias.

Ainda que impulsionada pela mídia, nos últimos dias Dilma Rousseff promoveu os primeiros movimentos dignos de aplausos ao iniciar a desratização do Ministério dos Transportes.

Tudo que Dilma não precisava era de um Lula defendendo o retorno de gente do PR ao primeiro escalão do governo, como se presidente fosse. “Se as pessoas não forem culpadas, estiverem inocentes, você separa o joio do trigo e aqueles que não forem culpados podem voltar.”

Joio semeado por Lula, em 2003, que nada mais fez pelo cultivo. Ou porque não quis ou porque ali não se plantou trigo, só joio mesmo.

Não é a primeira e seguramente não será a última vez que Lula se enrola em citações bíblicas. Em outubro de 2009, criou confusão ao dizer que se Jesus viesse para cá teria de chamar Judas para fazer coalizão. Queria com isso defender as alianças espúrias que fechara. As mesmas que deixou como herança para a sua sucessora.

Na semana que passou, antes do joio e trigo do Evangelho de São Mateus, Lula já havia desancado com o Novo Testamento. Na Bahia, no seu melhor estilo palanqueiro, chamou de bobagem a promessa do reino dos céus para os pobres, e de slogan os escritos de São Lucas. “O rico já está no céu. Porque um cara que levanta de manhã todo dia, come do bom e do melhor, viaja para onde quer, janta do bom e do melhor, passeia, esse já está no céu”, disse, sem se dar conta de que acabara de retratar a si próprio.

As interpretações rasteiras que Lula faz das parábolas têm pouca importância. São apenas mais um de seus hábeis truques de manipulação da audiência. Por trás delas está a insistência no jogo maniqueísta, o incentivo aos antagonismos, ao eles versus nós, ao Fla x Flu que tantos frutos renderam nos últimos anos.

Lula fala para os pobres como se pobre fosse. Ilude os que lhe dão ouvidos. Comete todo e qualquer pecado para manter sua corte e garantir seu trono no reino da terra.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 24/7/2011

2 Comentários para “O joio”

  1. oi! nossa! vc é otima!
    eu sou estudante, tenho 20 anos e procurava algo interesante pra ler já que os meus professores não são dados a falar de politica e mesmo que fossem com certeza falariam o que achassem mais conviniente para uma classe de alunos. Acho que as universidades estão carentes de pessoas que façam a diferença ou que tenham coragem de demonstrar o que pensam em vez de agradar alunos

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.