Ainda por cima inventamos o Natal

Como se não bastasse tudo o mais, ainda por cima inventamos o Natal.

Como se não bastassem o câncer, a aids, o enfarte, a proibição de fumar, de beber, de comer sal, gordura, tudo o que tem gosto e dá prazer. A dor de dentes, a dor nas costas, a hipertensão, o triglicérides, o colesterol, a miopia, o astigmatismo, o enfisema, o glaucoma, a hemorróida, a herpes.

Como se não bastassem a má distribuição das riquezas, a nojenta existência de milionários, a maldita existência de miseráveis, o capitalismo, a competição, a inveja, o mau caratismo, a sem-vergonhice, o chefe pentelho, o subalterno preguiçoso ou inepto.

Como se não bastassem Napoleão, Stálin, Hitler, Mussolini, Fidel, Chávez, Evo, Lula, Marco Aurélio Garcia, Marta Suplicy, José Genoíno, Sarney, Jáder, Roriz, Bush, Thatcher.

Como se não bastassem o analfabetismo, a ignorância, a falta de hospitais decentes, de escolas, de professores preparados, a violência nas ruas, o gangsterismo, o crime organizado, o crime desorganizado, os assassinos em série, os assassinos de pai e mãe, os assassinos de filhos.  

Como se não bastassem as enchentes, as secas, os terremotos, os tsunamis, os vulcões.

Como se não bastassem as desilusões, o amor que de repente não é mais o mesmo, os desencontros, a traição, a infidelidade, o ciúme, o sentimento de posse, a impaciência, a vontade de quebrar a rotina, a vontade de manter a rotina, a desconfiança, o temor, a dor, a angústia, a pata de elefante em cima do peito, a saudade, a falta, a constatação de que acabou. A preocupação com o filho, o medo, a possibilidade de não dar certo, o filho que, pronto, já não deu certo mesmo, e agora, fazer o quê? 

Como se a vida fosse doce e mansa e tediosa como num filme sueco, como se não houvesse problema algum, aí inventamos o Natal, pra deixar todo mundo mais tenso, estressado, nervoso, na correria, na pressão – tem que encontrar fulano, tem que encontrar sicrano, tem que dar presente para este, este, este, este e aquele.

Enchem-se todos os lugares de luzinhas, bonitinhas, bonitinhas, que decuplicam o consumo de energia e portanto aceleram o desperdício dos recursos naturais e nos leva mais rapidamente ao esgotamento do planeta.

As ruas, as lojas, os ônibus, o metrô, tudo fica absurdamente abarrotado de gente exausta, trôpega, zonza que nem barata. Os bares, sobretudo, os bares se enchem de amadores, com uma infinita obrigação de parecer feliz, que falam alto, berram, e no final da noite assassinam “Carinhoso”.

A proximidade do Natal sempre me leva a achar que têm razão os que dizem que a humanidade é uma experiência que não deu certo.  

         E ainda faltam 24 dias para o Natal!

8 Comentários para “Ainda por cima inventamos o Natal”

  1. I couldn’t agree more.
    Pra mim, o Natal é triste e deprimente. Até já pensei que fosse conseguir mudar de idéia sobre isso ao longo da vida, mas não sei se nessa aqui vou conseguir [pessimismo mode on].

  2. Ah, acabei de lembrar depois que escrevi que eu nunca gostei de Natal, mas antes, quando chegava dezembro, eu sentia boas energias no ar, parece que as pessoas ficavam mesmo mais bondosas, otimistas, sei lá o quê. Eu conseguia até sentir um certo “cheiro” de Natal, que me transmitia uma sensação boa (embora o dia D sempre tenha sido horrível). Daí veio o consumismo cada vez mais insano e já não sinto mais a energia que eu sentia. E essa obrigação de comemorar, reunir e etc, faz com que tudo fique ainda mais deprimente. As pessoas se reúnem, mas ficam alheias umas às outras. E nunca entendi porque gente que mal se vê durante o ano “tem que” se reunir só porque é Natal. What the hell? Tb não entendo isso de só lembrar de ajudar o próximo em dezembro; e os outros onze meses? Mas, pra não parecer que sou a mais pessimista das criaturas, eu acho legal quando a reunião é genuína, verdadeira, sincera. Acho que quando se tem filhos pequenos deve ser legal fazer algumas coisas referentes à data. Pronto, agora não vou mais direto pro inferno num expresso, hohoho.

  3. Realmente Sérgio,a humanidade é uma experiência que faz tudo para não dar certo nunca,entre acertos e desacertos,lutamos a cada dia para o caminho mais complicado,pois se é fama,somente a ela visamos;que se dane o próximo.Não só criamos o Natal como criamos também um novo ano,nessa época todos se amam,se abraçam,vestem branco em busca da paz…Que paz,que nada,às vezes estamos de branco e não enxergamos o irmão ao nosso lado;fechamos os olhos para não ver a fome na casa do vizinho,pra que me entristecer nesse dia,afinal é festa né!Ano Novo,quero mais é curtir,me divertir afinal mereço,mais que óbvio.Devemos sim,nos divertir,pois comemoramos mais 365 dias de vida,nesse mundo tão belo,mas é importante evitar exageros,porque se tivemos a oprtunidade de virmos um pouco mais privilégiados nesse mundo,não devemos jamais esquecer que em um ano são 365 dias e algumas horas sempre,portanto,deveríamos vestir a cada segundo de branco os nossos corações,pois, o que diferencia um ser humano de outro é somente a génetica,a cor da pele,a cor dos olhos,a beleza dos cabelos;então,se é a génetica que nos separa porque insistimos em excluir o irmão pelo fato de não apresentar os caracteres exigidos pelos padrões humanos que são:melhores aparências,melhores roupas,carrões que chamam atenção da socyt,que triste continuarmos criando nossas crianças para um mundo somente consumista,no qual valores já não existem mais…Que em 2011 percebamos o valor de uma amizade,o respeito pelo próximo e por nós mesmos,a alegria por estarmos vivos…e que nunca entristeçamos se não conseguimos passar pela vida montados na grana,pois a vida é muito bela e o mais belo é a nossa capacidade de amar.Que passemos a virada,talvez vestidos até de preto,mas com o coração e a alma de branco,porque o sol nasce para todos,porém de diferentes formas.Feliz 2011!!!

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.