Vai melhorar (3)

Desmontar as bases de uma política econômica que vinha sendo seguida ao longo de cerca de dez anos não é tarefa fácil.

Há uns dez anos os governos lulo-petistas vinham direcionando a política econômica para o fundo do poço. Tiveram, com cinco anos, 4 meses e 12 dias de desatino, de alucinação sob o comando de Dilma Rousseff, absoluto sucesso: enfiaram o Brasil na sua mais grave crise econômica (para não falar das crises política e moral).

Inflação alta, crescimento negativo, contas públicas na maior barafunda que seria possível imaginar.

Desmontar isso, reverter o processo, alterar o curso, fazer uma curva absoluta, uma curva de U, de 180 graus, isso leva tempo. Se e quando é possível, no mínimo leva muito tempo.

Imagine-se um transatlântico que navega na maior velocidade permitida rumo ao Sul, ao fundo do mapa – e que, de repente, tem a tripulação trocada, e a nova tripulação acha melhor que se rume para o Norte, para o alto.

Não dá para fazer depressa uma curva radical em um transatlântico, em um país gigante, continental, como o Brasil, o cavalo de pau que se dá (com muito risco) em uma moto 60 cilindradas.

É bem mais complicado – e necessariamente lento. É o que venho dizendo aqui, e insisto, e não desisto.

Leva tempo.

Mas, ao longo desta semana que passou, a quinta semana depois que a presidente mais incompetente da História do país foi afastada, houve novos sinais de que as coisas vão melhorar.

São apenas sinais, por enquanto, é claro.

Mas o fato é que são os primeiros sinais positivos que o país vê desde que, após aquele festival insano de mentiras absurdas durante a campanha de 2014, Dilma Rousseff foi reeleita por uma pequena diferença de votos, e aí deixou de ser apenas incompetente – deixou, efetivamente, de governar, de tomar qualquer decisão, de executar qualquer ação, a não ser tentar da forma mais desesperada, mais caótica, manter-se no cargo.

Pela primeira vez em bem mais de dois anos surgem sinais positivos na economia.

Na prática, na vida real, ainda não houve mudança clara, visível, sensível.

É ainda sutil – mas já houve mudança.

Em vez de esquerdiotas promovendo uma dita “nova matriz econômica”, querendo a reinvenção da roda que desde 1917 já se comprovou diversas vezes que só dá com os burros n’água, o país tem um dream team dirigindo a economia.

O rumo, o alvo deixou de ser o fundo do fundo do fundo do poço.

Mudou o curso. O curso foi invertido. O transatlântico está rumando agora para o lado contrário. Deixou de perseguir o caos. Está tomando finalmente a direção correta.

As manchetes dos jornais se ocupam da crise política. Mesmo assim, ainda que longe dos holofotes imediatistas, há espaço para o que está em curso na economia. Editorial do Estadão da segunda-feira, dia 13, fala dos “sinais positivos” que “constituem um importante capital inicial de um novo governo”.

Artigo de Marco Antonio Rocha, um dos mais experientes jornalistas econômicos do país, no Estadão da quinta, dia 16, fala de “uma virada de expectativas em 30 dias”.

Em seu artigo da sexta, dia 17, no Globo, o economista Rogério Furquim Werneck conclui que “é só o começo. Ainda há muita incerteza pela frente. E tudo indica que, da perspectiva de Temer, continuará sendo ‘uma guerra’. Mas é um bom começo.”

É um bom começo.

Vai melhorar.

Vai ser difícil, vai demorar, mas vai melhorar.

A rigor, a rigor, já começou a melhorar – só de haver esses primeiros sinais positivos já dá para dizer que começou a melhorar.

Só há uma possibilidade de dar errado: é se dois ou três senadores, por alguma razão abjeta qualquer, mudar de idéia, e acontecer a tragédia de o país voltar a ter no leme a própria pessoa que o enfiou no fundo do fundo do fundo do fundo do poço.

Se acontecer de Dilma Rousseff voltar – que Deus nos livre, que todos os Deuses nos livrem, Alá, Oxóssi, Buda, Zeus, Jeová –, aí não será o Titanic. Será o Armagedom, o Apocalipse, o Fim dos Tempos, o Juízo Final.

Está muito cedo para o Armagedom. Minha netinha não tem sequer 3 anos e meio!

Sinais de reação

Editorial do Estadão, 13/6/2016

A indústria faturou US$ 2,39 bilhões com exportações de produtos elétricos e eletrônicos entre janeiro e maio – valor 1,9% maior que o de um ano antes. Todo aumento das vendas externas de manufaturados é uma novidade importante, depois de anos de retração das vendas e de perda de participação no mercado global. Cinco montadoras contrataram 1.230 empregados temporários, em abril e maio, para a produção de veículos destinados ao mercado exterior. Qualquer espaço conquistado ou reconquistado no comércio exterior pode ser precioso para a reativação do enfraquecido setor automobilístico. Os desafios são enormes, nesse e na maior parte dos segmentos industriais. Apesar disso, para os mais otimistas a economia bateu no fundo do poço ou está quase batendo. Essa afirmação é ainda muito arriscada. De toda forma, começam a surgir alguns sinais positivos, ainda fracos e insuficientes para indicar a estabilização, mas nem por isso desprezíveis.

A recessão brasileira é a mais grave em oito décadas, a insegurança econômica é agravada pela incerteza política e, neste ambiente de quase paralisia, vale a pena dar atenção a qualquer indício de vitalidade e a qualquer sinal de confiança. Um dos mais importantes, depois da instalação do governo interino, foi a melhora das condições de acesso ao mercado financeiro internacional.

Aumentou a demanda de papéis de empresas brasileiras já conhecidas no exterior. Em menos de um mês, como noticiou o Estado, grandes companhias – incluídas Petrobrás, Vale, Marfrig, Cosan e Eldorado – conseguiram captar US$ 9,6 bilhões com a oferta de bônus no mercado internacional. Essa captação, segundo fonte do setor financeiro citada na reportagem, supera a de todo o ano passado, limitada a US$ 8 bilhões. Ainda falta muito para os financiamentos voltarem aos níveis observados há alguns anos, quando os totais negociados em um semestre podiam superar US$ 25 bilhões.

Uma combinação de fatores levou à maior procura de papéis brasileiros. Do lado interno, a notícia positiva, do ponto de vista do mercado, foi a mudança de governo, com maior possibilidade, a partir de agora, de retorno à responsabilidade fiscal e de implantação de reformas de longo alcance. Isso depende, é claro, do resultado do processo de impeachment, mas os sinais de otimismo, nesse caso, são claros.

Do lado externo, os indícios favoráveis vieram principalmente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos). A próxima alta dos juros americanos foi novamente adiada. Também isso realçou o atrativo dos títulos brasileiros, ainda valorizados por juros mais altos que os encontrados na maior parte do mercado internacional. Para as companhias brasileiras, de toda forma, a possibilidade de financiamento mais barato que o do mercado interno é hoje especialmente importante.

Outro sinal positivo, apesar de ainda muito discreto, foi detectado na indústria pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O Indicador de Intenção de Investimentos melhorou ligeiramente do primeiro para o segundo trimestre, passando de 81,9 para 82,5 pontos. Ainda ficou 9,6 pontos abaixo do estimado um ano antes, mas a leve melhora, segundo o economista Aloísio Campelo Jr., da FGV, pode ser um sinal de superação da fase mais negativa.

Mas as causas da elevação do indicador são pouco perceptíveis para o leigo. Do primeiro para o segundo trimestre a parcela de empresas com possível expansão de investimento diminuiu de 16,7% para 16,2%. Aquelas com perspectiva de estabilidade aumentaram de 48,5% para 50,1%. O grupo com intenção de investir menos diminuiu de 34,8% para 33,7%. A redução deste grupo é o fator positivo identificado pelos autores da pesquisa. Pode parecer pouco significativa, mas essa mudança pode indicar um começo de estabilização.

Embora muito limitados, esses sinais positivos constituem um importante capital inicial de um novo governo. Fazê-lo render e multiplicar-se é a grande tarefa do ainda presidente em exercício Michel Temer.

Uma virada de expectativa em 30 dias

Artigo de Marco Antônio Rocha, Estadão, 16/6/20156.

O governo Temer estreou há um mês aos trancos e barrancos deixando perplexos e atarantados os muitos brasileiros que queriam ver encerrados os 13 anos de desequilibrada hegemonia do PT e, principalmente, o abismo econômico que se aprofundava no mandato do disparate ambulante que é a sra. Dilma Rousseff.

A perplexidade e as incertezas sobre os rumos que Temer dará ao País nos próximos dois anos – uma vez aprovado pelo Senado o afastamento definitivo de Dilma – não se dissiparam ainda e o cenário político permanece no mínimo imprevisível.

No terreno da economia e dos negócios em geral, mais do que os passos e fatos do dia a dia, o que importa são as expectativas. Tanto as negativas, como as positivas. Não há como medir quanto o afundamento da economia, nos meses que antecederam a posse de Temer, se deveu à queda objetiva do PIB ou ao aumento subjetivo da expectativa, entre os agentes econômicos, de que a presidente Rousseff chegara à completa incapacidade de governar e de apresentar qualquer saída para a economia.

O governo Temer ainda não adotou nenhuma medida objetivamente capaz de limpar do horizonte os vaticínios de enormes dificuldades ou capaz de apontar diretamente para o saneamento das contas fiscais, das contas cambiais, da política de juros, da política de investimentos, de reerguimento, enfim, da economia. Na verdade, Meirelles na Fazenda, Goldfajn no Banco Central (BC), Pedro Parente na Petrobrás, Maria Silvia no BNDES, Ana Paula Vescovi no Tesouro se limitaram a manifestar boas intenções fundadas em bons currículos e a fazer declarações acatadas positivamente pelo mercado.

Mas foi o que bastou para que a curva das expectativas deixasse de cair, passasse a se nivelar em muitos setores e decididamente começasse a apontar para o alto em vários outros. Líderes de áreas empresariais, do varejo, da produção e da logística começam a ver a chamada “luz no fim do túnel” – a verdadeira, não a do farol do trem que vem vindo, como se costumava dizer nas últimas semanas da sra. Rousseff. Alguns já falam abertamente em retomada de investimentos, embora a Fiesp considere que haverá no setor industrial uma queda em relação ao ano passado.

Mesmo a imprensa estrangeira, que em parte comprara a teoria petista de que estaria havendo um golpe de Estado no Brasil e que o País poderia mergulhar numa convulsão social, tende a olhar mais atentamente e mais longe. O Financial Times, de Londres, dizia antes de ontem que, “devagar e muito cautelosamente, os economistas atrevem-se a se mostrar mais otimistas sobre a maior economia da América Latina”. E aponta que pela terceira semana consecutiva melhoraram os prognósticos para 2016 e 2017 da economia brasileira.

A melhoria de expectativas já se refletiu no último relatório Focus do BC. Para 2016 a mediana das projeções de queda do PIB passou de -3,71% para -3,60%. E para 2017 a mediana de crescimento passou de 0,85% para 1,00%. A expectativa para a inflação (IGP-M) passou de 7,74% para 7,95% em 2016, mas para 2017 recuou de 5,70% para 5,67%. No caso da produção industrial, a queda para este ano deverá ser um pouco menor do que se previa (-5,87%, ante -5,90%), mas o crescimento será um pouco menor em 2017 (+0,80%, ante +1,00%).

Em suma, reunindo todas as informações disponíveis sobre as expectativas, elas nos preparam para uma estabilização da plataforma da economia ao longo deste ano, seguida de tímida retomada do crescimento à partir de 2017. Nada que entusiasme nem que descarte o fantasma de um crescimento muito baixo por anos seguidos.

Mas então por que essa virada nas expectativas do mercado em apenas 30 dias do novo governo? Pela credibilidade das pessoas chamadas a gerir a economia, que se guiam pelo manual reconhecido e não por quimeras salvacionistas que mal encobrem o objetivo de se eternizar no poder.

Não é pouco

Artigo de Rogério Furquim Werneck, O Globo, 17/6/2016.

Michel Temer assumiu a Presidência há cinco semanas. E a vida não lhe tem sido fácil. Às voltas com embaraços da Lava-Jato, excessos do Centrão, protestos contra a extinção de ministérios e queixas quanto ao seu “gabinete de homens brancos”, Temer confessou à Folha de S.Paulo (13/6) que o exercício do cargo “tem sido uma guerra”.

Mas, apesar da sensação de desgaste e irresolução que tem emanado dessas muitas dificuldades e das idas e vindas de Temer, há que se reconhecer o notável sucesso que seu governo vem mostrando diante de dois desafios cruciais. Em pouco mais de um mês, ele conseguiu montar uma equipe econômica de excelente nível e, ao mesmo tempo, esboçar a consolidação de uma base parlamentar ampla, que, por problemática que seja, se tem mostrado razoavelmente eficaz.

Não é pouco. Ao concentrar seu limitado capital político inicial na consecução desses dois objetivos, Temer tornou bem mais crível a perspectiva de levar adiante o difícil programa econômico que contempla para o país.

Para dar o devido valor à montagem de uma equipe econômica tão boa — em tão pouco tempo e em condições tão adversas —, é preciso ter em mente que há mais de uma década não se vê no país equipe de nível similar. Sem ir mais longe, basta comparar a tripulação que hoje se tem na Fazenda e no Banco Central com a que foi recrutada pela presidente Dilma no seu primeiro mandato.

A experiência mostra que formar uma equipe de alto nível é sempre muito difícil. Mais difícil ainda para um governo interino, como o atual, que, na melhor das hipóteses, terá pouco mais de 30 meses de mandato. Vale aqui lembrar a enorme dificuldade que teve o presidente Itamar Franco para conseguir compor uma equipe econômica razoável no início do seu curto mandato.

Tendo nomeado, ao longo dos primeiros sete meses de governo, três ministros da Fazenda, que, em média, duraram 75 dias no cargo, Itamar deixou ao quarto ministro — Fernando Henrique Cardoso — uma missão impossível: encontrar profissionais com perfil adequado que se dispusessem a integrar a quarta equipe econômica de um presidente que se mostrava absurdamente instável e mercurial, com menos de 20 meses de mandato e às voltas com uma taxa de inflação da ordem de 30% ao mês. Ter enfrentado com tanto sucesso essa missão impossível e viabilizado o Plano Real talvez tenha sido o melhor momento da longa carreira de FHC, por mais notável que tenha sido seu desempenho posterior como presidente da República.

Por razões um tanto distintas, Temer parecia fadado a enfrentar sérias dificuldades para compor uma equipe econômica razoável. E, no entanto, ao recrutar Henrique Meirelles e Ilan Goldfajn, acabou conseguindo atrair um leque de profissionais da melhor qualidade e montar uma equipe econômica para ninguém botar defeito.

Diante do quadro de devastação que hoje se vê, não se pode subestimar as reais proporções do desafio de reconstrução que o governo tem pela frente. E é reconfortante saber que, ao enfrentar tal desafio, o governo pelo menos poderá contar com uma equipe econômica extraída do que o país tem de melhor.

É mais do que sabido, contudo, que a superação da crise deverá exigir bem mais do que uma equipe econômica de alto nível. Seria desajuizado, a esta altura, dar asas a devaneios de onipotência tecnocrática. Uma equipe de qualidade é absolutamente fundamental. Mas, tendo em vista a agenda de política econômica que hoje se faz necessária, a superação da crise também deverá exigir sólido respaldo do Congresso.

Não se pode dizer que Temer tenha descuidado desse segundo requisito. Muito pelo contrário. Apostou parte substancial do seu capital político inicial na composição de um ministério que possa lhe assegurar, na medida do possível, uma base parlamentar minimamente confiável, no terreno movediço de um Congresso acossado pela Lava-Jato.

É só o começo. Ainda há muita incerteza pela frente. E tudo indica que, da perspectiva de Temer, continuará sendo “uma guerra”. Mas é um bom começo.

17/6/2016

6 Comentários

  1. LUIZ CARLOS TOLEDO
    Postado em 18/06/2016 às 3:19 am | Permalink

    Pena que o Senador Lindbergh Farias-PT/RJ, não concorde e chame tudo isso de neoliberalismo. Lindbergh sempre foi o Senador com o mais baixo nível intelectual nos debates. Coisa de fazer inveja ao meu ídolo Sibá Machado. A fama trazida pela cara pintada direcionou Lindinho para a política antes que ele completasse os estudos. Ontem, ele bateu o próprio recorde de indigência mental, ao afirmar que “o neoliberalismo foi aplicado pela primeira vez na China, por Pinochet”. Em uma frase só, estuprou a Geografia, a História e a Ciência Econômica.

  2. MILTINHO
    Postado em 19/06/2016 às 11:17 am | Permalink

    Depois da saga dos “murros em ponta de facas” pensei que a vitória dos golpistas tivesse se completado.
    Engano meu, agora os punhos agora resolveram bater em uma cantilena de melhora da economia em longuíssimo prazo, ou seja, vai melhorar, vai melhorar, vai melhorar.
    Vamos continuar a receber doses cavalares de remédios neoliberais com aplauso constante do PIG.
    Só falta dar nome de rua ao Merval Pereira, de uma travessa a Miriam Leitão , um coreto de praça para Marco Antônio Vila e de um viaduto para Reynaldo Azevedo.
    Ao valoroso e combatente Servaz restará a inscrição numa lápide, aqui jaz um ingênuo.

  3. NOSSO MEDO
    Postado em 19/06/2016 às 12:07 pm | Permalink

    Será que vai melhorar?

    • Quando você perceber que, para produzir precisa obter a autorização de quem não produz nada;
    • Quando comprovar que o dinheiro flui para quem não negocia com bens, mas com favores;
    • Quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho;
    • E que as leis não nos protegem dos ricos, ao contrário, os ricos é que estão protegidos de nós;
    • Quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em sacrifício;
    • Então poderemos afirmar. Sem temor de errar: NOSSA SOCIEDADE ESTÁ CONDENADA.

  4. LUIZ CARLOS TOLEDO
    Postado em 20/06/2016 às 1:54 am | Permalink

    Miltinho, adorei o seu segundo comentário. Onde você encontrou essa ótima definição dos treze anos de governo petista?

  5. Willyam
    Postado em 01/08/2016 às 2:22 pm | Permalink

    Estas matérias, além do festival de lacerdismo, têm ainda alguns vícios em seus diagnósticos:

    O Vaz fala da “reinvenção da roda que desde 1917 (…) só dá com os burros n’água”. O que o Sr. Vaz não explicou é que as centro-esquerdas – de fora do Brasil – se inspiram no período a partir dos Anos 50, quando o Lacerda teutônico Hitler já estava derrotado, e não em 1917. Pois, no pós-guerra, buscaram um regime político-econômico que conjugasse estabilidade e crescimento com coisas que o Sr. Vaz não compreende – REFORMAS SOCIAIS e PREOCUPAÇÃO COM O COLETIVO.

    Com relação à frase personalista “disparate ambulante que é a sra. Dilma Rousseff”, é uma frase a ser apenas lamentada, e não compreendida.

  6. Willyam
    Postado em 01/08/2016 às 2:36 pm | Permalink

    Luiz Caslos Toledo: o comentários 2 (do Miltinho) e o 4 relatam a semelhança de essência entre os governos do PT e PM/PSDB: a mesma despreocupação com a Pátria.

    A diferença é que os hipócritas do PT são substituídos pelos engomadinhos hipócritas competentes técnicos da atual gestão.

Um Trackback

  1. Por 50 Anos de Textos » Vai melhorar (4) em 24/06/2016 às 9:57 pm

    […] Mas porém todavia contudo já começam a aparecer sinais de que, agora que o lulo-petismo já não dirige mais o país, as coisa vão melhorar. […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*