Recordações de uma final de festival

Eu sei que estava nos bastidores do Teatro Paramount (hoje Teatro Abril, na Avenida Brigadeiro Luiz Antonio, em São Paulo) e corria o ano da graça de 1967. Não me perguntem, por favor, qual era o mês (fazia frio) e muito menos o dia. Na verdade, eu tinha tenros 20 anos de idade e era repórter de uma revista chamada inTerValo, da Editora Abril, a única no país sobre televisão. Naquele momento o Brasil vivia uma ditadura brava e pesada e não existiam (que bom!) as revistas de fofocas e nem as de celebridades. Os ricos eram discretos (ostentar era, e é, brega e esse quesito era levado a sério). Depois viriam a Fatos&Fotos, da Bloch, e a Folha e o Estadão começariam a se aventurar pela cobertura de TV. Mas isto é para uma outra ocasião.

Por enquanto estou nos bastidores do III Festival da Música Popular Brasileira da TV Record, tudo o que uma menina de 20 anos gostaria de fazer na vida. Todo mundo brigando por uma entrada e eu lá, no meio dos artistas…

Não se tratavam os artistas como deuses

caetanoExistiam ali quatro camarins, se é que assim poderiam ser chamados aqueles quartinhos sem banheiro, feios e mixos. Não havia o dono de um camarim, todos se arriscavam por todos. Maquiadores, assessores? Gente, uma maquiadora só para todos, e era muito. O pessoal chegava de táxi… Um outro camarim, mais amplo, também era ocupado por todos. Garçons? Nem pensar. Quem quisesse, que levasse seu uísque e pegasse o gelo no bar vizinho. Como vocês vêem, os tempos eram bem outros. Não que houvesse economia. É que não existia a mentalidade de tratar artistas como deuses, só isso.

Lá estavam, todos juntos, Elis Regina, Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Mutantes, Edu Lobo, Nara Leão, Geraldo Vandré, Paulinho da Viola, Jair Rodrigues, o Zimbo Trio, o Tamba Trio, Caçulinha e seu regional, e muitos outros. Até Roberto Carlos e Hebe Camargo cantaram no Festival – ou, como se dizia naquele tempo, defenderam suas músicas. Quem ganhou foi “Ponteio”, de Edu Lobo e Capinan, cantada por Edu e Marília Medalha; em segundo ficou “Domingo no Parque”, de Gilberto Gil (na foto abaixo), apresentada por ele e Os Mutantes. Em terceiro, “Roda Viva”, de Chico Buarque, com ele e o MPB-4; e, em quarto,  “Alegria, Alegria”, de Caetano Veloso.

GilPosso dizer que eu convivia com todos esses artistas; eram pessoas bem mais simples, mais tranqüilas, mais accessíveis e menos assediadas então.

Eu sabia que no dia seguinte iria passear pela cidade com os vencedores para fazer as fotos da capa da revista com o José Ferreira da Silva ou o Paulo Salomão, fotógrafos contratados da revista.

Mas por enquanto ainda estou nos bastidores, onde as pessoas tomavam o uisquinho e conversavam. O festival rolava, cada um apresentava sua música e a gritaria do público era quase insuportável. Palmas e vaias em centenas de decibéis.

Do lado de dentro, todos estavam nervosos, mas fingiam calma.

Nara Leão me perguntou:

– Você sabe como é que eu chego a Paraty, daqui de São Paulo?

Eu me odiei porque não sabia e tive que mostrar minha ignorância. Naquele tempo Paraty era um lugar apenas para os intelectuais mais iniciados do país. Nara Leão era uma delas. Parece que ia para lá, quase sempre, com Ferreira Gullar, Cacá Diegues, sua irmã Danusa (ela ainda pode confirmar) e outros menos votados. Era uma turma linda.

Elis Regina estava vagando de lá para cá, bem nervosa, Edu Lobo, sempre isolado num canto.  Chico Buarque nem se fala. Era um cantinho e um copo de uísque:

– Pode fotografar – ele falou. – Não tem nenhum problema eu tomar meu uisquinho aqui.

Verdade. Não tinha mesmo. Mas não fotografamos – para quê?

Os Mutantes, que se apresentariam pela primeira vez, estavam completamente deslocados. Rita Lee me perguntou:

– Você acha que vamos ganhar?

– Imagino que sim – respondi. E aproveitei para plantar uma matéria. – Se ganharem, me avisa onde vai ser a comemoração, para eu ir com o fotógrafo?

– Aviso – disse ela.

Gilberto Gil e os Mutantes não ganharam com “Domingo no Parque”, mas foram aplaudidíssimos; a música foi um sucesso e os Mutantes se tornaram astros. Eles foram comemorar, mas Rita Lee não me contou onde. Dias depois, estivemos na casa de Sérgio e Arnaldo Dias fazendo a primeira reportagem com eles para uma revista nacional. A casa ficava numa travessa da Avenida Pompéia e tinha uma varanda com recorte redondo. Fizemos várias fotos. Outro endereço onde estive para fazer uma reportagem foi a casa de Rita Lee, na Rua Joaquim Távora, na Vila Mariana. Ali moravam o pai dela, um dentista, a mãe e duas irmãs mais velhas. Era um sobradão com uma varandinha, janelas e portas bem antigas, que não combinava com ela. Uma garota moderna. Mas tinha que ser assim: Rita seria a ovelha negra. A mais branca que se conheceu.

 Jair Rodrigues plantava bananeira

Voltando aos bastidores: num certo momento me enfiei no camarim maior, onde estavam Nara Leão, Caetano Veloso (ainda bem tímido) e Jair Rodrigues, que, inquieto, plantava bananeiras e brincava o tempo todo. O camarim era grande, mas tosco: tinha um carpete velho e meio rasgado, uma bancada de tábuas mixangas, implorando por uma lixa e um bom verniz. Na verdade não ouvíamos o que acontecia no palco.

Eu entrava e saía a toda hora para conferir tudo, não perder nem um lance. O pessoal do MPB-4, que acompanhava Chico Buarque, conversava na coxia, sobre a panela de pressão que aquilo estava virando.

– Vai dar pau – disse um deles, não me lembro qual.

– Não vai – respondeu o outro. – Festival é sempre assim.

A verdade é que os estudantes, prensados pela ditadura militar, precisavam gritar contra as músicas que consideravam “da direita” e aplaudir as “de esquerda”. Era uma válvula de escape. Mas neste terceiro festival não havia músicas escancaradamente políticas. De resto… o pessoal andava comportadinho depois de muito susto.

sergioricardoDaquele camarim maior, como eu já disse, ao lado de Nara Leão e Jair Rodrigues de cabeça para baixo, não se ouvia nada além de um zumbido forte. De repente, entrou pela porta Sérgio Ricardo, vermelho como uma cereja, furioso, gritando palavrões – “vão todos pra puta que os pariu” – o que na época era raro. Elis vinha correndo atrás e tentava abraçá-lo. Edu Lobo apareceu, apaziguador, mas assustado. Chico Buarque também entrou. Trancaram a porta e Sérgio começou a gritar: “Quebrei o violão e joguei mesmo, não estou nem aí com esse público grosso e mal educado, um bando de filhos da puta, não me deixavam cantar”.

Todos tentavam consolá-lo ao mesmo tempo, o que, afinal, não resultava em nada, tal a confusão. Nara continuou quieta no canto dela, Elis conseguiu consumar o abraço protetor, Edu falava pausadamente algo parecido com “que merda”, Chico estava mudo, mas com cara de solidário. Jair Rodrigues desvirou da bananeira e ficou olhando tudo, assustadíssimo. Nunca tinha visto algo assim de perto. Nem de longe. Sérgio Ricardo estava roxo, com lágrimas nos olhos, mais de raiva do que de tristeza. Os organizadores começaram a bater na porta e Jair Rodrigues saiu. Naquele momento, alguém me viu ali.

– Tem uma repórter aqui dentro. Põe ela pra fora.

Eu saí, mas já tinha gravadas na mente as primeiras reações de todos, que, na sua maioria, reclamavam das vaias da criançada da platéia.

 “Foderam a música”, diz Elis para Dori e Nelsinho

Depois que tudo se acalmou, chegou o momento crucial dos resultados. A primeira categoria a ser chamada foi a de melhor intérprete.

Não poderia nunca ser outra senão Elis Regina, com “O Cantador”, de Dori Caymmi e Nelson Motta. Ela ouviu a indicação e, antes de entrar no palco para repetir a canção, deu um beijo no Nelson Mota, outro no Dori Caymmi, os autores da canção, e disse:

– Foderam a música; se eu levei intérprete, a música não vai levar mais nada.

Entrou no palco e cantou, como sempre, como ninguém. Uma deusa, uma criança, uma menina, Elis Regina.

Roberto Carlos foi vaiado intensamente quando cantou a quinta colocada, “Maria, Carnaval e Cinzas”, de Luís Carlos Paraná. Coisas daquela época em que tudo era radical, “de direita” ou “de esquerda”; para a platéia, “de esquerda”, Roberto Carlos era jovem guarda, alienado, “de direita”. Ele foi vaiado, mas manteve a verve.

Durante o ensaio

Cerca de seis horas antes, naquela mesma tarde, eu estava no ensaio dos cantores no mesmo Teatro Paramount. Conversava com um e com outro, passei por Elis Regina:

– Me conta uma novidade.

Ela deu uma daquelas gargalhadas gostosas e, ao lado de Nelson Motta, brincou:

– Nelsinho é veado! – e caiu na gargalhada de novo. Todos riram. Mas parecia mesmo que eles estavam era namorandinho… não sei.

eduPassei em seguida pela Marilia Medalha, sempre ao lado do Edu Lobo (foto):

– Você acredita que vai ganhar hoje?

– Vamos ganhar, sim, a música do Edu é a melhor! – respondeu ela, confiante, sorriso no rosto, sempre simpática, uma voz densa e marcante.

Gil ensaiava com os Mutantes e alguns puristas reclamavam:  – Guitarras, para quê?

Era o início da tropicália, alguém duvida? Mas naquela época era mais uma boa briga comprada pelos baianos do que qualquer outra coisa.

Ouvi o Chico ensaiando “Roda Viva” com o MPB-4 e sempre fugindo dos repórteres, o Caetano cantando “Alegria, Alegria”, com os Beat Boys, um conjunto de rock argentino. Ousado. Magro, seco, sentava sobre as duas pernas e ainda sobrava espaço. Com roupas coloridas. A música de Caetano cantava “o sol nas bancas de revistas”. Alguém me assoprou:

– A namorada dele, Dedé, trabalha em Salvador num jornal chamado O Sol.

Não acreditei, mas registrei o nome da namorada, Edelzuite, baiana de boa cepa. Depois eu saberia que Edelzuite era uma corruptela de Ethel Sweet, uma artista americana que havia feito sucesso três décadas antes… A mãe de Dedé era fã dela.

Durante aquele ensaio histórico, Nana Caymmi reclamava que dormia num colchão, precisava “comprar uma cama urgente, porque já estava com dores no corpo”. Ela, tão jovem, estava casada com Gilberto Gil naquela época, e ele não queria a cama.

Naquele ensaio histórico, que vi inteiro ao vivo, tirava uma notícia aqui, outra ali, quando o Sérgio Ricardo foi passar a música que cantaria à noite, “Beto Bom de Bola”. Depois, sentado ali, o cantor, compositor, cineasta famoso me perguntou:

– Gostou?

É claro que ele não vai se lembrar, mas, na resposta, cometi uma das maiores gafes da minha vida:

– Gostei, mas preferia sem aquela parte falada.

Ele ficou furioso:

– Não tem parte falada! É tudo cantado!

Eu me desculpei e saí de fininho. Imagino, afinal, que as vaias aconteciam por causa disso: o cara cantava meio que falando e naquela época não existia rap, gente!

No dia seguinte, depois que passou o Festival, na redação da revista, já cantávamos, usando a melodia de “Ponteio”: “Quem me dera agora eu tivesse a viola pra quebrar/ Bronqueio!” E, embora não existisse internet, esse refrão se espalhou e foi cantado por todos os experts da platéia dos festivais durante um bom tempo!

Bem, voltando ao camarim. Pronto, fui expulsa. Mas já havia visto o suficiente. Escrevi tudinho, que saiu na edição seguinte da revista inTerValo. Eu daria um bom dinheiro por aquele exemplar da revista, hoje. Não tenho mais nenhuma edição daquela raridade. Uma pena. Tenho apenas minha memória. E essa pude dividir com vocês.

Laïs de Castro é jornalista. Trabalhou 18 anos no Grupo Abril, onde foi desde repórter da revista Cláudia até diretora da Boa Forma. Trabalhou 12 anos na editora Símbolo, onde foi diretora de redação da revista Barbara. Lançou, pela Siciliano, selo ARX, o livro Um Velho Almirante e Outros Contos.

A historinha por trás do texto

As coisas na internet se multiplicam, ganham uma dinâmica própria. Laïs já poderia – na verdade, já deveria – ter contado essas histórias deliciosas sobre os bastidores da final do festival da Record de 1967 faz muito tempo. Mas acabou só escrevendo esse delicioso texto porque este site aqui existe. Coisa de louco.

Um dos primeiros textos que botei no ar no site foi um que fiz a pedido da Laïs, para a revista Barbara, “As músicas que embalaram nossas paixões”. Aí mandei um e-mail contando para ela que tinha acabado de criar um site, e que ela estava citada lá. De bate-pronto ela se ofereceu para escrever para este 50 Anos de Textos; disse que tinha histórias saborosas sobre o festival. E aí estão elas.

Está prometendo fazer um texto por mês. Tomara que cumpra a promessa.

24 Comentários para “Recordações de uma final de festival”

  1. Ô, Laís, eu também estava lá, mas não a trabalho. Cabelão abaixo dos ombros, 25 kg a menos e um ar de novelle vague. Como nossos pais (diriam!!) “Bons tempos, hein?”.
    Mas, sem saudades. Beijos

  2. Laisinha,
    nessa época eu era apenas um garoto bobo de 13 anos. Hoje sou um senhor de 55.
    O bom de envelhecer é poder compartilhar vida e lembranças com pessoas generosas como você.
    Estou maduro ( para não dizer velho), continuo bobo mas muito mais feliz.
    Super beijo

  3. tenho tanto orgulho de você e uma inveja gostosa, adoro a maneira como escreve, sua criatividade, e retrata um tempo que sinto muita, mas muita saudades mesmo.

  4. Lalá,
    Deliciosas memórias. Acompanhei os festivais pela TV, com gente e música muito diferente e muito impactante. Na época eu curtia a Jovem Guarda, Roberto Carlos e alienação rsrsrsrs. Depois fui migrando…e acabei nas cantorias que aconteciam em alguns bares de sp, onde universitários cantavam as músicas dos festivais até de madrugada, até ficar sem voz. Boa época.
    bjs

  5. Eu não estava lá, mas revivi toda a história com você!
    Beijos
    Laís

  6. Laisinha,
    Quanto orgulho de você, que saudades dos velhos tempos. Você me fez me senti mais jovem. Beijo Carinhoso

  7. Lais querida, que delicia estava nos meus 14 anos e parece que foi ontem, que viagem ao passado maravilhosa, te gosto muito, super beijo

  8. Lais,
    Que delícia!!!! Que emoção…. Não sei se vc sabe mas sou a maior chorona do mundo. Imagine como fiquei depois de ler suas “memórias” .
    Puxa vida, devo ter lido inúmeras matérias suas sem saber. Pq não havia gente que não lesse InTerValo na época.
    Por tudo o que li e não sabia e por este que li sabendo…. OBRIGADA pelo prazer. Obrigada pelas recordações.
    Beijos,
    Vi

  9. adorei Lalá…..senti uma imensa saudade daquela época…sorte sua que pode desfrutar tão de perto….sensacional

  10. Lalá querida…..senti um imensa saudade de uma época maravilhosa….que privilégio o seu de vivenciar tudo isso…..parabéns amiga, vc tem o talento da escrita….é como se estivéssemos juntos….sensacional….

  11. Muito bom mesmo; o que vc viu ao vivo eu vi na tv preto e branco e com muita emoção torciamos pelos novos cantores que queriam fazer sucesso .Adorei o jeito gostoso que vc nos contou , deve ter sido fantastico ter participado tão de perto. Gostaria de ler mais seus escritos
    Beijão
    Gustavo Farnezi

  12. Pô, Lalá,

    há quanto tempo não te vejo, e há quanto tempo aconteceu tudo isso!
    Tempos e fatos movidos a emoção. Eu ainda morava em BH. Viria pra S. Paulo no ano seguinte, 68.
    Pois é, reencontrei o Sérgio estes dias, e acabei aqui, nesses deliciosos “50 anos de textos”. Tão deliciosos que te redescobri.
    Adorei te ler, de verdade. Tomara que tenha mais!

    Beijo carinhoso da

    Vininha.

  13. Que maravilha Laís!
    É uma pena que tudo mudou muitíssimo. Hoje nem mesmo os amigos quase não se reunem mais.
    Bjs
    Sonia

  14. LALÁ querida
    imagine eu lendo isto aqui em Helsinque, meio perto do pólo norte, transmitido por você, maravilhosamente, você, memória de tempos vividos, já na época, através de você, saudades! Felicíssima por você transmitir para o Brasil de hoje
    um tempo mágico da música brasileira-
    Bjs Dorô

  15. Querida! que delícia esse texto… Como vc, confesso que vivi! não os bastidores desse festival, mas esse tempo em que trabalhávamos para VC e sequer sabíamos que fazíamos História (a essa época, estava na redação vizinha, da 4 Rodas, onde fui a primeira mulher a escrever numa revista que só falava de carros, mecânica (Deus dê paz ao Expedito Marazzi!) e pilotos de corrida…). Como disse o Avelino, bons tempos aqueles. Só que, ao contrário dele, tenho saudades: ao menos naquela época a gente não precisava de internet pra fazer declaração de amor: te amo, amiguinha mais que querida e hoje distante.
    Marilda

  16. Nasci em ’77, ou seja, tudo que sei sobre esse período experimento através das canções e relatos daqui e dali que costuro de pouco em pouco. Esse texto é delicioso, estou muito emocionado ao lê-lo e feliz por tê-lo encontrado. Muito obrigado!

  17. Lais,
    quanta emoção. Que passado invejável!
    Conheço parte desta história, mesmo estando longe, longe da Capital e ainda de calças curtas….rs Te encontrando, quero saber mais.
    O texto é demais.
    Beijos,

    Oldack

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *