Tô de Férias, Pô!

Confesso que vim para a praia porque tinha prometido à minha neta que, se um dia parasse de chover, eu a levaria até ela – eu já tinha dúvidas de que isso aconteceria, tanta água que caiu desse céu de meodeos. (Como cabe tudo lá em cima?) E assim vim. Com muito medo, mas vim.

A Ômicron não é bem-vinda para mim como é para alguns imbecis que acham que essa será a última onda. Não será! E se as pessoas insistirem em não tomar vacinas vamos recitar todo o alfabeto grego em variantes e ainda vamos ter de apelar para outros.

Mas promessa é dívida. E para pagar tomei algumas medidas de precaução. Só que, ainda assim, vim pra cá cheia de temores.

Me abasteci em casa pra não ter de fazer supermercado e ficar esbarrando em gente sem máscara escolhendo a melhor cerveja pra acompanhar o churrasco para umas “poucas” 30 pessoas.

Dá pra sentir que não estão nem aí com o vírus quando se vê esse povo todo andando pelas calçadas, sem máscaras, claro, conversando animadamente, como se não houvesse amanhã (pra muitos não haverá mesmo), espargindo perdigotos contaminados em todo mundo.

Diante do exposto, estabeleci uma regra aqui para minha grande família – eu, minha filha e minha neta: A gente não vai aglomerar em hipótese alguma. Se tiver uma brecha vamos até o mar, tomamos um banho tipo batismo no Rio Jordão e voltamos pro apartamento.

Como prisioneiros, vó?, pergunta a Analu. Respondo que estamos numa espécie de prisão com liberdade vigiada, e para mostrar como funciona, as convidei para uma caminhada à oito da noite.

Delícia! Praia limpíssima, por incrível que pareça, depois de um dia de sol (ufa! Um dia de sol!) e de muita gente querendo desmofar na areia. Não condeno a atitude. É esperada após tanto tempo confinados pela Covid e depois pela chuvarada incessante, mas que isso é dar chance pro azar, lá isso é!

Voltando agora à caminhada. Me entusiasmei quando vi uma praia inteira pra mim (egoísta eu?), e desembestei por uns 800 metros até sentir que o gás não daria para voltar se eu continuasse queimando o combustível nesse ritmo, embora achasse que estava em plena forma física. Peguei o caminho da roça até o apartamento com a sensação de estar com a missão cumprida e pronta pra encarar um hambúrguer já que gastei “um monte” (na minha cabeça) de calorias.

Já de volta e bem cansada, me atirei no sofá da varanda e questionei: o que me rendeu essa caminhada?

Pensei, repensei e cheguei a duas tristes constatações:

Primeira: Minha “ótima” forma física me avisou logo que sentiria dores nos joelhos. nas costas, nos calcanhares e onde mais pudesse doer.

Segunda: Pra encarar um hambúrguer sem culpa, no estado de fodasse o regime em que me encontro já há algum tempo, teria de caminhar do Guarujá até Bertioga – uns 50 quilômetros, mais ou menos.

Decepcionada por perceber que o que eu estava fazendo era nada, desanimei.

E aí fiz o quê? Comi um belo lanche de chiabatta com peito de peru, cheddar, mussarela (odeio escrever muçarela com cê cedilha), ovo frito com casquinha de parmesão, e umas folhas de alface pra disfarçar, abri um relaxante muscular com borbulhas, bem geladinho, e dei uma banana pra essa vida saudável.

Afinal, tô de férias, pô!

Esta crônica foi originalmente publicada em O Boletim, em 15/1/2022. 

Foto Vera Vaia

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.