Troca de Carinhos!

Na corrida para alcançar o pódio, seja lá como for, os políticos não se intimidam diante dos obstáculos e nem mesmo diante de xingamentos, desde que seus lugares ao sol estejam garantidos.

Na ânsia de achar um partido que tenha um belo saldo de fundo partidário pra gastar à vontade, Jair Bolsonaro foi procurar o dono do PL (Partido Liberal), Valdemar da Costa Neto.

Desse encontro surgiu o que se pode chamar de amor à primeira vista por parte de Jair. Ele nem se importou de ficar mal falado porque estaria querendo iniciar namoro com um ex-preso por corrupção no caso do mensalão. Afinal, quem nunca, né? Coisas do passado.

Apesar de propor o casamento, Jair se esqueceu dos seus próprios conceitos machistas de achar que lugar de mulher é na cozinha, e começou já durante o noivado a impor suas condições: Me caso com você, juro que serei uma boa esposa, prometo que aceitarei de bom grado um bom dia especial da sua parte, mas tem umas coisas que não vou topar não! Não vou deixar que você lance olhares lânguidos sobre o candidato apoiado pelo calça apertada de São Paulo. Lá eu quero colocar meu filho fritador de hambúrguer, talquei? Também não quero que você sequer cogite em apoiar meus atuais adversários.

O noivo, que já era bastante educado, mas deve ter aprimorado seu vocabulário nos três anos em que passou na CPP – Centro de Progressão Penitenciária -, perdeu as estribeiras diante das exigências da futura consorte e mandou um recadinho pouco singelo para quem está prestes a se casar: VTNC você e seus filhos.

Um pouco abalada mas sem desistir da ideia da união, a noiva partiu para as arábias para viver o sonho das mil e uma noites. Se hospedou em hotel 5 estrelas, levou filhos, a atual esposa, o aspone Magno Malta (deve ter ido como Personal Pastor) e até o desembargador responsável pelo caso das rachadinhas do filhote Flávio.

Lá participou de alguns eventos importantes como a assinatura de um acordo de cooperação que envolve políticas públicas culturais entre os países. Quem assinava o acordo num salão pomposo era o secretário da Cultura Regino Duarte, digo Mário Frias, também ex-ator Global. Jair, Flávio e Michelle na plateia comentavam sobre a trajetória de quem passou pela Malhação e pela revista Capricho, quando o Bolsonaro não se conteve de tanto orgulho e comentou com uma autoridade do Bahrein presente: Mas ele é hétero, hein! E em seguida gargalha.

Talvez Bolsonaro tenha achado que o interlocutor pudesse ter visto as fotos antigas do rapaz estampadas em revista masculina, arrebitando a bundinha, e precisasse se justificar.

Enquanto isso, aqui no Brasil, outro namoro começou a rolar. Um inusitado caso de amor começou a criar corpo entre Geraldo Alckmin e Lula, para meu mais absoluto espanto.

Não consigo imaginar um casamento entre um santo e o Diabo. Eu, pelo menos, sempre enxerguei o Doutor Geraldo com aquela auréola de santo na cabeça. Homem educado, de boa família, que fez um governo limpo em São Paulo, não combina com um corrupto, esse sim capaz de roubar merenda de criancinhas, que quase afundou o país (sua sucessora deu sequência a esse “trabalho” e logo depois chegou Bolsonaro pra jogar a pá de cal em cima).

Com todos esse possíveis casamentos, torço para que os namoros não sigam em frente. Se continuarem e assumirem a paternidade do povo, aí sim o mundo vai poder generalizar e nos chamar a todos de filhos das putas!

Esta crônica foi originalmente publicada em O Boletim, em 19/11/2021. 

 

 

 

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.