O Brasil de Bolsonaro, não!

Estava pronto para começar a escrever um suelto sobre a garotinha Rayssa Leal e uma canção dos Secos & Molhados, e fui dizer isso para a Mary na sala no momento em que ela via a cerimônia do pódio em que a bandeira brasileira subia em Tóquio, junto com duas bandeiras da Grã-Bretanha, a Union Jack, pela prata de Fernando Scheffer.

Menos de 24 horas antes, havíamos visto subir a bandeira brasileira em Tóquio, junto com duas bandeiras do Japão, pela prata de Rayssa.

Como suelto é suelto, resolvi então deixar para depois Rayssa e a canção do Secos & Molhados e começar com a emoção de ver mais uma vez agora a bandeira brasileira sendo elevada do outro lado da bola azul que muitos bolsonaristas acreditam ser uma tábua plana.

Me deu vontade de, mais uma vez, como fiz poucos dias atrás, parodiar Manuel Bandeira.

Algo assim:

Brasil no coração

No coração de Bandeira,

No vosso e em meu coração…

Brasil da alegria,

Não o Brasil da opressão.

Brasil da esperança:

O Brasil de Bolsonaro, não!

Velho Brasil de Castro Alves,

Do Machado, do grande Drummond!

Brasil de honra e verdade,

Não o Brasil da negação!

Brasil de Tancredo,

Não o do vil Centrão!

(…)

Brasil da alegria:

O Brasil de Bolsonaro, não!

Brasil republicano,

Noivo da esperança!

Brasil atual de Rayssa,

De Zuzu, de Vlado

Assassinado no quartel!

Brasil no coração

De Manuel Bandeira, Brasil

No vosso e em meu coração!

Repito aqui:

“No vosso e em meu coração”, o maravilhoso poema de Manuel Bandeira, foi publicado em seu livro Belo Belo,  de 1948. Eis a íntegra:

No vosso e em meu coração

Espanha no coração:

No coração de Neruda,

No vosso e em meu coração.

Espanha da liberdade,

Não a Espanha da opressão.

Espanha republicana:

A Espanha de Franco, não!

Velha Espanha de Pelaio,

Do Cid, do Grã-Capitão!

Espanha de honra e verdade,

Não a Espanha da traição!

Espanha de Dom Rodrigo,

Não a do Conde Julião!

Espanha republicana:

A Espanha de Franco, não!

Espanha dos grandes místicos,

Dos santos poetas, de João

Da Cruz, de Teresa de Ávila

E de Frei Luís de Leão!

Espanha da livre crença,

Jamais a da Inquisição!

Espanha de Lope e Góngora,

De Góia e Cervantes, não

A de Felipe II

Nem Fernando, o balandrão!

Espanha que se batia

Contra o corso Napoleão!

Espanha da liberdade:

A Espanha de Franco, não!

Espanha republicana,

Noiva da Revolução!

Espanha atual de Picasso,

De Casals, de Lorca, irmão

assassinado em Granada!

Espanha no coração

De Pablo Neruda, Espanha

No vosso e em meu coração!

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.