Bruno luta

Se os políticos se dividem em duas grandes categorias, os que vivem da política e os que vivem para a política, Mario Covas sempre esteve nesta segunda turma. Em sua trajetória – deputado federal, prefeito de São Paulo, senador e governador do Estado – encontram-se as virtudes exigidas de quem faz política por vocação.

Nela vê-se a conduta firme e inegociável em torno de princípios, ideais e utopias; o senso de responsabilidade como guia de ação e a capacidade de distanciar-se dos problemas para analisá-los com sobriedade.

Usando a teoria de Max Weber, Covas foi um raro caso em que sempre andaram juntas a ética da convicção, que coloca em primeiro plano crenças e objetivos irrenunciáveis, e a ética da responsabilidade.

Poucos homens públicos do Brasil enfrentaram uma doença com tanta tenacidade, temperança e resiliência como Bruno Covas, prefeito de São Paulo, neto e principal herdeiro político de Mario Covas. Exemplo de transparência em uma questão tão sensível, a cada momento nos surpreende. E a cada momento alcança vitórias, que, por menores que sejam, devem ser comemoradas por todos nós. Quando se pensa que tudo está perdido, Bruno consegue ressurgir com bravura e exemplo, dando passos importantes em sua jornada para sair da armadilha para a qual o mal quer lhe arrastar.

Desde que foi constatado o câncer que o atinge, Bruno foi extremamente responsável com a cidade da qual é prefeito e com a própria saúde. Jamais escondeu dos paulistanos a gravidade de sua doença, informando-os sobre cada detalhe do tratamento a que foi submetido. Quando sentiu que poderia prejudicar São Paulo e a própria saúde, se licenciou do cargo na tentativa de readquirir condições para o desempenho do cargo. Praticou a ética da convicção com a ética da responsabilidade, conforme lhe ensinaram.

De onde vem tanta força? Talvez das suas origens, que nos remete ao saudoso Mário Covas. Talvez de sua mãe, Renata, do seu pai, Pedro Lopes, ou do irmão Gustavo. Muito possivelmente vem do grande amor pelo seu filho Tomás. E, quem sabe, do carinho dos companheiros e correligionários. Mas certamente também porque há uma corrente de milhões de brasileiros torcendo e rezando diuturnamente por Bruno.

Por tudo isso a ninguém é dado o direito de perder as esperanças. Enquanto há vida, há luta.

E Bruno luta.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 5/5/2021. 

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.