Anunciaram e garantiram que os tucanos iam se dividir

Como na música de Assis Valente, o mundo não se acabou após a realização do primeiro debate dos presidenciáveis inscritos nas prévias do PSDB, promovido pelo jornais O Globo e Valor Econômico. Quem esperava caneladas entre os tucanos Arthur Virgílio, João Doria e Eduardo Leite se surpreendeu com o clima civilizado.

No debate as convergências foram bem maiores do que as raras e esparsas estocadas. Nas poucas questões em que os participantes divergiram, mostraram um salutar embate de ideias e visões de mundo.

Havia o temor de que as prévias acentuassem a eterna compulsão dos tucanos a se dividirem. Ainda mais porque, ao contrário dos Estados Unidos, não há no Brasil a tradição dos partidos de escolher seus candidatos a presidente por meio de primárias partidárias. Lá os pré-candidatos se chocam nas disputas internas, tanto dos democratas como dos republicanos, mas no final os partidos saem unidos em torno do vencedor e a democracia interna fortalecida. Um bom exemplo é o que aconteceu na eleição mais recente: Kamala Harris pegou pesado contra Joe Biden nas prévias do Partido Democrata, mas no final foi a companheira de chapa do atual presidente dos Estados Unidos.

No Brasil o risco é, em vez de soldar a unidade partidária, o conflito desaguar no terreno do imponderável. O PSDB decidiu correr esse risco, numa postura ousada e corajosa. O único precedente no país foi a disputa entre Lula e Eduardo Suplicy para definir o presidenciável do PT na eleição de 1998. Mas foi um arremedo de prévia, apenas um jogo para a plateia.

Reconheça-se, é muito mais saudável a escolha de um candidato a presidente por meio do debate e da disputa interna do que por falsas unanimidades ou pela vontade imperial dos caciques políticos.

Embora ainda seja cedo para um juízo definitivo – ainda serão realizados mais dois debates e vai correr um mês até a realização da prévia marcada para 21 de novembro -, os tucanos têm motivo para estarem otimistas quanto à possibilidade de saírem fortalecidos após a disputa interna. Não que não tenha havido críticas indiretas entre os três postulantes, mas elas foram pontuais.

Também seria demais esperar que o debate acontecesse de forma angelical. Os três candidatos são de carne e osso e estão numa disputa política. Mas, perto do que é comum nas primárias americanas, o debate dos tucanos foi civilizadíssimo.

O clima de fim de mundo não aconteceu por uma questão básica, conforme ficou claro nos pronunciamentos de Doria, Leite e Virgílio. Os três têm a mesma fé na democracia e o mesmo receituário para promover a retomada do crescimento e o enfrentamento das mazelas sociais.

Entendem que é impossível enfrentar a questão da desigualdade sem o saneamento do Estado, daí a unanimidade em torno da responsabilidade fiscal, das reformas estruturantes e das privatizações como pré-condição para a retomada da capacidade de investimentos do Estado, sobretudo na área social.

A rigor, essa é a cultura do PSDB, advinda do governo Fernando Henrique Cardoso, quando os tucanos reorganizaram o Estado, sanearam o sistema bancário, venceram a inflação com o Plano Real e lançaram os pilares da política econômica baseada no tripé responsabilidade fiscal, meta inflacionária e câmbio flutuante. Estranhamente, abriram mão destes princípios nas disputas presidenciais seguintes, não sabendo defender o seu legado.

O que se viu no debate foi uma espécie de volta às origens. Não gratuitamente, Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas e Franco Montoro foram citados várias vezes.  A reafirmação dos fundamentos de uma política econômica vitoriosa e da necessidade de proteger a moeda brasileira se torna mais importante no momento em que a inflação volta a corroer o poder aquisitivo da população, sobretudo dos mais pobres, e a fome atormenta a vida dos mais vulneráveis.

Sem trocadilho, no real a disputa é mesmo entre João Doria e Eduardo Leite, embora Arthur Virgílio seja um quadro que remete o PSDB aos seus melhores dias, quando o então senador foi líder do governo FHC no Congresso Nacional.

Os governadores de São Paulo e do Rio Grande do Sul também têm história e realizam governos vitoriosos. Os dois têm legitimidade e condições de liderar o PSDB na disputa presidencial do próximo ano e de serem artífices da construção de uma terceira via.

Ainda há um longo caminho a ser percorrido, mas os tucanos têm motivos respirar aliviados. Ao contrário das previsões catastrofistas, as prévias não estão sendo um fator de divisão.

Mais tarde isso pode ser um exemplo de coesão para toda a sociedade brasileira.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 20/10/2021. 

Foto Guito Moreto/O Globo.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.