Ah, a fascinação por desistir…

– “Nunca mais colocarei meus pés em um tribunal novamente.”

A frase é dita quando Sacco & Vanzetti, o grande filme de Giuliano Montaldo de 1971, está se aproximando do fim, e o advogado dos dois imigrantes italianos injustissimamente acusados de um crime que não cometeram estão para ser condenados.

O juiz é absolutamente parcial, o tempo todo. Não tem vergonha alguma de demonstrar sua parcialidade, ao longo de todo o julgamento, que  boa parte do mundo acompanhava com grande atenção.

Não há prova, não há evidência contra os réus – mas eles são confessadamente anarquistas, e os poderes do Estado estão voltados para destruir o movimento anarquista que se espalhava entre os trabalhadores naqueles anos 20 no Estados Unidos – e condenar Sacco e Vanzetti era uma medida exemplar.

E então, num momento de clímax do filme, o advogado Fred Moore aproxima-se da barra do tribunal, aquela pequena cerca que separa as partes do tablado do juiz –em Inglês, bar, de onde vem a palava barrister, que no Inglês britânico designa os advogados que podem atuar nos tribunais.

Aproxima-se da barra, olha nos olhos do juiz corrupto e diretamente para a câmara que o focaliza, e diz a frase:

– “Nunca mais colocarei meus pés em um tribunal deste país novamente.”

Vi Sacco & Vanzetti em 1973, é verdade que numa ocasião e circunstância um tanto especiais, mas o fato é que me lembro da cena como se tivesse visto o filme ontem, e não 48 anos atrás.

– “I will never set foot on a court again” – dizia o ator Milo O’Shea, que fez com brilho o papel do advogado dos dois anarquistas italianos que seriam condenados à morte naquele julgamento – e os pés dele calçavam sandálias de couro, sandálias tipo de pescador, não muito diferentes, provavelmente, daquelas usadas por Pedro, aquele de quem Jesus Cristo disse que “tu és pedra, e sobre essa pedra edificarei minha Igreja”.

As pessoas que lutam loucamente por dignidade, respeito, justiça se parecem com Pedro – e aquele advogado Fred Moore ao longo de todo o julgamento – na versão de Giuliano Montaldo – usava sandálias como as do pescador.

Ando pensando demais em Fred Moore e suas palavras porque tenho sido tomado por uma imensa vontade de proclamar que, se Arthur Lira for eleito presidente da Câmara dos Deputados, eu nunca mais vou escrever uma linha sobre política.

***

Dou permissão a mim mesmo para contar aqui as circunstâncias um tanto especiais em que vi Sacco & Vanzetti – mas tentarei ser conciso, algo que não chega a ser propriamente uma característica minha.

Vimos Sacco & Vanzetti, meu amigo Guiminha e eu, em um cinema do centro de Santiago do Chile, no início de março de 1973 – justamente na época de eleições parlamentares, as últimas eleições democráticas no Chile antes do golpe brutal, sanguinário, que viria em setembro daquele mesmo ano.

Não havíamos propriamente planejado estar ali naquela ocasião histórica. Rolou, simplesmente.

Foi uma viagem extraordinária: fizemos São Paulo-Rio Grande com não me lembro quantas paradas, para estar lá no casamento do Fruet, Luiz Henrique Fruet, no Fusca do Guiminha – Esdra Guimarães do Carmo, maravilhosa pessoa. Com o detalhe de que só ele dirigia, o tempo todo, porque o incompetente aqui jamais teve uma CNH.

De Rio Grande fomos para Punta del Este, depois Montevidéu, depois Buenos Aires – para, depois de alguns dias maravilhosos naquela cidade maravilhosa, fazermos umas contas e chegarmos à conclusão de que daria pra ir a Santiago e voltar – deixando o Fusquinha estacionado lá.

Os dias que passei em Santiago, nos últimos meses do governo Allende, foram uma experiência impressionante, marcante.

Estivemos presentes no último grande comício da Unidad Popular – aquele momento histórico.

E foi minha a sugestão de vermos Sacco & Vanzetti. Um filme importante, com toda certeza – e legendado, o que facilita a vida. Ouvir inglês e ler legendas em espanhol é muito mais fácil, é óbvio, do que ouvir espanhol sem legendas… E então fomos lá, numa sessão das 8 da noite, lotada.

Havia cinejornais, antes do filme, como no Brasil.

Cada vez que surgia, no cinejornal, alguma autoridade do governo, havia aplausos da maioria e vaias da minoria. Claro, era um filme esquerdista – a maior parte da platéia era formada por apoiadores do governo Allende.

***

Começado o filme, a platéia continuava a se manifestar. Nas frases fortes, eloquentes, havia aplausos – como nas sessões do Cine Art Palácio em Belo Horizonte em 1964 durante a exibição de Os Companheiros, de Mario Monicelli, mas esta, definitivamente, é outra história.

Claro que hoje, 48 anos depois, não me lembro – mas com toda certeza a frase forte, pesada, do advogado Fred Moore, seu protesto final contra a parcialidade absurda do juiz que condenava sem provas Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti à morte, foi aplaudidíssima.

– “I will never set foot on a court again”.

***

É claro, é óbvio, é absolutamente compreensível que haja momentos em que a gente inveja este gesto final.

Ah, pronto, chega, não dá mais. É tudo uma imensa podridão mesmo. Não vou mais me preocupar com nada.

Nunca mais vou escrever um único texto sobre política. Um único post. Um único tuíte. Não adianta. Tá tudo dominado mesmo. Eles venceram. Ferrou. Não adianta.

***

Estava contando aquela história distante lá da viagem a Santiago em março de 1973 quando o DEM decidiu abandonar de vez a candidatura de Baleia Rossi. Entregar-se de vez, arreganhadão, ao projeto de venezuelização.

Vamos lá. Vamos continuar na luta. Vamos continuar – mesmo que seja para dar murro em ponta de faca.

Dar murro em ponta de faca é bom.

Falar a frase bonita no filme é uma coisa. Render-se na vida real é outra.

Bora lá dar murro em ponta de faca.

Malditos sejam todos os deputados do DEM que por aclamação decidiram votar no candidato do genocida.

Que morram com a boca cheia de formiga todos os sem-caráter, sem espinha dorsal, que estão entregando o Legislativo ao candidato a ditador.

Que morram com a boca cheia de formiga esses pustemas que estão tentando provar para o povo que não é bom ter um Parlamento.

#impeachmentBolsonaro.

31/1/2021

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.