Tão perto, tão longe

Hoje elas vieram me ver. Primeiro comecei a ouvir baixinho um “vovóooooooooooooo…….. vovóoooooooooooooo”.

Três andares abaixo, três cabecinhas coladas na tela de proteção gritavam meu nome. De batom. Cada uma de cor diferente. Estão crescendo longe do meu toque. Pertinho da vista, é o que importa.

“Venham pegar balinhas”- balinhas que vovó providencialmente compra no Sam’s. De beijos, de minhocas e de dentadura, as favoritas.

São seis netinhos, doze mãozinhas que sinto no meu rosto, me afagando , me lambuzando de amor. Mas não hoje. Há 100 dias ou sei lá quantos, foi decretada esta separação de toques. Hoje só elas vieram. E seguimos resistindo.

No caso das meninas – uma de 7 anos, uma 4, outra de 3 – é diferente. Os outros avós, de outro time político, outra maneira de encarar a pandemia, continuam a frequentar a casa delas como se não houvesse o vírus. “Já pegaram”, me disse minha nora, “não tem mais perigo!” Difícil explicar para as meninas por que estes avós aqui, que moram no mesmo prédio, mantém isolamento e usam máscaras quando as vêem.

Hoje contei a história da princesa Etelvina que trouxe amêndoas confeitadas especialmente para elas. Coloquei num potinho de vidro. “Posso morder?”, pergunta Isabella. “Pode, meu amor.”

Elas não entravam aqui há 100 dias. Hoje chamei para verem a minha horta, do Santo Broto, num caixote de madeira. Provaram os cheiros do alecrim, do manjericão, do orégano… Do amor da vovó que tá guardado no peito, explodindo para sair, abraçar e beijar estas cabecinhas, estas mãozinhas….. Calma! Paciência! Segurança!

Querem saber da Fly, minha planta sem raiz, que vive sem terra. Antes do vírus, elas vinham dar banho na Fly todo sábado. Meia hora mergulhada num copo de água. Olha ela aí, verde, grande. Sim, vovó dá banho nela sozinha, todo sábado….

E está na hora de irem. Saem pela porta sem beijo, sem abraço, com as mãozinhas carregadas de beijos, dentaduras e chocolates. “Pra comer depois do almoço, vovó”, diz a mais velha. Tiro a máscara e uma lágrima escorre!

26/7/2020

Nota do administrador: Quando minha amiga Olga Vasone me contou, depois de ler uma de minhas Agendas do Vô, que tem seis netos, e, claro, só tem convivido com eles em conversas via computador, naturalmente pedi que ela fizesse um relato para o 50 Anos de Textos. Hoje ela me mandou. 

8 Comentários para “Tão perto, tão longe”

  1. Ki lindeza de texto amiga, Ki delicadeza! Senti aqui o vovóooooo, as mãozinhas vazias e depois carregadas de balinhas… um carinho só
    P.S.: Parabéns Sérgio Vaz pela iniciativa de compilar relíquias de avós. Estou cá a caminho. Em julho nasce o Joaquim❤️

  2. Esses netinhos transformaram a vida da Olga em paraíso . Agora, o paraíso afastado , as balinhas são os afagos traduzidos no texto delicado e certeiro .

  3. Olga, parabéns pelo lindo texto! Estou aqui derretida com a relação linda que você tem com os netinhos. Quero ser uma avó como você!

  4. Caríssima Olga, que bom encontrar você e seus netos aqui no cantinho do Servaz. O que nos conta são situações enternecedoras, que eu também estou vivendo, com os meus quatro netos, duas meninas e dois meninos, embora bem mais crescidos (o mais novo tem 14 anos). Vamos aguentar firmes, derramando nossas furtivas lágrimas, com esperança de que o drama esteja perto do fim. Gostei muito de revê-la, mesmo por este meio. Diga aos seus netos e netas, que o “tio” Valdir manda beijinhos. E forte abraço para você.

  5. Que texto mais emocionante! Lindo!
    Olga Vasone, receba as beijocas que envio para seus seis netinhos e para você.
    Maria Helena

  6. Olga, ouça a voz que sai do meu coração desde sua primeira frase. Escutou, né? Não existem palavras para dize-las. Mas meus olhos estão “rasos de água”. E sou solidário com sua decisão, que é também a minha: fiquemos em casa, inclusive para a preservação não aoenas da nossa saúde, mas a de pessoas que nem conhecemos. Essa estória de quem foi infectado, se curou e não infecta mais o próximo não tem o apoio geral e irretristo da área científica. Temho quatro netinhas e as vejo no whatsapp. Vc tem como faze-lo também? Bjs, querida e saudosa amiga.

  7. Que alegria ter a visita de vocês aqui ! Amigos queridos, cada um ocupando um cômodo no meu coração! Valdir, Melchíades , inspiração para mim no JT. Obrigada ! Me sinto honrada pelos elogios de todos, das meninas , companheiras de vida e futuras vovós. Passaremos juntos por este período de isolamento! Beijos a todos !

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.