Com a broxa na mão

Hoje em dia não existe mais o risco de tirarem a escada e o pintor ficar com a broxa na mão. Pelo menos em termos literais. Estou vendo no meu prédio, nestes dias. Os pintores sentam-se no que poderia se chamar andaime móvel, seguro por cordas, e vêm descendo, pintando, andar por andar. Vinte e três andares.

Não se sentem desconfortáveis, ou aflitos. A gente os espia, pelas frestas das janelas fechadas (para evitar que respingos de tinta ou olhares lúbricos entrem) e nota que trabalham como se estivessem no térreo, sentados em uma cadeira.

Nestes tempos modernos, a tinta sai de uma mangueira, o que facilita o trabalho e abrevia o tempo gasto. O único estrago vem no começo do mês. A cobrança adicional na taxa do condomínio.

Bem, evidentemente o que está acontecendo o meu prédio não  tem o menor interesse para quem se aventura a ler este texto. É só uma encheção de linguiça que cometi, para chegar ao ponto. Em política, vigora a prática antiga. Se o Moro não se cuidar, o Bolsonaro tira a escada e o deixa com a broxa na mão.

Glossário

Encheção de linguiça – Antiga expressão usada por idosos que não atualizaram seu vocabulário. Significa encheção de linguiça, já que este autor não consegue criar outra definição.

Junho de 2019

 

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.