Cristo, olhai para isto!

Quem já foi a Pompéia não esquece as cenas da vida cotidiana que o Vesúvio petrificou para sempre. Os habitantes e frequentadores daquela cidade de veraneio próxima a Nápoles, uma das mais lindas e ricas da península, foram apanhados de surpresa e não puderam se postar da maneira como gostariam de ser eternizados.

Já aqui… onde a natureza nos poupou de ter vulcões, o que explode são vesúvios morais que levam ao fim de um governo e à derrocada de um partido político que já foi o mais forte do país.

Mas não há ninguém cuidando da foto que deixará para a História do Brasil.

O problema de dona Dilma é um só: lutar desesperadamente para não perder o Poder, essa ambição que destrói o mundo há séculos. Ela parece não se preocupar com a imagem que deixará.

Discursando mais nos últimos dois meses do que nos cinco anos em que está na tal cadeira à qual se aferra como craca, ela só sabe dizer que tudo aquilo de que é acusada é farsa, traição, atentado à Constituição. Só não explica o que fez e por que o fez, só não responde com provas que desmintam aquilo de que é acusada.

Às vésperas de ter que largar o cargo, ela e seu partido resolveram que vão fazer o possível e o impossível – vão novamente fazer o diabo? – para perturbar e prejudicar o governo que virá substituí-la.

Se amasse o Brasil como diz amar, agora seria o momento de provar esse amor e pensar mais no país do que na manutenção da caneta.

É natural, é humano que dona Dilma não deseje tudo de bom a Michel Temer. Mas é de um egoísmo brutal ela se dedicar a fazer o possível para complicar o governo de seu sucessor, posto que isso prejudicará a vida de todos nós.

Dona Dilma, num dos seus últimos palanques, cita Eduardo Cunha como o “pecado original” do impeachment. Taí, ele é mesmo culpado de muitas coisas que, se Deus quiser, serão investigadas e ele receberá a punição que merece.

Mas se há uma coisa da qual ele é absolutamente inocente é o fato de ela ter sido colocada lá na tal cadeira. Disso, desse crime abominável, só é culpado o ex-presidente Lula. E menos culpado ainda é Cunha dos erros que ela cometeu.

Dona Dilma confirmou à excelente jornalista Christiana Amampour, da CNN International, que não é um animal político. Disso Lula não pode se valer: ele é sobretudo um animal político e, portanto, duvido que ele não perceba que ao tentar destruir o governo que vai suceder o atual, ele vai é acabar de destruir o Brasil.

Não acredito que Lula concorde com Rui Falcão quando ele conclama os militantes a ocupar as ruas e criar o máximo de tumulto que consigam. Tenho medo que eles só se satisfaçam com grandes tumultos. Eles são bem capazes de vibrar com isso.

Todavia, Lula sabe que isso não somente não salvará o mandato de Dilma Rousseff, como sabe que isso fará com que o PT vire pó nas próximas eleições.

Pode ser que as palavras de Rui Falcão iludam dona Dilma e a militância petista. Mas duvido muito que iludam Lula.

Nós, cidadãos que estamos sofrendo os malfeitos do lulo-petismo, não vamos deixar que o Brasil se ferre. Vamos apoiar o afastamento de Dilma Rousseff pelo bem do Brasil. Com as bênçãos do Cristo.

Para concluir: tenho cá para mim que Lula deveria ouvir mais dona Marisa. Ela bem que o alertou…

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 29/4/2016. 

Um comentário para “Cristo, olhai para isto!”

  1. Goste-se ou não, essa travessia passa por Temer.

    Não há essa de “eleições gerais” fora dos dispositivos constitucionais. Nem Lula e nem o PT acreditam de verdade nesse caminho. Ao contrário, apostam no fracasso do próximo governo, em fazê-lo sangrar por dois anos para ressurgir das cinzas, ou melhor, da lama na qual estão atolados, em 2018.

    Todas as aspirações pessoais são legítimas, bem como todos os projetos partidários. Absolutamente natural que o PSDB persiga sua vocação pelo poder. Mas há aqui uma ressalva a ser feita: tudo é legítimo desde que não se entre em rota de colisão com os interesses maiores da nação, e que se esteja em sintonia com o que é melhor para o Brasil.

    A recusa de participação no governo Temer aparenta ser um “purismo”, uma doença infantil dos tucanos, ou de parte deles. Por detrás desta postura pueril podem estar ambições desmedidas. As ambiguidades deixam as águas turvas, dificultam enxergar quem é quem, ou quem está querendo exatamente o quê.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.