Omissão e cumplicidade

A menos de uma semana para a eleição venezuelana, Nicolás Maduro ganhou um presentaço. Lá de Paris, Dilma Rousseff se apressou em declarar que não há razões para se aplicar a cláusula democrática e excluir a Venezuela do Mercosul.

A presidente praticamente transformou em letra morta a dura e correta nota do Itamaraty de condenação do assassinato de um opositor e de cobrança de lisura no processo eleitoral daquele país. A dubiedade de Dilma é, contudo, coerente com as omissões e cumplicidades do lulopetismo com a via autoritária do bolivarianismo, instaurado por Hugo Chávez.

O mundo inteiro está preocupado com o que pode acontecer com a Venezuela. Não se sabe, sequer, se o resultado eleitoral será respeitado na hipótese de uma vitória da oposição. Ou se será fraudado. Não há observadores internacionais independentes, pois foi vetada a presença de delegações da OEA e da União Europeia.

O que há é um simulacro, uma equipe da Unasul, braço do chavismo, cujo presidente, Ernesto Semper, ameaçou expulsar o Brasil da entidade, caso o Congresso Nacional aprove o impeachment de Dilma.

Se alguma expectativa existia quanto à possibilidade de o Itamaraty, um centro de excelência de reputação mundial, retomar as rédeas da política externa na América do Sul, Dilma acabou de dirimi-la. Em nossa região, o mandachuva continua sendo o longevo Marco Aurélio Garcia. Desde que Lula chegou ao poder, ele está lá no Palácio do Planalto, como vice-rei para assuntos latino-americanos e caribenhos.

Marco Aurélio é o grande responsável pela construção de uma política de alinhamento automático e de subserviência ao projeto bolivariano de Hugo Chávez.

O tal socialismo do século 21 de Chávez sempre fascinou a segmentos do Partido dos Trabalhadores e do governo, desde os tempos de Lula. A relação umbilical com o chavismo servia de compensação para as correntes mais  radicais do lulopetismo, que torciam o nariz para a política econômica ortodoxa adotada pelo então ministro da Fazenda,  Antonio Palocci, e seu presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

Apoiar Chávez era uma forma de exercitar o “internacionalismo proletário”. Ele era o novo guia. E a Venezuela o novo farol.

Ou não foi Lula quem afirmou que a Venezuela tinha “democracia em excesso” e que Chávez poderia ser criticado “por qualquer coisa, menos por falta de democracia”?

A política externa construída desde os tempos do Barão de Rio Branco foi mandada às favas. O Brasil deixou de ser uma liderança regional, de exercer um papel propositivo e pacificador na região. E embarcou em devaneios como o do “Gran Gasoduto del Sul”, que ligaria a Venezuela, o Brasil e a Argentina.

Para não falar no “acordo de camaradas”, por meio do qual o governo petista perdoou o calote venezuelano na Refinaria Abreu e Lima, um dos muitos péssimos negócios imposto por Lula à Petrobras.

Até alguns dias atrás, o governo brasileiro fingia não ver que a Venezuela está, há muito, em marcha batida para uma ditadura. Limitava-se, em poucas e esparsas ocasiões, a reclamações ao pé do ouvido de Nicolás Maduro.

Custa crer, mas é verdade. Reclamou até da postura do TSE brasileiro, que se recusou a indicar outro nome no lugar de Nelson Jobim para acompanhar a eleição naquele país, depois que o ex-ministro do Supremo foi vetado pela Comissão Nacional Eleitoral – vale dizer, por Maduro.

A nota do Itamaraty parecia uma inflexão nesta política de avestruz.

Em Paris, Dilma fez mais uma meia-volta. Preferiu manter-se de costas para a democracia a somar sua voz ao apelo de líderes e ex-chefes de Estado como David Cameron, Felipe Gonzalez, Ricardo Lagos, Fernando Henrique Cardoso, Manuel Valls – premiê da França -, entre outros, signatários do manifesto “Venezuela grita liberdade”.

Perdeu a chance de ao menos aparecer ao lado de estadistas.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 2/12/2015. 

3 Comentários para “Omissão e cumplicidade”

  1. Nosso império latino-americano traz saudades. Devemos invadir o Paraguai e realizar moderno genocídio, invadir a Bolívia e tomar o gasoduto em nome do desenvolvimento das nossas indústrias, anexar o Uruguai à federação e quem sabe criar uma canabisturismo. A Venezuela será nossa parceira petrolífera para fornecimento de óleo aos países desenvolvidos e os Hermanos argentinos liderados pelo neo liberal Macri voltará a equilibrar o câmbio e pagar suas dívidas no exterior e restabelecer os preços das importações brasileiras.
    A esquerda avançou na América até onde podia, agora não passarão, voltou à cena o imperialismo e retorna o processo de colonização econômica, política e cultural. A morte de Chaves enterrou o bolivarismo porta voz retórico do socialismo. Evo aguenta como pode, Lugo deposto, Dilma pela bola sete, Cristina dança tango em Paris, e
    a América do Sul volta para as mãos dos renomados estadistas. Para a vitória final dos saudosos entreguistas a morte de Lula e sua cabeça entregue como prêmio de uma vitória geopolítica.

  2. Bem, claro está que a Venezuela vive uma ditadura. O Maduro aprendeu muito bem com o George Bush: instituição de estado policial através de legislação de exceção. Porém, combater um governo autoritário é, para a humanidade, de segunda grandeza.

    O primordial é combater a hipocrisia (em nível mundial, mais destrutiva):

    O assassinato do opositor, na Venezuela, é cópia fiel do coronelismo brasileiro (os jornalistas do interior do Brasil que o digam). Já a solidária marcha pela liberdade do FHC não inclui a preocupação com o Chico Mendes e outros opositores do latifúndio que foram mortos, no hiperdemocrático interior do Brasil.

    Dos mais de cinco mil municípios brazucas, quantos são democráticos? Conte-se no dedo!

    “O mundo inteiro está preocupado com o que pode acontecer com a Venezuela”: quando o Alquéres diz “mundo inteiro”, está se referindo às “7 Irmãs” do petróleo e a outros investidores, que se importam com a Venezuela do mesmo jeito que se importam com Haiti, El Salvador e outros países que continuam “no caminho certo”.

    Que tal O Cameron e o FHC assinarem algo contra o coronelismo brasileiro? Quem sabe, o patrimônio moral deles aumente!

  3. Pois é, senhores, o Maduro não pode se inspirar no Mussolini e Estálin, pega muito mal.

    O mestre do Maduro é o Jorginho Bush: versão muito mais suave do fascismo.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.