O sorriso do doutor Levy

Em ‘Torresmo à Milanesa’, Adoniran e Carlinhos Vergueiro falam de dois operários que na hora do rango pegam suas marmitas e sentam num canto para comer e “conversar sobre isso e aquilo, coisas que nóis não entende nada…”

Eu também falo do que não entendo, Economia. Não entendo, é verdade, mas sofro!

O Palácio do Planalto custa uma pequena fortuna ao Tesouro Nacional.  O que não falta a dona Dilma são auxiliares. Pensantes ou não. E ainda tem o AeroLula às suas ordens, que ela usa como bem lhe aprouver, como se fosse um fusqueta da família Rousseff.

Nossa máquina pública é caríssima. 39 ministérios com toda a bagagem que isso implica, dos gabinetes aos altos salários e mais os generosos adicionais; um Congresso que pode passar mais de um ano sem que ouçamos a voz de todos os seus membros: são 513 deputados federais e 81 senadores, num total de 594 gabinetes, não sei quantos assessores e secretárias, planos de saúde de alta voltagem, carros de luxo com motoristas, auxílio-moradia e, o que mais me irrita, viagens semanais aos seus estados de origem, para visitar as bases… Só quem já viveu numa dessas bases e sabe o que eles fazem lá de quinta a segunda é que pode avaliar o que isso significa!

Confesso que estou revoltada e indignada. Fomos iludidos por dona Dilma na campanha e agora estamos sendo punidos pelos erros que ela, o PT e partidos coligados cometeram. Não fomos nós, a sociedade como um todo, que estraçalhamos a estrutura econômica do Brasil. Mas somos nós que vamos pagar a conta!

O ministro Joaquim Levy disse, com todas as letras, que é imprescindível arrumar a casa. O país está numa recessão que ainda pode nos custar muito caro. Precisamos recuperar a credibilidade do Brasil diante do mundo para poder retomar o crescimento.

Tudo bem, não há como duvidar de suas palavras. Mas quem devia se dirigir à Nação para nos informar e se desculpar era ela, a presidente. Ela é a responsável. Quem tem que assinar essa promessa é ela e não ele. Ele é demissível ad nutum, ela não.

Não me parece justo que paguemos pelo esbanjamento aloprado do governo Dilma I. Não seria mais correto apertar o cinto do governo? Congelar as benesses que favorecem os altos funcionários da administração? Fazer o Congresso ver que a paciência dos brasileiros pode estar se esgotando?

Até quando vamos tolerar impostos de primeiro mundo e serviços de quinto mundo?

Dona Dilma falava daquele país idílico que ela administrava sempre enfezada, de mau humor. Já o doutor Levy nos mostra um cenário triste, feio, assustador, onde ser feliz vai ser complicado.  Mas ele o faz com um sorriso tão simpático…

Governo novo, ideias novas, lembram?  Viram qual era a novidade? O sorriso em vez da carranca!

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 23/1/2015. 

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.