Crônicas macunaímicas

Que o Brasil não é um país para principiantes já sabíamos há séculos.

Severos cientistas sociais de óculos de lentes grossas poderiam dizer, em mesas redondas da TV, que estamos vivendo um estado de “anomia” – um país sem rumo, sem bússola, sem projeto.

Alguém que tivesse a alma mais leve de um artista, por exemplo, poderia citar o Manifesto Surrealista de André Breton, no trecho em que ele defende que qualquer controle exercido pela razão seja suspenso, de forma a dar vida à nova arte “alheia a qualquer preocupação estética ou moral”.

Como estamos na terra de Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, seria mais apropriado mesmo dizer que isso aqui está “uma bagunça”. É mais fácil de digerir, mais fácil para fazer-se entender, mais adequado ao linguajar popular.

Já não sabemos mais se o governo existe para cumprir a tarefa básica de governar – ou seja, de dirigir os chamados destinos da Nação, através de decisões políticas e econômicas que imprimam um rumo à navegação comum – ou se existe apenas com a finalidade de evitar que deixe de existir de um momento para o outro.

Viver para simplesmente não parar de respirar não é um objetivo muito engrandecedor para nenhum governo, convenhamos. Sobreviver até o fim do mandato deixou de ser um meio para executar um programa e passou a ser um programa de governo em si mesmo.

Alguém que levanta e lê jornal (partindo do pressuposto de que já não soubesse tudo desde a noite anterior, pela TV ou pela internet) tem mais motivos para debater-se contra a escuridão do que encontrar, digamos, um sendeiro luminoso que ajude a entender o que está acontecendo.

O sujeito vai dormir pensando na hecatombe que será o Congresso derrubando todos os vetos presidenciais sob o comando da brigada ligeira do PMDB, inviabilizando as contas do pais pelos próximos séculos, e acorda com a presidente tramando a entrega de quatro ou cinco ministérios àquele mesmo partido que um dia antes não queria saber de ministério nenhum mas que garantiu a manutenção da pilha de vetos.

A Eduardo Cunha, o ferrabrás da pautas-bomba, que ameaça demolir o castelo das contas públicas deixando proliferar sobre a mesa a cornucópia de benesses de todos os deputados clientelistas do Oiapoque ao Chuí, coube a honra de uma conversa ao pé de ouvido. Protagonista: o presidente excelso, honorário e eterno, Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula, informam os jornais virtuais e materiais, cochichou a Cunha um pedido para empurrar com a barriga qualquer pedido de impeachment contra Dilma, até que…bem, até qualquer dia que não esteja muito perto, para não atrapalhar, afinal, as articulações do ajuste fiscal e da tal reforma ministerial.

Lula é a favor mas é contra o ajuste fiscal, e enquanto tenta equilibrar essa bola no nariz, como uma foca, articula um novo ministério para sua criatura. O objetivo é transparente: ir ficando, enquanto der. Quanto mais perto de 2018 chegarmos, melhor. E com quanto menos escoriações, melhor também.

Ou seja: Cunha ë inimigo, mas pode ser parceiro também. Tanto que um compadre dele, um certo deputado da Paraíba, Manoel Junior, que já aconselhou Dilma a renunciar, aparece como favorito para o cargo de ministro da Saúde, aquela pasta que se não ajuda em nada a saúde física do brasileiro, oferece luminosas atrações aos vampiros que preferem o sangue à luz.

Bem, onde estávamos mesmo? Ah, ainda não temos ajuste, ainda não temos reforma ministerial, ainda não sabemos se o PMDB assumiu ou não o governo, um terço do governo, metade dele ou o governo inteiro, o dólar sai em louca disparada, e a presidente….

…a presidente? Bem, ela foi a Nova York pedir uma reforma na ONU.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 25/9/2015. 

7 Comentários para “Crônicas macunaímicas”

  1. AOS OUSADOS.

    É indecorosa e quase obscena, a ambigüidade da oposição oferecendo um suporte ao denunciado pela facilidade de que dispõe para acionar um processo de impeachment da presidente da República. O que se espera da oposição e especialmente do PSDB é outra espécie de ousadia: a da “gente boa”, os decentes e honrados.

  2. AOS GENTE BOA.

    É indecorosa e quase obscena, a ambigüidade da oposição oferecendo um OUSADO suporte ao denunciado EDUARDO CUNHA pela facilidade de que dispõe para acionar um processo de impeachment da presidentA da República. O que se espera da oposição e especialmente do PSDB é outra espécie de ousadia: a da “gente boa”, os decentes e honrados.

  3. Miltinho, das duas, uma: ou você cria um blog para você, ou você cria um partido pra chamar de seu.
    Dou a maior força!
    Grande abraço!
    Sérgio

  4. Sérgio.
    Não me ponha pra fora, preciso de um pauteiro de peso, mesmo que direitoso. O direitoso é temporário e respeitoso, está em trânsito mas retorna ao centro.
    Não sou como a Marina Silva da Rede, não quero um partido institucional, já tenho um do qual me desfiliei.
    Não preciso que me digam de que lado nasce o sol Por que bate lá meu coração.

  5. Miltinho, continue mandando firme seus comentários, eles agitam o pedaço, irritam a freguesia (isso é divertido), e bagunçam o samba de uma nota só.

  6. Valdir uma nota só é enfadonha e leva a uma unanimidade consonante e nelsonrodriguiana, levam quando muito a um sambinha de baiano, lento e inzoneiro.
    Nossos comentários são como notas dissonantes, que nos levam a compor, em parceria, uma música que será um dia, tão cantada como ‘Marina Morena’ do Caymmi. Não somos cabeça de ovo!

  7. Além dos desavergonhados donos de tetas e de capitanias invadidas, nada é mais elucidativo de como Banânia se move, que Macunaíma. Aqui nada é gestado conforme a ordem natural das coisas, mas quase tudo é expelido pelo aparelho excretor.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.