As fábulas de uma eleição

Fadas, reis, rainhas, príncipes, dragões, vovozinhas, lobos maus, além de monstros de toda espécie habitam as fábulas e seu universo de estereótipos que ajudam as mentes infantis a desenvolver a fantasia, a criatividade, e colaboram na absorção de princípios morais, nas boas regras de comportamento e no discernimento entre o bem e o mal.

As crianças crescem, suas mentes amadurecem, a simbologia das fábulas vai sendo compreendida e adaptada aos eventos reais, a vida se torna mais complexa, os conflitos mais elaborados, e a carruagem da gata borralheira não se transforma mais em abóbora à meia-noite.

Tudo tem seu tempo dentro da escala de evolução intelectual e biológica natural, e é por isso que a regressão de mentes adultas ao universo de estereótipos infantis – ou a infantilização – é um sintoma preocupante, principalmente quando se manifesta coletivamente e passa a ser um fator de peso numa campanha eleitoral às vésperas de decidir quais serão os rumos futuros de um país de 200 milhões de habitantes.

Como observa um editorial do Estadão, “seria engraçado se não fosse deplorável” que duas senhoras adultas e sérias, uma delas no exercício da presidência da República, cargo que pretende manter, e outra uma ex-ministra, que pretende ocupar o cargo da outra, trocassem acusações que beiram a puerilidade, sobre as respectivas relações com “os banqueiros”, transformados no Lobo Mau da fábula, aquele que ameaça com um sopro botar abaixo a casa dos três porquinhos.

Marina Silva, o Ente etéreo da floresta, ao tentar materializar-se diante do eleitor urbano medianamente consciente das engrenagens que movem a vida real, defendeu a autonomia do Banco Central- o que significa apenas libertar um órgão técnico de Estado do peso da influência da política partidária eleitoral.

A máquina de fabricar mitos recorreu aos estereótipos arraigados no inconsciente coletivo infantilizado de boa parte do eleitorado brasileiro, e reinventou a figura sinistra do banqueiro (o ricaço barrigudo com seu charuto na boca e cartola na cabeça, sobrevivente da caricatura da Belle Époque) e colocou a fada Marina ao seu lado – uma dupla sinistra espoliando o pobre povo brasileiro.

A fada respondeu que nunca o barrigudo engordou tanto como no governo da acusadora.

Pra completar o trabalho de infantilização, uma senhora ambientalista de sobrenome suspeito – Setúbal – que herdou ações de um banco mas provavelmente nem sabe como funciona um, está na campanha de Marina – com as oníricas intenções salvacionistas de uma herdeira, e foi transformada na sanguessuga banqueira que vai chupar o sangue dos pobres.

Aqueles que na falta de argumentos declamam (como dizia Lênin) conseguiram rebaixar o debate político brasileiro à profundidade dos contos da carochinha, como aquele onde o lobo acusa o cordeiro de turvar a água que ele já bebeu.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 12/9/2014. 

 

Um comentário para “As fábulas de uma eleição”

  1. Mais um bom texto do craque. Suas comparações são bastante interessantes. São formas sutis de criticar o cenário político. Entre a fada e o gnomo o texto é jornalístico, imparcial, prudente. Vê-se que ficou fora dos contos da carichinha o lobo mau mineiro.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.