A mulher nua

zzmanuelhedy

Em con­vul­são meta­fí­sica ou embalo esté­tico, o cinema gosta da mulher nua. Fruto de minu­ci­osa inves­ti­ga­ção, deixo-vos uma lista de temas, situ­a­ções e luga­res que os fil­mes usa­ram como des­culpa para a despir.

1. A Bíblia, obses­são ame­ri­cana inau­gu­rada por De Mille.

2. O banho cle­o­pá­trico, tanto o de espuma como o de leite, com ou sem Liz Taylor.

3. O Impé­rio Romano, que nas “Due notti con Cle­o­pa­tra” reve­lou à huma­ni­dade a morena ple­ni­tude de Sophia Loren.

4. A orgia his­tó­rica, fes­tim em que a maçã, as uvas, o assado trin­chado se com­bi­nam com o por­me­nor cali­pí­gio e a acro­ba­cia mamária.

5. Os jogos olím­pi­cos, e lem­bro “Olym­pia”, da Rie­fens­tahl, quando a Ale­ma­nha nazi se recla­mava, em pre­gas e man­tos ou sem eles, da Gré­cia clássica.

6. Os mares do Sul e o catá­logo exó­tico de pei­ti­nhos indí­ge­nas do “Tabu” de Murnau.

7. A natu­reza, em fil­mes dina­mar­que­ses ou sue­cos, num Verão berg­ma­ni­ano. No seio dela, da natu­reza, em “Ecs­tasy”, Hedy Lamarr teve o pri­meiro orgasmo femi­nino do cinema.

8. O quarto, des­tino cru do sou­tien meia-taça com arma­ção e do neo-realismo ita­li­ano, a que nem Vis­conti escapou.

9. O calen­dá­rio, gosto e voca­ção que Marilyn par­ti­lhava com o Papa Gre­gó­rio (Hélas! nunca se conheceram).

10. O ter­raço, em Saint-Tropez, estava Deus a criar a mulher e já o mundo a sonhar com Bri­gitte Bardot.

11. A cama e o apar­ta­mento, triunfo do imo­bi­liá­rio com que a Nou­velle Vague nos dei­xou à bout de souf­fle.

12. O Diabo, para qual­quer assunto tra­tar com Roman Polanski.

13. A mesa da cozi­nha, quando Jack Nichol­son, que não é car­teiro nenhum, toca para aí duas ou três vezes.

14. O cavalo, com Bo Derek a trote e a galope.

15. O Tita­nic e a con­sis­tente nudez de Kate Wins­let, capaz de der­re­ter todos os icebergs.

16. A Vir­gem Maria, exclu­sivo de Jean-Luc Godard.

E isto é dei­xando de fora a fic­ção cien­tí­fica, fil­mes de ter­ror, refor­ma­tó­rios e pri­sões de mulhe­res. Tam­bém Demi Moore, claro.

zzmanuelsophia

Este artigo foi originalmente publicado no semanário português O Expresso.

manuel.s.phonseca@gmail.com

Manuel S. Fonseca escreve de acordo com a antiga ortografia.

Nota do administrador: é óbvio demais, mas, como para mim vale a lei de que a cada foto corresponde uma legenda, lá vai. A foto do alto é do filme Êxtase, com Hedy Lamarr; a logo acima é de Due notti con Cle­o­pa­tra, com Sophia Loren. (S.V.) 

Um comentário para “A mulher nua”

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.