Ou Dirceu é mentiroso, ou então é burro

O ex-ministro José Dirceu deu a entender, claramente, que das duas, uma: ou é mentiroso, ou é burro.

Está no portal da Folha de S. Paulo o texto assinado por Fernando Rodrigues e Mônica Bergamo, acompanhado de vídeos com trechos da entrevista:

“Em entrevista ao Poder e Política, programa da Folha e do UOL, Dirceu disse ter sido ‘assediado moralmente’ durante seis meses por Luiz Fux, que era ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e desejava ir para o STF (Supremo Tribunal Federal).

“A reunião entre ambos ocorreu num escritório de advocacia de conhecidos comuns. Ao relatar esse encontro, Dirceu faz uma acusação grave. O ex-ministro afirma não ter perguntado ‘nada’ [mas Fux] ‘tomou a iniciativa de dizer que ia me absolver’.

“Num outro trecho da entrevista, segundo Dirceu, ‘ele [Fux], de livre e espontânea vontade, se comprometeu com terceiros, por ter conhecimento do processo, por ter convicção’.

A própria Folha informou que o ministro Luiz Fux declarou, por meio da assessoria de imprensa do STF, que não responderá à acusação do ex-ministro José Dirceu: “Ministro do STF não polemiza com réu”, afirmou Fux.

***

Bem. Pode ser que os fatos relatados por Dirceu não tenham acontecido. Nesse caso, ele é mentiroso.

Mas, se os fatos tiverem se passado dessa maneira, então José Dirceu veio a público dizer que o governo de seu partido escolheu e nomeou para uma das 11 vagas da mais alta Corte de Justiça do país um homem venal, capaz de “assediar moralmente” um líder influente do partido.

O que não chegaria a ser propriamente um ato que denota inteligência.

Ou é mentiroso, ou é burro.

Simples assim.

Se não for mentiroso, está aí provado que o país não precisa mesmo de oposição. Um dos principais líderes do partido que governa o país vem a público esclarecer que as decisões da presidente são uma porcaria.

10 de abril de 2013

3 Comentários para “Ou Dirceu é mentiroso, ou então é burro”

  1. Nem mentiroso e nem burro. O cara é inteligente e ousado. A verdade mais que conhecida, os ministros do STF fazem “lob” e são escolhidos a dedo pelo governante de plantão. E mais os escolhidos nem sempre são juízes de carreira, concursados e com experiência anterior, vide a escolha do lobista Dias Tofoli ao STF. O deprimente julgamento da ação 470 pelo STF foi altamente político, e beneficiou o réu condenado a apenas 10 anos.
    Julgar burro o réu que vem a público dizer que vai lutar por sua inocência, alegar julgamento político, e intenção de recorrer a corte de São José.
    Burro sou eu, que faço o papel de “imbecil útil” votando e legitimando o processo democrático e o Estado Autoritário de Direito.
    Imaginem um presidente como Joaquim Barbosa mandando jornalistas “chafurdarem no lixo”.
    Nosso medo é o retrocesso, MarinaS neles.

  2. EXISTE SUBSTANCIAL DIFERENÇA ENTRE UM SOCIÓLOGO TEÓRICO DO NEOLIBERALISMO e um PICOLÉ DE CHUCHU!

    HÁ QUE SE PERGUNTAR, SERIA BURRICE APENAS?

    O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta quinta-feira (11) que encaminhará em 15 dias ao Congresso Nacional um projeto de lei que propõe tornar o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) mais rígido em relação a adolescentes envolvidos em casos em casos de violência considerados graves e reincidentes.

  3. Por que Dirceu só acusou o Fux agora, quando o Celso de Mello entregou seu voto, e o acórdão finalmente vai sair?
    Na entrevista à Folha, Dirceu foi ao ponto: “Eu acho que ele já deveria ter se declarado impedido de participar desse julgamento”.
    O Toffoli, naturalmente, não era o caso.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.