O importante é comunicar

A timidez da infância costuma, às vezes, me visitar. Vivendo de trabalhar com palavras, essas me faltam em  certas situações. Dizer o exato para o momento é essencial. Quantos amores não se realizam, quantas amizades não se perdem na falta da expressão justa e oportuna. Quantos conflitos, quantas guerras, quanta incompreensão não poderia ser evitada  se houvesse a correta comunicação.

Para que os relacionamentos sociais transcorram na normalidade é necessário que cada um ouça o que o outro tem a dizer. Mas não basta que o som atravesse os ouvidos do interlocutor. É preciso que ele receba com atenção e desarmado, e reflita,  a opinião do parceiro de conversa. Berrar não é forma de dialogar, é fugir da mútua compreensão, é se considerar senhor da razão. A ideia preconcebida é inimiga da convivência.

Isso é fácil na teoria e complicado de se aplicar na prática do dia a dia. A divergência de algumas pessoas é tão arraigada que é necessária muita paciência para toureá-la. O importante é partir do princípio de que não há verdade absoluta,  não existe uma só verdade;  ela é sempre relativa. Esse é meio caminho andado para o possível entendimento.

Nos tempos pré internet, o telefone e o correio eram os veículos que se usava para falar com nossos amigos e parentes, principalmente quando havia quilômetros separando as moradas . O telefone até bem pouco tempo era precário e caro. Como era penoso fazer ligações nacionais e internacionais em um tempo não tão distante. Era exigida muita paciência e grana para ouvir a voz de um amigo ausente.

A opção era o correio, que podia demorar semanas até chegar ao destinatário e voltar. Mas como era bom receber a visita dos mensageiros, que traziam notícias do mundo de lá, de cidadezinhas afastadas no interior do Brasil ou de metrópoles européias e seus cartões postais. Tudo era mais lento, devagar, mas ninguém reclamava, pois a velocidade ainda não fora inaugurada. Se a lentidão era própria do interior do país, o ritmo das capitais não era nada diante do que vemos neste nosso mundo globalizado. Mas a vontade de se comunicar sempre houve.

Assim é que, quando um amigo se mudava para uma outra cidade, os dois manifestavam claramente o desejo de receber novidades. E nem sempre havia assunto, mas era importante não falhar no compromisso de amizade. Foi assim que um dia inventei um  personagem, o Juvêncio Eleutério Carcomido, o Juva. Através dele, o Paulinho Lagoa, lá de Porto Alegre, sabia que eu estava vivo e bem humorado. Quanto faltava assunto, tudo era válido em matéria de forma.

Escrevi palavras afetuosas até em papel  higiênico. O conteúdo era poético e era nobre o uso que eu lhe dei. Pois o importante era e é se comunicar.

 Esta crônica foi originalmente publicada no Estado de Minas, em agosto de 2013. 

Um comentário para “O importante é comunicar”

  1. MACAQUICES.

    Melhor que macaquear idéias estranhas e estrangeiras, bom ler os textos de Brant.
    Sou macaco de auditório. Toda semana Brant me presenteia com boas idéias, bons textos, ternura e clarividência.

    “A divergência de algumas pessoas é tão arraigada que é necessária muita paciência para toureá-la”.

    Sábias e ternas palavras, ajuda a ter paciência,pois a vontade de dialogar com os amigos sempre houve

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.