O batmóvel e a democracia

Infeliz do povo que precisa de heróis.

A frase foi colocada pelo teatrólogo alemão Bertolt Brecht na boca de seu personagem Galileu na peça Vida de Galileu. Brecht era marxista militante e provavelmente não imaginava a riqueza de significados que a sua frase ganharia na história da semântica ideológica de metade do século passado e no começo deste.

A determinação do presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa para que se executassem as penas a que foram condenados os denunciados na Ação Penal 457 — o mensalão — mostrou como era sábia a frase de Brecht.

O gesto de braços erguidos e de punhos cerrados que dois dois principais condenados encenaram ao chegar às sedes da Polícia Federal onde resolveram se apresentar para obedecer à ordem de prisão teve um suave toque de patética melancolia.

É um pouco grotesco pintar com tintas de heroísmo um gesto tão banal quanto o de apresentar-se aos carcereiros para cumprir uma pena por corrupção decretada por maioria insofismável dos juízes da Suprema Corte de um país que vive há pelos menos um quarto de século em pleno processo democrático.

Apresentar-se como “presos políticos” foi uma opção teatral encampada pelos condenados e, pior ainda, endossada pelo partido a que pertencem, que há mais de dez anos comanda a maioria parlamentar de uma coalizão de governo e que está muito perto de conquistar o quarto mandato consecutivo.

O paradoxo de ser preso político de um governo do qual eles mesmo fazem parte e do qual são — ou foram — líderes ou expoentes talvez seja um caso sem precedentes na história política moderna e nenhum deles demonstrou o menor constrangimento em participar dessa pantomima, sem dar-se conta do grotesco da situação.

Pois se é, relembrando o Galileu de Brecht, infeliz do povo que precisa de heróis, principalmente quando construídos sob premissas tão esfarrapadas e contraditórias, não é menos verdade que tão infeliz quanto precisar desse tipo de heróis, é a face oposta da mesma moeda.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, nomeado para uma vaga de juiz pelo ex-presidente Lula quando estava à procura de um negro para preencher simbolicamente uma vaga na Suprema Corte, oscilou, como os mensaleiros condenados, entre os extremos de herói e vilão da Pátria. Foi chamado por alguns de capitão do mato e outros entregariam de bom grado a ele a espada do justiceiro.

Uma prova de que a democracia brasileira ainda é jovem e imberbe e que o país precisa tanto de heróis quanto de vilões porque ainda não aprendeu que não é com picos de adrenalina que se constrói um País mais justo, mais equânime e mais democrático.

A Nação só poderá orgulhar-se de estar madura para a democracia quando não precisar mais da sirene do batmóvel para anunciar que alguém está correndo atrás do Coringa.

 Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 22/11/2013. 

Um comentário para “O batmóvel e a democracia”

  1. Galileu abdicou da verdade para escapar da fogueira, preferiu a covardia e renunciou à condição de mártir e herói.

    O artigo,como base na frase saida da boca de um condenado, nos faz refletir e sonhar com uma nação madura, longe das inquisições, dos juticeiros e capitães do mato, enfim menos policialesca, menos Gothan City.

    Parabéns pela compilação, editor, texto de grande valor!!!!

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.