Brics terão série B

Um keynesiano em cada esquina para melhor servir você.

Lembra desse slogan? Era de uma loja que vendia artigos populares – claro que não tinha Keynes no slogan, era apenas uma loja.

O Brasil é um país peculiar onde o partido que agora está no poder conseguiu chegar lá porque fez uma declaração pública dizendo que respeitaria todos os fundamentos da política econômica implantada pelo adversário e contra a qual ele votou.

E também por ter ampliado um programa que chamava de bolsa esmola e que a partir do momento em que foi multiplicado passou a ser o maior programa de inclusão social do mundo. Agora todo mundo pode plantar a sua macaxeira e manter intacta a sua dignidade.

O país é tão peculiar que descobriu que estava sendo espionado pelas agências de segurança do governo norte-americano e transformou isso num formoso cavalo de batalha para ser usado nos programas eleitorais, até que se descobriu que fazia a mesma coisa, mas com intenções civilizatórias, e não expiatórias.

“Mas é diferente” passou a ser o slogan para justificar tudo o que o partido no poder criticava nos outros e faz igual. A diferença é que o seu igual é diferente daquele dos outros. Por que razão? Simples, os outros fazem coisas para o mal, ao passo que ele faz as mesmas coisas mas é para o bem.

Difícil de entender? É que você não entende a diferença entre a deontologia do bem e a do mal.

A peculiaridade se tornou tão diferenciada, que o eufemismo tomou o lugar da verdade.

A inflação anda pelas tabelas beirando perigosamente o teto da meta, mas o ministro Guido Mantega diz que essa é uma característica inerente a esta época do ano. A teoria deve ter alguma coisa a ver com a característica da temperatura do outono. Serão as folhas mortas? Quando o verão chegar, as coisas vão mudar.

O equilíbrio fiscal sempre teve um significado claro, que é a ação que não permite — ou não deve permitir — que o governo gaste muito mais daquilo que arrecada. É mais ou menos o efeito carnê das Casas Bahia: não gaste 100 se você ganha 80. As consequências disso costumam ser desastrosas: chamam elegantemente de déficit público ou de descontrole das contas públicas. Cobre-se o rombo com emissão de títulos, aumenta a dívida, a inflação cresce.

O governo inventou a chamada “contabilidade criativa” para mudar o dinheiro daqui pra lá e fingir que ele nasce em árvore, mas o desalmado mercado e as agências de avaliação de risco que só se deixam enganar quando interessa a elas, conhecem os truques e sabem detectá-los à distância.

O fato é que os Brics, que são uma espécie de Fifa que reúne países emergentes, uma federação inexistente de iniciais que serve para nomear países em fase de desenvolvimento acelerado, está prestes a rebaixar o Brasil para a série B.

Tudo isso para provar que é mais difícil criar os fundamentos de um país sólido e de crescimento sustentável do que encher urnas de votos quando esse é um fim em si mesmo.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 8/11/2013. 

Um comentário para “Brics terão série B”

  1. Tem neguinho torcendo para o SÃO PAULO ser rebaixado a série B.
    Torcer para o BRASIL ir se juntar a série B dos BRICS é demais. Vou tentar mudar o técnico, arrecuar os arfes, para evitar a catastre.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.