A hora do bicho-papão

Sete anos depois de o ex-presidente Lula, em rede nacional de TV, se dizer traído, acusar o seu partido e pedir desculpas ao povo brasileiro, o presidente do PT, deputado Rui Falcão (SP), desempenha o papel bipolarmente inverso.

Lula protagonizou sua cena em horário nobre, com cenho franzido, voz embargada. Uma atuação digna de Oscar.

Já Falcão, que dia sim outro também queima a língua, atacou novamente. Isso após conclamar a militância para reagir contra o julgamento do mensalão e quase botar tudo a perder ao revelar a estratégia petista de focar a CPI do Cachoeira no governador Marconi Perillo (PSDB-GO).

Em um vídeo no site do PT, ele reitera a tese de que o mensalão não existiu – materializada por Lula após conselhos do ex-ministro e advogado-mor Márcio Thomaz Bastos – e vai ainda mais longe. Diz que não houve uso de recursos públicos ou ilícitos e que nenhum dos réus do PT enriqueceu.

Esse último argumento é genial. Recupera o esdrúxulo axioma da esquerda, o que perdoa o roubo desde que feito em nome da revolução; desde que o dinheiro vá para o partido, único capaz de levar o povo ao paraíso.

Isso sem contar que o não enriquecimento propalado por Falcão não é propriamente uma característica dos réus petistas. A prosperidade abençoou a todos depois de 2003. Mas, claro, nada tem a ver diretamente com o mensalão, José Dirceu e companhia. Até porque outras estrelas do petismo também enriqueceram, e muito, pós-ascensão ao poder. Palocci e Pimentel que o digam.

No final do vídeo, Falcão, mais uma vez, vai além do que devia. Presta solidariedade aos seus, elogia o Supremo Tribunal Federal e diz, como um recadinho, que espera um “pleito justo, exclusivamente com base nas provas dos autos.”

Obviedade descartável. Quanto mais para o presidente do partido que detém a Presidência da República e a maior representação política do País. Uma afirmativa que só se justificaria para os que imaginam que a corte suprema poderia agir diferente, em oposição à lei.

Bem intencionado frente aos seus, mas o boquirroto de sempre, que diz o que não devia dizer na hora que todos querem que ninguém nada diga, Falcão fez o dever de casa: dias antes do julgamento dos grandes ícones do PT repisou a tese de que o mensalão não existiu. Assim como Papai Noel, fada do dente, duendes.

Sem contos de fadas, a partir da próxima quinta-feira o STF começará a substituir torcidas pelas letras da lei. E é aí que o bicho pega. Não o bicho-papão das histórias da carochinha, mas aquele que assusta e petrifica réus que tudo fizeram – e ainda fazem – para escapar do dia D.

Este artigo foi originalmente publido no Blog do Noblat, em 29/7/2012. 

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.