Brasil, país rico é…

Governantes adoram bordões publicitários. Crêem que eles podem imortalizá-los. O Brasil já viu vários deles. Alguns, assertivos, como o lema dos “50 anos em 5” de Juscelino Kubitschek. Outros nem tanto, mas que asseguraram seu lugar na história, como o nefasto “Brasil, ame-o ou deixe-o”, de Garrastazu Médici, linha dura do regime militar.

Os mais recentes, criados pela geração de ouro da marquetagem política, poucos ou quase ninguém se lembra. É o caso do “Brasil, união de todos”, do presidente cassado Collor de Mello ou do “Avança, Brasil”, de Fernando Henrique Cardoso.

O “Brasil, um país de todos” de Lula pode ou não ter o mesmo destino. Mas já começa perdendo força ao ser substituído pelo “país rico é país sem pobreza”, anunciado pela presidente Dilma Rousseff na quinta-feira, em inédita cadeia nacional de rádio e TV.

Embora a criação de um novo slogan custe alto para o contribuinte, já que a partir dele se muda tudo – de um simples papel timbrado a todas as placas de obras -, é exigir muito que governos, mesmo os de continuidade, mantenham a identidade visual do anterior. Cada governante quer impor sua marca.

O lema de Dilma é correto. Chove no molhado, mas traduz exatamente o que ela prega desde o primeiro dia: a batalha diuturna para combater a miséria.

Mas se é mesmo para pingar em pingo pingado, o melhor mesmo seria “Brasil, país rico é pais sem corrupção”. Afinal, é na corrupção que se esvai a maior parte da riqueza brasileira – de 1,38% a 2,3% do PIB, segundo pesquisa da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) divulgada no ano passado. Algo entre R$ 41,5 bilhões e R$ 69,1 bilhões ao ano.

Os números assustam. Equivalem ou são maiores do que o corte “duro” de R$ 50 bilhões que o governo Dilma acaba de anunciar. Ultrapassam, e muito, o impacto do reajuste do salário mínimo ou dos aposentados. Pagam com folga o que se arrecadava com a famigerada CPMF.

Se o custo real sensibiliza pouco, o que dirá então do custo moral. Para esse, ninguém liga.

País rico, presidente Dilma, é o que não se dobra à corrupção, que não tolera a impunidade. Que abomina aqueles que se aliam a corruptos, que acobertam companheiros e abraçam Erenices, que fazem gestos de cortesia a um ex-presidente cassado por corrupção; que mantêm e engordam o reinado de gente como Sarney, que reabilitam Delúbios e Dirceus.

País rico é país digno. Onde o pato não é pago apenas pelos não apaniguados do poder. Onde quem rouba, mesmo sendo rico, político ou amigo, também vai para a cadeia.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 13/2/2011.

5 Comentários para “Brasil, país rico é…”

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.